quarta-feira, 30 de novembro de 2011

O P.R.E.C. DA DIREITA E DE ANTÓNIO JOSÉ SEGURO



Estamos em pleno P.R.E.C. da DIREITA TRADICIONAL E DA ALA DIREITA DO PS.
Pessoalmente, sou adepto da Liberdade e da Democracia, MAS HÁ MUITA GENTE ADEPTA DA LIBERDADE E DA DEMOCRACIA QUE GOSTARIA QUE A ACTUAL REPÚBLICA PORTUGUESA (A III REPÚBLICA) FOSSE DERRUBADA.
NA PRÁTICA VIVEMOS EM DITADURA, EXERCIDA PELO PSD E PELO CDS e apoiada, de facto, pelo PS.
A Censura nas televisões, a restauração da PIDE, as comédias trágicas que são a justificação, da existência e das práticas selváticas, desta nova PIDE por elementos da PSP, a capitulação do PS perante as injustiças brutais, praticadas pelo governo PSD-CDS, TRANSFORMARAM UMA DEMOCRACIA FORMAL, NUMA DITADURA DE FACTO, ao serviço das altas burguesias.
Os deputados do PS parecem robots, não parecem seres humanos, não tem vontade própria, obedecem a ordens e votam como «yesmen».
Os comentadores que vão às televisões são comissários políticos do governo PSD-CDS, sendo o mais notório Marcelo Rebelo de Sousa, membro e activista do PSD.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

A NOVA PIDE OU A PIDE DA DEMOCRACIA DA III REPÚBLICA PORTUGUESA

UM PIDE DA III REPÚBLICA DE PORTUGAL - OLHEM BEM PARA ELE, DE BLUSÃO CINZENTO COM CAPUZ:


«COMUNICADO SOBRE OS ACONTECIMENTOS DO DIA DA GREVE GERAL DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011

Considerando a manifestação de 24 de Novembro em Lisboa, dia de greve geral, os momentos de brutalidade policial que aí ocorreram, a difusão mediática destes acontecimentos e a natureza das acusações formuladas contra os manifestantes, sentimo-nos obrigados a reclamar o “direito de resposta” para impedir a calúnia gratuita e a perseguição política.
Acreditamos, por aquilo que vemos, ouvimos e lemos todos os dias, que a televisão e os jornais são poderosos meios de intoxicação, de controlo social e de propagação da ideologia e do imaginário capitalista. A maioria das vezes recusamo-nos a participar no jogo mediático. Desta vez a natureza e gravidade das acusações impele alguns de nós a escrever este comunicado. A leitura que fazemos da realidade e daquilo que é dito sobre os acontecimentos do dia da greve geral tornam evidente que:

I. Está em curso acelerado a mais violenta banalização de um estado policial com recurso a agentes infiltrados, detenções arbitrárias, espancamentos, perseguições, bem como a justificação política de detenções e a construção de processos judiciais delirantes sustentados em mentiras.

II. Sobe de escala a montagem jornalístico-policial que visa incriminar, perseguir e reprimir violentamente – veremos mesmo se não aprisionar – pessoas que partilham um determinado ideário político, pelo simples facto de partilharem esse ideário. A colaboração entre jornalistas e polícias na construção de um contexto criminalizante tem o seu expoente máximo nas narrativas delirantes da admirável Valentina Marcelino do Diário de Notícias e das suas fontes, como José Manuel Anes do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo.

III. A participação na construção deste discurso por parte de inúmeras instâncias de poder, desde sindicatos e partidos até ao mais irrelevante comentador de serviço, cria o clima ideal para que o anátema lançado sobre os “anarquistas” ou os “extremistas de esquerda” ajude a legitimar a montagem de processos judiciais, a invasão de casas, as detenções sumárias. Ao contrário do que a maioria pensa, são realidades com as quais convivemos há já algum tempo.

Por isso mesmo, vimos deste modo dar a nossa versão do que aconteceu no dia 24 de Novembro. Sendo que acreditamos que estamos especialmente bem colocados para falar do que aconteceu porque criámos um “Grupo de Apoio Legal”, que acompanhou a manifestação e está a procurar defender judicial e publicamente os detidos nesse dia por forças da ordem pública.
Fazemo-lo não por se tratar de companheiros “anarquistas”. Aliás, não só nenhum deles se conhecia entre si antes de ser detido, como nenhum de nós conhecia previamente nenhum dos detidos – a própria polícia será testemunha de que nem sabíamos os seus nomes.
Fazemo-lo porque – ao contrário dos sindicatos – consideramos que é nossa responsabilidade, enquanto indivíduos lúcidos, activos e organizados, apoiar e mostrar solidariedade com todas as pessoas que se juntam a uma greve que nós também convocámos. Sobretudo para com aqueles que foram vítimas de repressão e perseguição na sequência desse dia.
Temos por isso acesso aos processos e estamos neste momento a reunir provas e testemunhos que possam repor a “verdade legal” que, sabemos já, chegará tarde de mais para ser atendida pelos ritmos e critérios jornalísticos. Sobre o que aconteceu no dia 24 Novembro em São Bento temos testemunhos, vídeos e fotos que documentam o seguinte:
_Não sabemos exactamente o que aconteceu nos segundos de agitação em que as grades de contenção foram derrubadas. Infelizmente não estávamos no local e não pudemos participar. Sabemos apenas que, na sequência dessa confusão, um grupo de três polícias infiltrados apontou um alvo, num canto oposto a onde se deu o derrube (na rampa junto à Calçada da Estrela). Esse alvo era um rapaz de 17 anos, estudante no Liceu Camões. Poucos minutos depois, já fora da manifestação e em plena Calçada da Estrela, os três homens não identificados abordaram o rapaz e enfiaram-no num carro sem anúncio prévio de detenção. Várias pessoas, entre elas alguns colegas e professores, manifestaram-se contra essa detenção, aparentemente injustificada. Mais tarde, outro homem com cerca de 30 anos é detido de forma idêntica.
_Pode-se ainda observar claramente em vários vídeos que as três detenções que tiveram lugar no local onde as barreiras policiais foram derrubadas foram levadas a cabo por agentes não identificados que entraram no corpo da manifestação para deter, arrastar e algemar sem qualquer aviso os manifestantes. Segundo as leis que os próprios dizem defender, qualquer detenção com estas características tem um nome: sequestro.
_Já no fundo da Calçada da Estrela, três jovens dirigiam-se ao Minipreço da Rua de S. Bento quando um grupo de quatro homens que não se identificaram como agentes policiais, agarrou um deles e o encostou à parede. Enquanto um dos agentes à paisana afastava os outros dois, um rapaz com 21 anos de origem alemã era agredido brutalmente, como foi testemunhado por várias pessoas e registado em vídeo. Tudo indica que o agente que a polícia diz ter sido ferido se magoou na sequência desta detenção ilegal no momento em que o rapaz alemão procurava resistir a uma agressão sem sequer perceber ainda o que lhe estava a acontecer. A polícia veio mais tarde justificar a sua acção pelo facto de o rapaz ser perigoso e procurado pela Interpol.
Parece-nos da ordem do fantástico que todos os jornalistas e comentadores que se pronunciaram sobre o sucedido pareçam acreditar que um juiz de instrução possa libertar imediatamente alguém procurado pela INTERPOL.
O que para nós fica claro, após os acontecimentos descritos, é que se preparam novos métodos de contenção social e se assiste a uma escalada na repressão de qualquer gesto de contestação.
Neste contexto, o anúncio de que o ataque às montras de repartições de finanças foi obra de “anarquistas extremistas” é o corolário de uma operação que visa marginalizar e criminalizar toda a dissidência e toda a oposição activa ao regime que se procura impor. Não é apresentada nenhuma prova, nenhum indício que sustente sequer uma suspeita, quanto mais uma acusação.
Tornou-se uma evidência nestes anos de crise que os Estados e os seus gabinetes de finanças, têm em curso um roubo organizado das populações, através de impostos que servem em grande medida para cobrir os grandes roubos nas altas esferas do poder e da economia. Neste sentido, a criminalização dos anarquistas, e a sua identificação como o inimigo interno, serve sobretudo para isolar esses acontecimentos do crescente sentimento de revolta e da tomada de consciência social que atravessa a sociedade no seu todo.
Dito isto, é preciso salientar que um “anarquista” é, antes de tudo, um defensor da liberdade individual, da autonomia e da organização horizontal e igualitária; Que, não existindo nenhum partido ou organização central que emita uma posição correspondente àquilo que “todos os anarquistas” pensam, este comunicado é apenas uma visão parcial de alguns indivíduos que partilham um património filosófico e social que são as ideias anarquistas. Uma versão naturalmente sujeita a críticas e discussão por parte dos nossos amigos e companheiros.
Por fim, gostávamos apenas de recordar a todas as pessoas que lutam para manter a sua lucidez, que o regime implantado no dia 28 de Maio de 1926 começou precisamente por se justificar com a necessidade de combater a anarquia e de reprimir os anarquistas, que nessa altura se organizavam em torno da Confederação Geral do Trabalho. Hoje é fácil perceber a natureza desse regime, nessa altura não o era.
Ontem como hoje, cada um de nós tem que decidir individualmente se toma posição activa contra o que está a acontecer ou se, com a sua passividade, colabora com o estado de coisas.
Grupo de Apoio Legal para o 24N
Lisboa, 28 de Novembro de 2011»

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

ANTÓNIO JOSÉ SEGURO – O RIDÍCULO TRÁGICO

António José Seguro disse que não concordava com o ORÇAMENTO DE ESTADO, mas NÃO VOTOU CONTRA.
Seguro assassinou o PS. Quando houver eleições quem vai votar em António José Seguro?
As pessoas votaram contra Sócrates por lhes ter baixado os salários. O PEC 4 de José Sócrates baixava, definitivamente, muitos rendimentos das chamadas classes médias em 10%.
O OE de Passos Coelho baixa esses rendimentos em 14,3%, o que corresponde ao imposto que tira os subsídios de férias e de Natal, mas, para já, dizem que com carácter provisório.
O PSD absteve-se no Orçamento de Estado de José Sócrates, porque se votasse contra, como o PS não tinha maioria absoluta, Portugal ficava sem Orçamento de Estado, o que era perigoso.
Agora o governo PSD-CDS tem maioria absoluta, pelo que o Orçamento de Estado para ser aprovado só precisava e só precisa dos votos do PSD e do CDS. Portanto, se o PS de António José Seguro tivesse votado contra o OE, Portugal ficaria à mesma com o Orçamento de Estado aprovado, pela maioria absoluta PSD-CDS.
Assim Seguro anulou o PS, tornando-o um partido subalterno do PSD.
Isto quer dizer, que nas eleições próximas António José Seguro não é alternativa, por falta de coragem e de ideias próprias.
A classe política da III República de Portugal ficou ainda mais descredibilizada, pela atitude subserviente de António José Seguro.
Portugal caminha para o abismo e nessa caminhada António José Seguro é cúmplice.
Pessoalmente Seguro tornou-se ridículo, pois disse uma coisa e agiu contra o que disse.
António José Seguro é co-responsável na super-recessão, que vai lançar Portugal para o abismo com a morte do mercado interno devido à baixa dos rendimentos das famílias.
As altas burguesias não pagam nada para pagar a dívida do Estado português. “Vivem noutro país”.
O Portugal de hoje não é o país da maioria dos portugueses, é o país das altas burguesias.

domingo, 27 de novembro de 2011

EXPRESSO VS BLOCO DE ESQUERDA

OS COMENTÁRIOS AO TEXTO DE FRANCISCO LOUÇÃ sobre o jornal «Expresso» LEVARAM-ME A CONCLUIR QUE MUITA GENTE PARECIA IGNORAR O QUE ERA E É O JORNAL «EXPRESSO», por isso procuro que fique bem esclarecido o que é o jornal «Expresso». Leiam o que está a seguir, nomeadamente o texto de Francisco Louçã.


A CENSURA EM DEMOCRACIA (publicação neste blog em 18 de Outubro de 2011)

Um slogan publicitário de um semanário português ajuda a explicar o papel da CENSURA em Democracia: «EXPRESSO O JORNAL QUE FAZ OPINIÃO». Este jornal assume que o seu objectivo é doutrinar os seus leitores, como fazem os talibãs no Afeganistão. O objectivo da doutrinação é doutriná-los nas ideias do PSD, isto é, logicamente, nas ideias do patrão do jornal Francisco Pinto Balsemão. Há muitos exemplos de doutrinação política, considerada fulcral. É interessante um texto de Vasco Pulido Valente sobre a doutrinação pró-PSD deste jornal.



«Pensem bem

Nunca vi o Expresso defender uma causa com tanto zelo.

Ontem, a manchete proclamava”Durão 1- RTP 0” e, por baixo, zunia – em grande destaque – a seguinte ementa:
“Indemnização de Rangel é de 147 mil contos” (...por azar?) “ilíquidos”, “SIC processa antigo director geral”, “Carrilho pede intervenção do Presidente da República” e “O PS reforma Arons de Carvalho”.



Também na primeira página vinha um editorial – “O fim do saque à RTP?” – em que se “aplaudia o governo e se recomendava silêncio e “pudor” à oposição.







Na quarta página, Fernando Madrinha apoiava a política de Morais Sarmento e, de caminho, ia lamentando que desde quinta-feira o Telejornal abrisse com as manifestações dos trabalhadores da casa, seguindo uma orientação “guerrilheira e umbiguista”.






Na página seis, com a história do despedimento da administração da RTP (informada e neutra), aparecia o interessante currículo de um dos sucessores, Luís Marques, o “único com carreira nacomunicação social, jornalista, actual colunista do Expresso” e “ex-subdirector de Informação da SIC, de onde saiu há um ano, por discordâncias com Rangel”.




Na página sete, continuava a dança, com três notícias triunfais: “Rangel pode ficar sem nada”; Rangel não conseguiu aumentar a audiência da RTP 1; e o Tribunal de Contas condena a gestão da televisão do Estado.




Na habitual coluna do “sobe e desce”, Morais Sarmento estava evidentemente no “alto”, com suaves louvores, e Rangel no “baixo”, com uma descompostura em forma,


como, de resto João Carlos Silva no “sobe e desce” do 2º caderno.


Na página 13, Henrique Monteiro exigia o fim da publicidade na RTP.



Na página 28, um segundo editorial tornava a defender a política de Morais Sarmento.









E, na última, caso alguém não tivesse ainda percebido, José António Lima repetia o sermão.


Que dizer disto?...»

(Vasco Pulido Valente in «Diário de Notícias», excepto foto)



AGORA UM TEXTO DE FRANCISCO LOUÇÃ SOBRE O JORNAL «EXPRESSO»


«O Expresso de hoje publica a seguinte manchete: “Deputado do BE João Semedo foi sócio do BPN numa clínica do Porto”. Depois, no interior, conta uma história totalmente diferente: Semedo criou em 1994, com outros médicos, uma clínica, que tinha como sócio minoritário uma companhia de seguros, Real, dirigida então por um autarca socialista. Essa companhia de seguros foi comprada pelo BPN muito mais tarde, em 1999, e poucos meses depois Semedo desligou-se da empresa, tendo passado a dirigir o hospital público do Porto dedicado às doenças infecto-contagiosas. Aqui têm a história como ela é.

E alguns factos mais:

FACTO 1: O governo divulgou um relatório sobre a reforma da saúde, que prevê o fecho de seis hospitais públicos, a transformação de todos os hospitais públicos em empresas e outras coisas parecidas. Esse relatório foi coordenado por José Mendes Ribeiro. Como eu lembrei aqui no FB, Ribeiro foi durante anos o gestor do grupo BPN na saúde e saiu com um passivo de 100 milhões de euros. João Semedo foi o maior crítico desta proposta do grupo governamental e tem toda a razão.

FACTO 2: Ribeiro deu uma entrevista ao Expresso, que é hoje publicada com honras de duas páginas (ninguém lhe pergunta nada sobre a sua experiência como dirigente do BPN na saúde). Ao mesmo tempo, vá-se lá saber como, o Expresso começa a investigar a “acusação” contra Semedo. A vingança move o mundo.

FACTO 3: João Semedo criou uma clínica com outros médicos (1994). Associou-se então a uma companhia de seguros, que nada tinha que ver com o BPN. Anos mais tarde, o BPN comprou essa companhia de seguros (1999), sem que naturalmente houvesse qualquer conhecimento prévio, interferência ou decisão nesse sentido por parte dos médicos que faziam parte da clínica. Semedo abandonou a empresa logo depois (2000).

FACTO 4: Em 2000, ninguém conhecia qualquer irregularidade no BPN nem em qualquer das suas empresas. Isso só se soube muito mais tarde, em 2007.

FACTO 5: João Semedo foi um deputado exemplar em independência e rigor na Comissão de Inquérito sobre o BPN. Fez um serviço essencial à democracia, contra o que sabemos hoje ter sido um gang que prejudicou gravemente os contribuintes. Percebo quem se queira vingar dele. Eu defendo-o, porque é de rigor e honestidade como a do João Semedo que o país precisa.

FACTO 6: Eu tive uma conta corrente no Banco Espírito Santo durante os anos 70, onde depositava o meu salário que devia então andar pelos 6 contos. Espero que o Expresso publique no próximo número a seguinte manchete: “Francisco Louçã apanhado em parceria de negócios com Ricardo Salgado desde os anos 70”.»

A PIDE DA DEMOCRACIA DA III REPÚBLICA DE PORTUGAL


«O ministro da propaganda, o ominoso Relvas» (um pouco inteligente aprendiz de Paul Joseph Goebbels), «reservou um lugarzinho para si no Telejornal da RTP1, logo a seguir às reportagens sobre a greve. Se isto não é uma espécie de "Conversas em Família", não sei o que possa ser. O pior é que mudamos para a SIC, controlada por uma das principais figuras do PSD» (Pinto Balsemão), «e ainda é pior: a cobertura feita na SIC-N foi vergonhosa, de uma parcialidade imbecil e perigosa. A quantidade de apartes engraçadinhos e despropositados que a principal repórter a acompanhar a manifestação ia fazendo às declarações das pessoas presentes deveria figurar num manual de mau jornalismo. Por outro lado, a histérica repórter da RTP, Rita Marrafa de Carvalho, andou a tarde toda a clamar por "tumultos", e quando finalmente aconteceram (provavelmente instigados por um infiltrado da PSP», como fazia a PIDE/DGS), «fugiu escadarias da Assembleia acima gritando "tumultos! tumultos" e reclamando junto dos polícias por estes estarem a agredir jornalistas (e aconteceu, um fotógrafo está hospitalizado)*. A TVI acabou por fazer a cobertura mais profissional e imparcial.

Seja pública ou seja privada, a televisão e os seus funcionários já têm o discurso ensaiado: as medidas de austeridade são necessárias, e quem se opuser é um agitador criminoso. Os repórteres destacados para acompanhar estes acontecimentos levam o disco formatado e não conseguem sair do guião, até porque estão a ser observados pelo patrão. Entre o sensacionalismo, a incompetência e o preconceito, acabam por levar a água ao moinho de quem dirige as estações. A excepção da TVI (que tinha já acontecido em anteriores manifestações) atenua um pouco este estado de coisas. Mas o panorama geral é desolador.

*Eu vi em directo a polícia a dar bastonadas em tudo o que se mexia, incluindo quem não tinha nada a ver com a invasão das escadarias e jornalistas que por ali estavam. Na RTP, curiosamente, essas imagens não passaram na reportagem do Telejornal, nem a agressão a jornalistas foi referida. Mas claro, o ministro da propaganda já estava no estúdio. Não iam querer fazer má figura, certo?» (In blog «Arrastão») E Portugal está à beira do abismo. As televisões têm como função "doutrinar" o povo, omitindo e mentindo.


manife de 24 de Novembro - Lisboa from Bernardo Barata on Vimeo.


A PIDE ACTUAL, A MANDO DO GOVERNO PSD-CDS DESACTIVOU ESTE VÍDEO. Mas há milhares de cópias do vídeo original e das fotografias, como podem ver a seguir, aqui.
Os criminosos que fazem as agressões pertencem à P.S.P., estão à paisana, segundo as normas da PIDE/DGS, são elementos infiltrados provocadores.


O indivíduo que tem um blusão cinzento com capuz é um CRIMINOSO da pior espécie, recrutado pela PSP (Polícia de Segurança Pública), para os seus quadros, e estava às ordens do governo PSD-CDS.



Uma das coisas que mais custa aos fundadores da 3ª República portuguesa é constatarem que a PIDE/DGS foi reorganizada, reconstituída, e está em funções. A PIDE foi reestruturada dentro da PSP e dentro da GNR. Marcelo Caetano extinguiu a PIDE e passou a chamar-lhe DGS. A CLASSE POLÍTICA DO PODER DA III REPÚBLICA É MAIS DESONESTA QUE MARCELO CAETANO E CHAMA À PIDE DA III REPÚBLICA “AGENTES À PAISANA DA PSP EM FUNÇÕES” E “AGENTES À PAISANA DA GNR EM FUNÇÕES”.
OS POLÍCIAS POLÍTICOS À PAISANA EM FUNÇÕES NA DITADURA TINHAM UM NOME MAIS HONESTO DO QUE TÊM NA III REPÚBLICA, CHAMAVAM-SE PIDE E DEPOIS DGS.
AQUELE INDIVÍDUO DE BLUSÃO CINZENTO COM CAPUZ É UM ELEMENTO DA PIDE DA III REPÚBLICA. Olhem bem para ele, A PIDE EM NOVEMBRO DE 2011 EXISTE, COMO EXISTIA NO TEMPO DE SALAZAR E DE MARCELO CAETANO.

AUSTERIDADE - AFINAL OS POLÍTICOS VÃO RECEBER OS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS E DE NATAL






«Diário da República, 2.ª série -- N.º 217 -- 11 de Novembro de 2011
Gabinete do Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Despacho n.º 15296/2011

Nos termos e ao abrigo do artigo 11.º do Decreto -Lei n.º 262/88, de 23 de Julho, nomeio o mestre João Pedro Martins Santos, do Centro de Estudos Fiscais, para exercer funções de assessoria no meu Gabinete, em regime de comissão de serviço, através do acordo de cedência de interesse público, auferindo como remuneração mensal, pelo serviço de origem, a que lhe é devida em razão da categoria que detém [aproximadamente 3000 euros] , acrescida de dois mil euros por mês, diferença essa a suportar pelo orçamento do meu Gabinete, com direito à percepção dos subsídios de férias e de Natal.
O presente despacho produz efeitos a partir de 1 de Setembro de 2011. 9 de Setembro de 2011. O Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo de Faria Lince Núncio.»

sábado, 26 de novembro de 2011

ESPANHA VAI PEDIR AJUDA À «TROIKA» DE 200 MIL MILHÕES DE EUROS

Segundo a agência Reuters, a Espanha vai precisar de uma ajuda da «troika» de 200 MIL MILHÕES de euros.
E a seguir à Espanha virá a Itália, porque a Itália tem uma dívida soberana muito elevada, e não vai conseguir resolver o problema, sem ajuda externa.
A agência Reuters tem grande credibilidade e o que afirma parece mesmo ser verdade.
Quem compõe a «Troika»?
A «troika» é composta por:
1) Fundo Monetário Internacional;
2) Banco Central Europeu;
3) e pela Comissão Europeia.
O Banco Central dos EUA empresta dinheiro ao governo a zero juros.
O Banco Central Europeu (BCE) é uma ABERRAÇÃO, porque NÃO EMPRESTA DINHEIRO DIRECTAMENTE AOS ESTADOS, empresta o dinheiro a bancos privados que fazem intermediação, na qual ganham muito dinheiro em juros. Por este caminho a moeda euro irá COLAPSAR.
Portugal, a Grécia e a Irlanda estão a pagar pesados juros pela ajuda externa “solidária” e “desinteressada”. Estas ajudas são bons negócios, para quem empresta o dinheiro.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

EGIPTO – O ENFRAQUECIMENTO DA DITADURA MILITAR




No Egipto a ditadura de Hosni Mubarak foi substituída por uma ditadura militar. «É preciso mudar tudo para que tudo fique na mesma» (Giuseppe Tomasi di Lampedusa in livro «Il Gattopardo», em português «O Leopardo»).
Só que, se realmente se fizerem eleições legislativas na próxima segunda-feira, 28 de Novembro, a ditadura militar continuará com o poder, de facto, mas enfraquecerá. A ditadura militar egípcia quer a presidência da República para si, mas embora a longo prazo, se fizer eleições para a presidência da República em Junho, arrisca-se a perder.
É muito curioso o apoio da NATO às monstruosas ditaduras árabes da Arábia Saudita e do Bahrein!!! A NATO, por arrogância, já não sabe mentir. E quem quiser, informar-se sobre documentação pode constatar que na agenda dos neoconservadores, que dominaram com G W Bush, estava a conquista do Iraque, a conquista da Líbia e a conquista do Irão, e ainda a ruptura com a Conferência de Genebra sobre prisioneiros de guerra, para constituírem O CAMPO DE TORTURA DE GUANTÁNAMO. Barack Obama está a seguir a agenda dos neoconservadores, quer no domínio das conquistas militares, quer no domínio da TORTURA, com a consequente ruptura com tudo o que é Direitos Humanos, como é o caso da Conferência de Genebra sobre prisioneiros de guerra.
Na União Europeia a pena de morte é proibida, por isso, Sarkozy e Cameron fizeram execuções extrajudiciais.
A Rússia tem um déficit de inteligência tão grande na classe política, que tem na ONU apoiado a monstruosa agenda dos neoconservadores dos EUA, de que acabará por vir a ser vítima, ao ser cercada por baterias de mísseis da mais alta tecnologia.
Agora que a Grécia, Portugal e a Irlanda estão à beira do abismo financeiro-económico, alguém perguntou quem dá ao minúsculo Estado de Israel dinheiro para fazer bombas atómicas. E a resposta é a União Europeia e os Estados Unidos. A União Europeia não quis ajudar a Grécia logo no início, quando ia a tempo, mas não lhe falta dinheiro para financiar o complexo militar-industrial israelita, que inclui o fabrico de material muito caro e devastador como são as bombas atómicas.


DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM
Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo;

Considerando que o desconhecimento e o desprezo dos direitos do homem conduziram a actos de barbárie que revoltam a consciência da Humanidade e que o advento de um mundo em que os seres humanos sejam livres de falar e de crer, libertos do terror e da miséria, foi proclamado como a mais alta inspiração do homem;

Considerando que é essencial a protecção dos direitos do homem através de um regime de direito, para que o homem não seja compelido, em supremo recurso, à revolta contra a tirania e a opressão;

Considerando que é essencial encorajar o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações;

Considerando que, na Carta, os povos das Nações Unidas proclamam, de novo, a sua fé nos direitos fundamentais do homem, na dignidade e no valor da pessoa humana, na igualdade de direitos dos homens e das mulheres e se declararam resolvidos a favorecer o progresso social e a instaurar melhores condições de vida dentro de uma liberdade mais ampla;

Considerando que os Estados membros se comprometeram a promover, em cooperação com a Organização das Nações Unidas, o respeito universal e efectivo dos direitos do homem e das liberdades fundamentais;

Considerando que uma concepção comum destes direitos e liberdades é da mais alta importância para dar plena satisfação a tal compromisso:

A ASSEMBLEIA GERAL

Proclama a presente Declaração Universal dos Direitos do Homem como ideal comum a atingir por todos os povos e todas as nações, a fim de que todos os indivíduos e todos os órgãos da sociedade, tendo-a constantemente no espírito, se esforcem, pelo ensino e pela educação, por desenvolver o respeito desses direitos e liberdades e por promover, por medidas progressivas de ordem nacional e internacional, o seu reconhecimento e a sua aplicação universais e efectivos tanto entre as populações dos próprios Estados membros como entre as dos territórios colocados sob a sua jurisdição.

ARTIGO 1.º

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.

ARTIGO 2.º

Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, de cor, de sexo, de língua, de religião, de opinião política ou outra, de origem nacional ou social, de fortuna, de nascimento ou de qualquer outra situação. Além disso, não será feita nenhuma distinção fundada no estatuto político, jurídico ou internacional do país ou do território da naturalidade da pessoa, seja esse país ou território independente, sob tutela, autónomo ou sujeito a alguma limitação de soberania.

ARTIGO 3.º

Todo o indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

ARTIGO 4.º

Ninguém será mantido em escravatura ou em servidão; a escravatura e o trato dos escravos, sob todas as formas, são proibidos.

ARTIGO 5.º

Ninguém


será submetido a tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes.

ARTIGO 6.º

Todos os indivíduos têm direito ao reconhecimento em todos os lugares da sua personalidade jurídica.

ARTIGO 7.º

Todos são iguais perante a lei e, sem distinção, têm direito a igual protecção da lei. Todos têm direito a protecção igual contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.

ARTIGO 8.º

Toda a pessoa tem direito a recurso efectivo para as jurisdições nacionais competentes contra os actos que violem os direitos fundamentais reconhecidos pela Constituição ou pela lei.

ARTIGO 9.º

Ninguém pode ser arbitrariamente preso, detido ou exilado.

ARTIGO 10.º

Toda a pessoa tem direito, em plena igualdade, a que a sua causa seja equitativa e publicamente julgada por um tribunal independente e imparcial que decida dos seus direitos e obrigações ou das razões de qualquer acusação em matéria penal que contra ela seja deduzida.

ARTIGO 11.º

Toda a pessoa acusada de um acto delituoso presume-se inocente até que a sua culpabilidade fique legalmente provada no decurso de um processo público em que todas as garantias necessárias de defesa lhe sejam asseguradas.
Ninguém será condenado por acções ou omissões que, no momento da sua prática, não constituíam acto delituoso à face do direito interno ou internacional. Do mesmo modo, não será infligida pena mais grave do que a que era aplicável no momento em que o acto delituoso foi cometido.
ARTIGO 12.º

Ninguém sofrerá intromissões arbitrárias na sua vida privada, na sua família, no seu domicílio ou na sua correspondência, nem ataques à sua honra e reputação. Contra tais intromissões ou ataques toda a pessoa tem direito a protecção da lei.

ARTIGO 13.º

Toda a pessoa tem o direito de livremente circular e escolher a sua residência no interior de um Estado.
Toda a pessoa tem o direito de abandonar o país em que se encontra, incluindo o seu, e o direito de regressar ao seu país.
ARTIGO 14.º

Toda a pessoa sujeita a perseguição tem o direito de procurar e de beneficiar de asilo em outros países.
Este direito não pode, porém, ser invocado no caso de processo realmente existente por crime de direito comum ou por actividades contrárias aos fins e aos princípios das Nações Unidas.
ARTIGO 15.º

Todo o indivíduo tem direito a ter uma nacionalidade.
Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua nacionalidade nem do direito de mudar de nacionalidade.
ARTIGO 16.º

A partir da idade núbil, o homem e a mulher têm o direito de casar e de constituir família, sem restrição alguma de raça, nacionalidade ou religião. Durante o casamento e na altura da sua dissolução, ambos têm direitos iguais.
O casamento não pode ser celebrado sem o livre e pleno consentimento dos futuros esposos.
A família é o elemento natural e fundamental da sociedade e tem direito à protecção desta e do Estado.
ARTIGO 17.º

Toda a pessoa, individual ou colectivamente, tem direito à propriedade.
Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua propriedade.
ARTIGO 18.º

Toda a pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião; este direito implica a liberdade de mudar de religião ou de convicção, assim como a liberdade de manifestar a religião ou convicção, sozinho ou em comum, tanto em público como em privado, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pelos ritos.

ARTIGO 19.º

Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e ideias por qualquer meio de expressão.

ARTIGO 20.º

Toda a pessoa tem direito à liberdade de reunião e de associação pacíficas.
Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação.
ARTIGO 21.º

Toda a pessoa tem o direito de tomar parte na direcção dos negócios públicos do seu país, quer directamente, quer por intermédio de representantes livremente escolhidos.
Toda a pessoa tem direito de acesso, em condições de igualdade, às funções públicas do seu país.
A vontade do povo é o fundamento da autoridade dos poderes públicos; e deve exprimir-se através de eleições honestas a realizar periodicamente por sufrágio universal e igual, com voto secreto ou segundo processo equivalente que salvaguarde a liberdade de voto.
ARTIGO 22.º

Toda a pessoa, como membro da sociedade, tem direito à segurança social; e pode legitimamente exigir a satisfação dos direitos económicos, sociais e culturais indispensáveis, graças ao esforço nacional e à cooperação internacional, de harmonia com a organização e os recursos de cada país.

ARTIGO 23.º

Toda a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à protecção contra o desemprego.
Todos têm direito, sem discriminação alguma, a salário igual por trabalho igual.
Quem trabalha tem direito a uma remuneração equitativa e satisfatória, que lhe permita e à sua família uma existência conforme com a dignidade humana, e completada, se possível, por todos os outros meios de protecção social.
Toda a pessoa tem o direito de fundar com outras pessoas sindicatos e de se filiar em sindicatos para a defesa dos seus interesses.
ARTIGO 24.º

Toda a pessoa tem direito ao repouso e aos lazeres e, especialmente, a uma limitação razoável da duração do trabalho e a férias periódicas pagas.

ARTIGO 25.º

Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua família a saúde e o bem-estar, principalmente quanto à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência médica e ainda quanto aos serviços sociais necessários, e tem direito à segurança no desemprego, na doença, na invalidez, na viuvez, na velhice ou noutros casos de perda de meios de subsistência por circunstâncias independentes da sua vontade.
A maternidade e a infância têm direito a ajuda e a assistência especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimónio, gozam da mesma protecção social.
ARTIGO 26.º

Toda a pessoa tem direito à educação. A educação deve ser gratuita, pelo menos a correspondente ao ensino elementar fundamental. O ensino elementar é obrigatório. O ensino técnico e profissional deve ser generalizado; o acesso aos estudos superiores deve estar aberto a todos em plena igualdade, em função do seu mérito.
A educação deve visar à plena expansão da personalidade humana e ao reforço dos direitos do homem e das liberdades fundamentais e deve favorecer a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e todos os grupos raciais ou religiosos, bem como o desenvolvimento das actividades das Nações Unidas para a manutenção da paz.
Aos pais pertence a prioridade do direito de escolher o género de educação a dar aos filhos.
ARTIGO 27.º

Toda a pessoa tem o direito de tomar parte livremente na vida cultural da comunidade, de fruir as artes e de participar no progresso científico e nos benefícios que deste resultam.
Todos têm direito à protecção dos interesses morais e materiais ligados a qualquer produção científica, literária ou artística da sua autoria.
ARTIGO 28.º

Toda a pessoa tem direito a que reine, no plano social e no plano internacional, uma ordem capaz de tornar plenamente efectivos os direitos e as liberdades enunciados na presente Declaração.

ARTIGO 29.º

O indivíduo tem deveres para com a comunidade, fora da qual não é possível o livre e pleno desenvolvimento da sua personalidade.
No exercício destes direitos e no gozo destas liberdades ninguém está sujeito senão às limitações estabelecidas pela lei com vista exclusivamente a promover o reconhecimento e o respeito dos direitos e liberdades dos outros e a fim de satisfazer as justas exigências da moral, da ordem pública e do bem-estar numa sociedade democrática.
Em caso algum estes direitos e liberdades poderão ser exercidos contrariamente aos fins e aos princípios das Nações Unidas.
ARTIGO 30.º

Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada de maneira a envolver para qualquer Estado, agrupamento ou indivíduo o direito de se entregar a alguma actividade ou de praticar algum acto destinado a destruir os direitos e liberdades aqui enunciados.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

BALANÇO DE UMA GREVE GERAL






Hoje, dia 24 de Novembro de 2011, ocorreu em Portugal uma greve geral, em Portugal.
O mais importante desta greve não foram os que participaram, mas os que furaram a greve.
Nas Câmaras municipais PSD ou CDS fazer greve era ser escolhido para o despedimento.
Só em grandes empresas, onde há anonimato no meio da multidão, é que se pode fazer greve.
Numa empresa pequena, onde todos se conhecem, fazer greve é o caminho para o DESPEDIMENTO.
Os funcionários públicos que não fizeram greve, depois de lhes lançarem um imposto extraordinário que lhes rouba 2 salários, são pessoas masoquistas, sem auto-estima. Estes fura-greves mereciam, que lhes lançassem um imposto extra, que lhes tirasse 50% do que ganham.
No sector privado os assalariados trabalham agora mais meia hora por dia de graça. E vão ser sujeitos a leis do trabalho à americana, isto é, AO DESPEDIMENTO SEM JUSTA CAUSA. Os EUA nas leis do trabalho são um país do 3º mundo, onde é banal o despedimento sem justa causa. Assim como são um país do 3º mundo na Saúde, onde não há um Serviço Nacional de Saúde, quem precisar de uma intervenção cirúrgica para salvar a vida e não tiver dinheiro nem seguro de saúde (os seguros de saúde dos EUA são caros) morre, simplesmente. No campo da TORTURA os EUA estão no tempo da Inquisição e na «justiça» no tempo do far-west. Na política externa fazem o que lhes apetece, tal como Hitler fazia o que lhe apetecia.
A DÍVIDA SOBERANA DE PORTUGAL É SECRETA, inaceitável em Democracia, em que se exige transparência.
A Alemanha está sozinha contra os outros países da União Europeia. Parece que Ângela Merkel quer transformar a União Europeia no 4º império alemão.

OS NÚMEROS DO GOVERNO SOBRE A GREVE GERAL SÃO TÃO VERDADEIROS




COMO AS FALSAS


(LÍDER DO PSD
Passos Coelho: Acabar com subsídio de férias? "Isso é um disparate"

por Lusa 01 Abril 2011

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, afirmou hoje, em resposta a duas estudantes, que a ideia de que o seu partido vai acabar com o subsídio de férias "é um disparate".
Durante uma visita à Escola Secundária de Forte da Casa, no concelho de Vila Franca de Xira, o presidente do PSD foi abordado por duas estudantes que lhe perguntaram: "Vai tirar os subsídios de férias aos nossos pais?".
"Eu nunca ouvi falar disso no PSD. Eu já ouvi o primeiro-ministro dizer, infelizmente, que o PSD quer acabar com muitas coisas e também com o 13.º mês, mas nós nunca falámos disso e isso é um disparate", respondeu Pedro Passos Coelho.
As duas jovens concordaram: "Pois, também nós achamos".
"Isso é um disparate", reforçou Passos Coelho.)


PROMESSAS ELEITORAIS DE PEDRO PASSOS COELHO.

















«O ministro da propaganda, o ominoso Relvas» (um pouco inteligente aprendiz de Paul Joseph Goebbels), «reservou um lugarzinho para si no Telejornal da RTP1, logo a seguir às reportagens sobre a greve. Se isto não é uma espécie de "Conversas em Família", não sei o que possa ser. O pior é que mudamos para a SIC, controlada por uma das principais figuras do PSD» (Pinto Balsemão), «e ainda é pior: a cobertura feita na SIC-N foi vergonhosa, de uma parcialidade imbecil e perigosa. A quantidade de apartes engraçadinhos e despropositados que a principal repórter a acompanhar a manifestação ia fazendo às declarações das pessoas presentes deveria figurar num manual de mau jornalismo. Por outro lado, a histérica repórter da RTP, Rita Marrafa de Carvalho, andou a tarde toda a clamar por "tumultos", e quando finalmente aconteceram (provavelmente instigados por um infiltrado da PSP», como fazia a PIDE/DGS), «fugiu escadarias da Assembleia acima gritando "tumultos! tumultos" e reclamando junto dos polícias por estes estarem a agredir jornalistas (e aconteceu, um fotógrafo está hospitalizado)*. A TVI acabou por fazer a cobertura mais profissional e imparcial.

Seja pública ou seja privada, a televisão e os seus funcionários já têm o discurso ensaiado: as medidas de austeridade são necessárias, e quem se opuser é um agitador criminoso. Os repórteres destacados para acompanhar estes acontecimentos levam o disco formatado e não conseguem sair do guião, até porque estão a ser observados pelo patrão. Entre o sensacionalismo, a incompetência e o preconceito, acabam por levar a água ao moinho de quem dirige as estações. A excepção da TVI (que tinha já acontecido em anteriores manifestações) atenua um pouco este estado de coisas. Mas o panorama geral é desolador.

*Eu vi em directo a polícia a dar bastonadas em tudo o que se mexia, incluindo quem não tinha nada a ver com a invasão das escadarias e jornalistas que por ali estavam. Na RTP, curiosamente, essas imagens não passaram na reportagem do Telejornal, nem a agressão a jornalistas foi referida. Mas claro, o ministro da propaganda já estava no estúdio. Não iam querer fazer má figura, certo?» (In blog «Arrastão») E Portugal está à beira do abismo. As televisões têm como função "doutrinar" o povo, omitindo e mentindo.


manife de 24 de Novembro - Lisboa from Bernardo Barata on Vimeo.

Os criminosos que fazem as agressões pertencem à P.S.P., estão à paisana, segundo as normas da PIDE/DGS, são elementos infiltrados provocadores.


O indivíduo que tem um blusão cinzento com capuz é um CRIMINOSO da pior espécie, recrutado pela PSP (Polícia de Segurança Pública), para os seus quadros, e estava às ordens do governo PSD-CDS.



Uma das coisas que mais custa aos fundadores da 3ª República portuguesa é constatarem que a PIDE/DGS foi reorganizada, reconstituída, e está em funções. A PIDE foi reestruturada dentro da PSP e dentro da GNR. Marcelo Caetano extinguiu a PIDE e passou a chamar-lhe DGS. A CLASSE POLÍTICA DO PODER DA III REPÚBLICA É MAIS DESONESTA QUE MARCELO CAETANO E CHAMA À PIDE DA III REPÚBLICA “AGENTES À PAISANA DA PSP EM FUNÇÕES” E “AGENTES À PAISANA DA GNR EM FUNÇÕES”.
OS POLÍCIAS POLÍTICOS À PAISANA EM FUNÇÕES NA DITADURA TINHAM UM NOME MAIS HONESTO DO QUE TÊM NA III REPÚBLICA, CHAMAVAM-SE PIDE E DEPOIS DGS.
AQUELE INDIVÍDUO DE BLUSÃO CINZENTO COM CAPUZ É UM ELEMENTO DA PIDE DA III REPÚBLICA. Olhem bem para ele, A PIDE EM NOVEMBRO DE 2011 EXISTE, COMO EXISTIA NO TEMPO DE SALAZAR E DE MARCELO CAETANO.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

AMANHÃ É DIA DE GREVE GERAL

A fraquíssima inteligência de António José Seguro ANULOU o partido socialista.
O seu concorrente à liderança do PS era ainda menos inteligente.
O actual PS ao propor alterações ao orçamento de Estado, sem qualquer trunfo na manga, caiu no ridículo trágico. O PS devia dizer: OU ACEITAM AS NOSSAS PROPOSTAS OU ENTÃO VOTAMOS CONTRA O ORÇAMENTO DE ESTADO.
O PS está a ser gozado pelos palermas do governo, que andam a gozar com quase toda a população, excepto com os capitalistas, de quem são capatazes. E estes palermas do governo estão a construir UMA RECESSÃO MONUMENTAL.
São estúpidos, e fundamentalistas do neoliberalismo, que triunfou grandiosamente em Portugal no BPN e no BPP.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

GREVE GERAL EM PORTUGAL

Miguel Frasquilho (como tantos outros) do PSD é um bom exemplo do político arrivista e cínico, (por exemplo é director-coordenador de departamento no BES e negoceia com o BES na qualidade de vice-presidente da bancada parlamentar do PSD), que procura enriquecer, enquanto anda a pregar o empobrecimento dos assalariados portugueses. É um indivíduo sem valor, aliás como são TODOS os membros do governo, pessoas destituídas de honestidade e de inteligência.
Pedro Passos Coelho é um mentiroso compulsivo,
praticamente, só disse MENTIRAS na campanha eleitoral. A mentira parece ser um mérito para muitos políticos. Mentira é desonestidade.
Portugal é governado por um conjunto de BURROS MENTIROSOS.
Os impostos não têm universalidade nem proporcionalidade.
Como sempre o capital não paga impostos.
Depois, diferentemente do que se passa com o imposto extraordinário, de 2011, que cobra parte do subsídio de Natal dos assalariados e que atinge também as profissões liberais como é o caso dos advogados e dos arquitectos, em 2012 o imposto extraordinário atinge só os funcionários públicos e os reformados com mil euros mensais ou mais.
Um dos argumentos do governo é totalmente falso, dizendo que os funcionários públicos ganham mais que os do sector privado. É totalmente falso. Por exemplo, um médico funcionário público no Serviço Nacional de Saúde ganha muito menos que um colega com as mesmas qualificações e funções no sector privado.
A greve geral de quinta-feira 24 de Novembro é um meio de as pessoas mostrarem a sua indignação. Se o não fizerem, estão a deixar-se mais ou menos escravizar como cordeiros.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

AS CRISES

Actualmente vivemos 3 crises na civilização ocidental:
1) Crise financeira;
2) Crise económica;
3) Crise ética-moral.
Quando as pessoas ficam à rasca sem dinheiro, e sem verem uma luz ao fundo do túnel, aceitam melhor as selvajarias em nome do Estado, como muito bem as explicou, no século XVI, o italiano Maquiavel no livro «O Príncipe».
Foi num ambiente de crise financeira e económica que os alemães votaram em Hitler, em eleições livres, dando-lhe a vitória, de acordo com a Constituição alemã democrática de Weimar.
É, em parte, devido às crises financeira e económica que os ocidentais aceitam as selvajarias dos países da NATO, destruições, matanças, raptos, EXECUÇÕES EXTRAJUDICIAIS e o CAMPO DE TORTURA “DEMOCRÁTICA” DE GUANTÁNAMO.

domingo, 20 de novembro de 2011

RAJOY VENCEU AS ELEIÇÕES LEGISLATIVAS NA ESPANHA

Rajoy, o líder do partido «popular» da Espanha, partido fundado por quadros da ditadura fascista-franquista, ganhou as eleições legislativas na Espanha com maioria absoluta.
Estamos a assistir ao colapso dos partidos socialistas da União Europeia. O PSOE sofreu pesada derrota.
Os partidos socialistas capitularam, quando foi assinado o Tratado de Maastricht, ainda no tempo de Mitterand. Apenas não capitularam nas chamadas leis dos costumes, que aumentaram a liberdade individual. Capitularam perante o neoliberalismo em Maastricht, tornando-se, em termos de política financeira e económica uma nova variante do neoliberalismo.
A cidade holandesa de Maastricht
foi o local da entrada dos partidos socialistas da UE no neoliberalismo ao assinarem o tratado da moeda euro e ao concederem outros grandes direitos aos grandes capitalistas.
O tratado de Maastricht (7 de Fevereiro de 1992) consagra os desejos das altas burguesias europeias, quer no plano financeiro, quer no plano económico. Digamos que na luta de classes europeia as altas burguesias venceram, claramente, em Maastricht.

sábado, 19 de novembro de 2011

OS CRIMES CONTRA A HUMANIDADE DA NATO E O «T.P.I.»



O «líder formal» da NATO é um obscuro criminoso de guerra dinamarquês do nível ético-moral de Himmler.
Obama, Sarkozy e Cameron são senhores da guerra e criminosos de guerra do nível ético-moral de Himmler.
A conquista de Trípoli pelos criminosos de guerra da NATO foi feita pelo exército de terra inglês e por aviões e barcos dos EUA, da França e da Inglaterra. Massacraram civis, homens, mulheres e crianças com bombas de fósforo (proibidas pela ONU), com bombas de urânio e à bala. Massacraram bairros inteiros em Trípoli.
Obama Sarkozy e Cameron exibem o Campo de Tortura de Guantánamo como o emblema da NATO.
O «TPI» é uma palhaçada ao nível dos “Julgamentos” de Nuremberga.
Os pilotos dos aviões da NATO são um bando de assassinos selvagens, piores que os da máfia siciliana. Assassinam crianças e depois vão comemorar para os bares bebendo cerveja e whisky. Não são NADA melhores que os alemães que geriam Auschwitz.
Alguns assassinam famílias inteiras e depois vão para casa confraternizar com as famílias deles.
Atenção, não foram Obama, Sarkozy e Cameron que criaram a Democracia. Eles gerem, os raptos e a TORTURA em GUANTÁNAMO.
Nesta época de crises financeiras, económicas e éticas-morais, Hugo Chávez foi o único chefe de Estado a desmascarar os CRIMES DA NATO na Líbia, os chamados crimes petrolíferos.
As filmagens dos massacres da NATO na Líbia não aparecem nas televisões.
Um pormenor curioso é o de «julgarem» aqueles que a NATO vence militarmente.
O «T.P.I.», na prática, funciona como uma delegação de GUANTÁNAMO, na Holanda.

Aqui vão fotos de MOMENTOS DE GLÓRIA DA NATO:






IMPOSTOS SÃO AUMENTO DAS RECEITAS E NÃO DIMINUIÇÃO DAS DESPESAS

Ontem, à noite, na «SIC Notícias», canal pago, por cabo, ou por satélite, um jornalista do «Expresso» de 55 anos disse, veementemente, que não pagar o subsídio de férias aos funcionários públicos era uma diminuição da despesa. Pago para mentir, esqueceu-se que para retirar esses subsídios o governo vai lançar um IMPOSTO extraordinário sobre os funcionários públicos e sobre os pensionistas que ganhem mil euros mensais ou mais.
Até o ex-líder do PSD e apoiante de Passos Coelho, Marcelo Rebelo de Sousa, nos seus comentários de domingo à noite na TVI, disse que o corte desses subsídios era um aumento das receitas, porque era a cobrança de impostos, e não uma diminuição das despesas.
Este imposto é particularmente injusto, porque não é universal. Se fosse para todos, incluindo as profissões liberais, não era necessário cortar os dois subsídios.
Já para não falar do capital
que não paga impostos.
O mercado interno devido à baixa do poder de compra vai colapsar! Vai haver uma monumental sucessão de falências das empresas comerciais e industriais que vivem só do mercado interno.
Desorientados os governantes PSD-CDS estão a levar Portugal para uma RECESSÃO monumental. O líder da oposição António José Seguro, na prática, apoiou, com a abstenção, com os seus «yesmen», este Orçamento de Estado que vai levar o meu país à ruína. Mas é curioso que Seguro disse que não votava contra, porque colocava em primeiro lugar o seu país. O país de António José Seguro é Portugal? Se é Portugal, por quais razões apoia as selváticas injustiças do governo PSD-CDS que vão levar a maioria dos portugueses à ruína?, que vão levar o país Portugal à ruína!

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

A CRUELDADE DOS ESPECULADORES

Os especuladores têm uma ética-moral igual à dos gestores de Auschwitz, como é o caso do especulador Alessio Rastani.

«Quem gosta de culpar o mercado financeiro por boa parte dos problemas económicos do globo ganhou mais um argumento nesta terça-feira (27/09). Um argumento chamado Alessio Rastani. O operador independente de mercado abriu o jogo em uma franca entrevista à BBC, na qual contou como a atual crise económica é tratada nos bastidores do mundo das finanças.
Rastani resume sem rodeios “não ligamos muito para como vão consertar a economia. Nosso trabalho é ganhar dinheiro com isso”. Não é novidade nenhuma que os momentos de grandes instabilidades são exactamente os mais fáceis para ganhar dinheiro para quem conhece bem o mercado financeiro, mas tamanha franqueza é rara nesse meio.

O operador vai mais longe e deixa claro que ele, assim como seus pares, não liga muito para os impactos negativos da crise para a população em geral.

Referindo-se à actual crise financeira, ele afirma “sonho com esse momento há três anos. Vou confessar: sonho diariamente com uma nova recessão. Se você tem o plano certo nessa hora, pode fazer muito dinheiro com isso”.

Mas os líderes internacionais não serão capazes de deter essa ameaça de nova recessão? “Os governos não controlam o mundo. O Goldman Sachs controla o mundo. E o Goldman Sachs, assim como os grandes fundos, não liga para esse resgate (pacote de ajuda à Grécia)”.
Rastani, como vocês podem conferir na entrevista abaixo, é muito prático e simples em seu raciocínio. “Nosso trabalho é ganhar dinheiro com a crise”. Ele sugere que o mesmo seja feito por nós. “Qualquer um pode fazer dinheiro com a crise”, diz. E, em sua opinião, é melhor mesmo aproveitar este momento, porque a ameaça de recessão se tornará recessão em breve. “Estou confiante de que esse plano não irá funcionar, independentemente de quanto os governos colocarem. O euro vai desabar. Os mercados estão sendo governados pelo medo”.»

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

DUARTE LIMA FOI PRESO

O advogado português Duarte Lima, ex-alto quadro do PSD, está preso, acusado de grandes falcatruas para ganhar, ilegalmente, muito dinheiro, no contexto do caso BPN.
O caso BPN tem sido um desastre para os contribuintes portugueses, obrigados a pagar as acções criminosas de alguns indivíduos ligados ao BPN. E, José Sócrates, ‘grande lata’, nacionalizou os prejuízos por gestão danosa, mas não nacionalizou os bens da empresa dona do banco.
Há uma enorme falta de transparência no caso da gestão fraudulenta do BPN.


HÁ TAMBÉM UMA TOTAL FALTA DE TRANSPARÊNCIA NO CASO DA DÍVIDA SOBERANA DO ESTADO DE PORTUGAL.
PORTUGAL DEVE QUANTO, A QUEM, A QUE PRAZOS, COM QUE JUROS?
É SEGREDO DE ESTADO A DÍVIDA SOBERANA PORTUGUESA. É O OPOSTO DA DEMOCRACIA, NÃO HÁ NENHUMA TRANSPARÊNCIA.
Eu quero saber quanto deve o Estado português, a quem e porquê. Quero saber quem contraiu as dívidas. Quero saber os juros das dívidas e os prazos de pagamento.


E JÁ AGORA, POR QUAIS MALDITAS RAZÕES A GRÉCIA COMPROU 5 INÚTEIS SUBMARINOS À ALEMANHA? - QUE TANTO MAL DIZ DA GRÉCIA. POR QUAIS RAZÕES A ALEMANHA VENDEU 5 SUBMARINOS À GRÉCIA? CINCO SUBMARINOS QUE NÃO SERVEM PARA NADA!!!

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

TROIKA MANDA EMPOBRECER AINDA MAIS OS ASSALARIADOS PORTUGUESES

Em síntese a ordem dada pelos neoliberais da «troika» aos patrões portugueses foi esta:
BAIXEM OS SALÁRIOS AOS TRABALHADORES.
A «troika» neoliberal acha pouca a pobreza em Portugal e deu ordem para a AUMENTAR.
Os salários dos trabalhadores portugueses, quer do sector público, quer do sector privado são bastante mais baixos do que os pagos, na mesma profissão, nos países mais desenvolvidos da União Europeia.
A «troika» é formada por um conjunto de capatazes das altas burguesias.
As leis da moeda euro são uma ABERRAÇÃO ao impedirem o Banco Central Europeu (BCE) de emprestar dinheiro directamente aos Estados, e obrigando à intermediação dos bancos privados que cobram juros aos Estados, por essa intermediação. Boa parte das dívidas soberanas é constituída por juros pagos a bancos privados pela intermediação nos empréstimos.
Os capatazes das altas burguesias europeias, que são os elementos da «troika», querem mais pobreza em Portugal, querem mais ou menos a escravização dos trabalhadores portugueses.
A União Europeia é dominada pelas direitas políticas que representam os interesses das altas burguesias.
A «troika» mandou acelerar ainda mais o EMPOBRECIMENTO dos assalariados portugueses.

PORTUGAL 6 – BÓSNIA-HERZEGOVINA 2, BRILHANTE VITÓRIA DE PORTUGAL


Cristiano Ronaldo marcou o primeiro golo de livre, um excelente golo.

Foi com grande prazer que estive presente, em Lisboa, no estádio da Luz, a ver um grande jogo da selecção de Portugal de futebol.
Os golos de Portugal foram marcados por Cristiano Ronaldo (2), Hélder Postiga (2), Nani e Miguel Veloso.

PORTUGAL (Titulares): Rui Patrício; João Pereira, Pepe, Bruno Alves e Fábio Coentrão; João Moutinho, Raúl Meireles e Miguel Veloso; Nani, Hélder Postiga e Cristiano Ronaldo.

PORTUGAL (Suplentes): Eduardo; Rolando, Rúben Amorim, Rúben Micael, Carlos Martins, Hugo Almeida e Ricardo Quaresma.

BÓSNIA-HERZEGOVINA (Titulares): Begovic; Zahirovic, Jahic, Spahic e Papac; Rahimic e Haris Medunjanin; Lulic, Misimovic e Pjanic; Dzeko.

BÓSNIA-HERZEGOVINA (Suplentes): Avdukovic, Pandza, Besic, Ibricic, Maletic, Ibisevic e Muslimovic.

GOLO de Cristiano Ronaldo (Portugal) aos 8 minutos, de livre;
GOLO de Nani (Portugal) aos 24 minutos, em corrida;
GOLO de Misimovic (Bósnia-Herzegovina) aos 41 minutos, de penalty;
GOLO de Cristiano Ronaldo (Portugal) aos 53 minutos em corrida, depois de fintar o guarda-redes;
GOLO de Spahic (Bósnia-Herzegovina) aos 65 minutos, na sequência de um livre.
GOLO de Hélder Postiga (Portugal) aos 72 minutos. Fábio Coentrão passou a bola a Cristiano Ronaldo, ele a Rúben Micael e este a Hélder Postiga.
GOLO de Miguel Veloso (Portugal) aos 80 minutos de livre, após simulação de Cristiano Ronaldo sugerindo que ia ele rematar.
GOLO de Hélder Postiga (Portugal) aos 82 minutos, fixando o resultado final, na sequência de cruzamento de Fábio Coentrão.


Lulic foi expulso, aos 55 minutos, por protestos durante os festejos do terceiro golo de Portugal. A Bósnia-Herzegovina, por isso, passou a jogar com 10 elementos.

Foi uma grande vitória dos jogadores de Portugal e do treinador-seleccionador Paulo Bento. Quando Paulo Bento substituiu Carlos Queirós, parecia impossível Portugal ficar apurado. Cinco vitórias consecutivas permitiram emendar contra a Bósnia, a derrota contra a Dinamarca por 1-2. Essas 5 vitórias consecutivas é que deram margem para que a derrota na Dinamarca não fosse fatal. Portugal ficou assim apurado, no chamado «play-off», para o Europeu de Futebol 2012 organizado pela Polónia, conjuntamente com a Ucrânia.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

EURO IRÁ ACABAR EM 2 ANOS?

O economista dos Estados Unidos Nouriel Roubini disse que a moeda euro vai acabar, se a Itália e a Espanha sairem dessa moeda euro.
Nouriel Roubini em 2007 previu a crise que atingiu o capitalismo, e que permanece ainda ainda nos tempos que correm.
Roubini afirmou que a Grécia sairá da moeda euro dentro de ano e meio. Acrescentou que Portugal também sairá.

Em artigo publicado hoje no «Valor Econômico», Roubini e Ian Bremmer fazem previsões pessimistas.
A Itália é a parte mais assustadora para a União Europeia. O problema da dívida soberana da Itália é muitíssimo grave. Não é só um problema da Itália, é um problema de toda a zona euro, mas não somente, é um problema de toda a União Europeia.


«Nouriel Roubini (Istambul, Turquia, 29 de Março de 1959) é um economista turco, de origem judaica, naturalizado estadunidense, professor da Stern School of Business da Universidade de Nova York, desde 2009. É também presidente do grupo de consultoria RGE Monitor, especializado em análise financeira.
No início dos anos 2000, Roubini foi apelidado Dr. Doom ou Doutor Catástrofe, em razão das suas previsões económicas catastróficas - ou, pelo menos, muito mais pessimistas do que as da maioria dos economistas, na época.
Em 2005, segundo a revista Fortune, Roubini afirmou que "o preço dos imóveis residenciais surfava em uma onda especulativa, que brevemente faria afundar a economia." "Naquela época, foi qualificado de Cassandra. Agora, é considerado um sábio." Suas previsões actuais são igualmente apocalípticas: uma recessão persistente, com mais de dois triliões de dólares de perdas em créditos e uma crise bancária sistêmica. "O FDIC gastou 10% das suas reservas para socorrer IndyMac, e esta foi a primeira onda de falências," disse Roubini.»

domingo, 13 de novembro de 2011

BERLUSCONI ABANDONOU O PODER


A Itália era conhecida pela corrupção política, nomeadamente ligada até à máfia, por parte dos partidos tradicionais do poder que eram a o partido da «Democracia cristã» e o partido «socialista».
Para um país corrupto os italianos elegeram um político desonesto, como era Sílvio Berlusconi, para primeiro-ministro. Em Democracia quem ganha é tão bom como quem o elege. Ou então o vencedor faz uma campanha baseada em mentiras, como fez Pedro Passos Coelho. Como já tinha feito Barack Obama, criticando fortemente a TORTURA EM GUANTÁNAMO, E CHEGADO À CADEIRA DO PODER PASSOU ELE A SER O CHEFE DA TORTURA EM GUANTÁNAMO. Os eleitores que votavam Berlusconi sabiam muito bem que ele era desonesto. Em Democracia o voto tem consequências objectivas.
Não esqueçamos que Hitler ganhou eleições livres, na chamada República de Weimar. Ganhou as eleições de acordo com a Constituição democrática de Weimar. Quem o elegeu sabia muito bem o que estava a fazer, queria Hitler no poder. É uma das verdades da Democracia, que muita gente gosta de censurar.
Berlusconi abandonou o poder pressionado pelos famosos mercados, um dos beneficados pelos mercados, que fizeram dele um dos homens mais ricos da Itália.
A dívida soberana muito elevada da Itália é que fez cair Berlusconi, não a sua desonestidade, não o facto de ser um político altamente corrupto.


«Silvio Berlusconi (Milão, 29 de setembro de 1936) é um empresário e político italiano. Foi presidente do Conselho de Ministros (primeiro-ministro) da Itália, entre 1994 e 1995, de 2001 a 2006 e de 2008 a 2011. É também o actual presidente do Milan, uma das maiores equipas do futebol italiano.
É o mais velho dos três filhos de uma família de classe média-baixa milanesa. O pai, Luigi Belusconi (1908-1989), era bancário e, a mãe, Rosa Bossi era dona de casa ( 1911- 2008). Francesca Berlusconi (1943-2009) e, Paolo Berlusconi (1949) são os restantes filhos. Casou pela primeira vez em 1965 com Carla Elvira Dall'Oglio, de quem teve dois filhos: Marina (1966) e, Pier Sílvio (1968). Casou pela segunda vez em 1990, com Veronica Lario, de quem teve três filhos, porém ainda antes do casamento: Bárbara (1984), Eleonora (1986) e, Luígi (n. 1988). Separou-se de Verónica em 2009.
Berlusconi foi líder do partido político Força Itália, fundado por ele na sua entrada na vida política, é actualmente presidente do partido sucessor O Povo da Liberdade e o proprietário do império italiano de media Mediaset, além de ter controle dos principais meios de comunicação do país e ser dono de bancos, empresas de entretenimento e presidente do AC Milan. A revista Forbes cita-o como a segunda pessoa mais rica da Itália e 74º homem mais rico da Europa, com uma fortuna pessoal estimada em quase 9 biliões de dólares.
Esteve quase sempre no poder desde 10 de Maio de 1994, chegando ao cargo de primeiro-ministro três vezes.
Tem sido acusado diversas vezes de corrupção e ligações com a Máfia, mas elaborou a lei mais eficiente contra os mais perigosos mafiosos. Em muitos aspectos o seu último governo foi o mais eficiente contra a máfia depois de Mussolini.
Gerou grande polémica na Europa ao apoiar a Guerra dos EUA contra o Iraque, em 2003. Berlusconi disse que tentou dissuadir o seu amigo Bush de invadir o Iraque, mas depois da entrada em guerra mandou o primeiro navio com ajudas humanitárias e apoiou os americanos contra uma grande oposição da esquerda italiana.
Silvio Berlusconi é também líder da coligação Casa das Liberdades e foi derrotado por Romano Prodi nas eleições legislativas de 2006 para a disputa da chefia do governo da Itália.
Entre 16 e 18 de Novembro de 2007 Berlusconi organizou uma petição popular pela antecipação das eleições. Em 18 de Novembro durante um comício na praça San Babila em Milão, Berlusconi anunciou a dissolução de Força Itália e a criação do Popolo della Libertà (Povo da Liberdade).
Em 14 de Abril de 2008, a coligação formada pelo Popolo della Libertà, Liga Norte e Movimento per l'Autonomia, apoiando a candidatura de Silvio Berlusconi a Presidente do Conselho de Ministros, venceu as eleições com ampla maioria no Parlamento. conquistando 46,8% (340 lugares) na Câmara dos deputados e 47,3% (168 lugares) no Senado, com quase nove pontos percentuais à frente dos adversários do Partido Democrático.
Em 11 de Março de 2010, o Senado italiano aprovou uma lei que impede que ele compareça diante da Justiça para responder aos processos de corrupção e fraude, pelos quais é acusado.
O primeiro-ministro compara, entretanto, o poder Judicial italiano aos «talibans» e diz ser perseguido.
Em 8 de Novembro de 2011, Silvio Berlusconi aceitou renunciar assim que as reformas económicas entrassem em vigor.»

sábado, 12 de novembro de 2011

MANIFESTAÇÕES CONTRA O GOVERNO PSD-CDS, DUAS HOJE EM LISBOA





Hoje, dia 12 de Novembro de 2011, realizaram-se duas manifestações em Lisboa contra o castigo que é o imposto extraordinário sobre os rendimentos só dos funcionários do Estado e dos reformados com reformas iguais ou superiores a mil euros mensais.
É um imposto particularmente injusto e pesado. Este imposto é para aumentar as RECEITAS do Estado. O valor total deste novo IMPOSTO corresponde à soma do subsídio de Natal e do subsídio de férias. Também o vão pagar assalariados de empresas do Estado, mas não todos, só alguns.
O capital nada paga, como de costume.
Mas a injustiça reflecte-se também nos assalariados do sector privado e nas profissões liberais que não o pagam.
Assim, um professor duma Escola do Estado que ganhe exactamente o mesmo que outro professor de uma Escola privada paga o tal pesado imposto, e o colega da Escola privada NADA PAGA, isto é, o professor da Escola do Estado fica sem subsídio de férias e de Natal e o colega da Escola privada recebe-os, por inteiro.
NÃO É VERDADE QUE É UMA DIMINUIÇÃO DA DESPESA DO ESTADO, É UM AUMENTO DA RECEITA, com um imposto extraordinário.
Pedro Passos Coelho é um mentiroso puro, isto é, em princípio mente. Na campanha eleitoral só disse mentiras. Além de mentiroso não é inteligente, não tem competência para ser primeiro-ministro de Portugal. Mas António José Seguro, o líder do PS, também é pouco inteligente. Ora vejamos, Seguro disse que só deviam tirar um subsídio, mas obedeceu ao PSD e levou os «yesmen» do PS, que são os deputados, a não votarem contra o orçamento de Estado. Seguro anulou o PS, tornando a situação, na PRÁTICA uma DITADURA, visto que o PS deixou de ser alternativa. TEMOS EM PORTUGAL, na prática, UMA DITADURA DO BLOCO CENTRAL E DA DIREITA. Na prática, TEMOS UMA DITADURA CDS-PSD-PS, OS TAIS QUE APROVARAM O ORÇAMENTO DE ESTADO.
Uma das manifestações foi dos sindicatos da Função Pública, afectos à CGTP e à UGT, da praça Marquês de Pombal, até à praça dos Restauradores e foi de cerca de 180 mil pessoas.
A outra manifestação foi dos militares, cerca de 10 mil, começou na praça do Rossio e terminou no Terreiro do Paço. Mas, os militares vão ainda fazer uma vigília, frente ao palácio do Presidente da República.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

FUTEBOL – BÓSNIA-HERZEGOVINA 0 – PORTUGAL 0

A seleção de Portugal de futebol empatou a zero na Bósnia, num péssimo relvado.
Nada está perdido. Na próxima terça-feira, em Lisboa, no estádio da Luz, teremos um jogo ALTAMENTE EMOCIONANTE, para quem gosta de futebol. Se os jogadores portugueses jogarem como sabem e se esforçarem Portugal vencerá.
Um jogo emocionante é um jogo de que se gosta muito, quando os jogadores são bons e se esforçam.
A equipa da Bósnia-Herzegovina também tem bons jogadores e quem gosta de futebol gosta de ver BONS JOGOS. Promete ser um excelente jogo. Esperemos que seja um excelente emocionante jogo e que Portugal ganhe, merecidamente.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

A UNIÃO EUROPEIA VAI ACABAR?

Ângela Merkel e Sarkozy planeiam expulsar a Itália da moeda euro se acharem que é necessário. Se a dívida soberana da Itália entrar em crise a Alemanha e a França, com os actuais líderes, têm um plano para obrigarem a Itália a sair da moeda euro. Seria (ou será?) acompanhada da Espanha, de Portugal, da Irlanda e da Grécia. O jornal «El País» e em Portugal o jornal «i» colocaram hoje este problema na primeira página.
O Tratado de Paris, de 1951, estabeleceu a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, e os Tratados de Roma, de 1957, a Comunidade Económica Europeia e a Comunidade Europeia da Energia Atómica ou Euratom, foram assinados por 6 membros fundadores: Alemanha, Bélgica, França, ITÁLIA, Luxemburgo e Holanda.
Seria o fim da União Europeia tal como hoje a vemos.
Não devemos esquecer que a Itália é membro fundador da CEE que deu origem à União Europeia.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

SARKOZY E ÂNGELA MERKEL PREPARAM-SE PARA DESTRUIR A ZONA EURO TAL COMO ELA HOJE É

Sarkozy, em Estrasburgo, anunciou a um grupo de estudantes universitários, que é preciso destruir a zona euro, tal como ela é neste momento, por acordo com Ângela Merkel. O pretexto é a grave crise da dívida soberana da Itália.
A questão da dívida soberana da Itália é de tal maneira grave que Sarkozy e Ângela Merkel querem destruir a zona euro.
As palavras que Sarkozy disse aos estudantes, em Estrasburgo, levaram a investigações rápidas das agências de notícias, que confirmaram a existência de um grupo de trabalho francês e alemão, que está a preparar a destruição da zona euro.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

FUTEBOL EM PORTUGAL

Foi uma grande desilusão para os portugueses, que gostam de futebol, o último jogo da selecção Dinamarca 2 - Portugal 1.
Não foi só a derrota. É que Portugal jogou mesmo muito mal. A Dinamarca tem uma selecção de segundo plano na Europa. Contra Portugal na selecção da Dinamarca não havia um único jogador que tivesse lugar numa das melhores equipas do Mundo. Portugal tem dois jogadores nas melhores equipas do Mundo, Cristiano Ronaldo no Real Madrid e Nani no Manchester United. E ambos são fundamentais nessas duas equipas. Mas os jogadores portugueses não se esforçaram, ao contrário dos dinamarqueses, que se esforçaram muitíssimo e mereceram o prémio por esse esforço, perante a apatia dos portugueses. Cristiano Ronaldo marcou um golo, de livre, de alta qualidade, numa das facetas em que é conhecido como especialista de alta craveira. Mas não houve mais livres como aquele, porque não houve esforço dos jogadores portugueses.
Cristiano Ronaldo, ma época 2010/20011 foi pela segunda vez o vencedor da bota de ouro, atribuída ao melhor marcador dos campeonatos europeus, neste caso do campeonato da Espanha. A primeira vez venceu-a no campeonato da Inglaterra, o mais competitivo do Mundo, ao serviço do Manchester United. Também enquanto jogador do Manchester United já foi considerado o melhor jogador do Mundo.
A selecção portuguesa de futebol nunca ganhou uma grande competição. O melhor que conseguiu foi o 2º lugar no campeonato Europeu (2004), em Portugal, no tempo de Luís Figo, que chegou a vencer o troféu de melhor jogador do Mundo. Mas esse 2º lugar já estava garantido antes da final, pelo que foi uma grande frustração perder por 1-0 com a Grécia, em Lisboa, no estádio da Luz. Na altura disse muita gente que a Grécia jogou quase sempre com 11 jogadores a defender, mas isso não é proibido pelas leis do futebol; compete à outra equipa saber contrariar essa táctica. A seguir foi um 3º lugar no campeonato do Mundo, na Inglaterra (1966), no tempo de Eusébio e Coluna (Neste mundial aconteceu uma coisa rara na selecção portuguesa de futebol, estar a perder por 3-0 e conseguir recuperar e vencer o jogo. Foi contra a Coreia do Norte, nos oitavos de final, e Eusébio marcou 4 golos. Há quem diga que este foi o melhor jogo de sempre de uma selecção portuguesa de futebol, que acabou por vencer por 5-3); na disputa do 3º lugar Portugal venceu a então União Soviética (era como que uma selecção da Rússia + Ucrânia) por 2-1. E a seguir foi um 4º lugar no campeonato do Mundo, na Alemanha (2006); na disputa do 3º lugar Portugal foi derrotado pela Alemanha por 3-1.
O melhor resultado e a melhor série de resultados da selecção de Portugal de futebol foram conseguidos sob a direccção do seleccionador-treinador brasileiro Luís Felipe Scollari, campeão do Mundo com a selecção do Brasil. A seguir a ele veio o seleccionador-treinador Carlos Queirós muito bom para treinar equipas de sub-21, mas altamente incompetente para treinar uma selecção A.
Houve outros dois jogadores portugueses que venceram duas vezes a bota de ouro, Eusébio, enquanto jogador do Benfica e Fernando Gomes enquanto jogador do Porto.
Por clubes o Futebol Clube do Porto (fundado em 1893) está em 1º lugar nas competições internacionais, porque venceu por duas vezes a Taça dos Campeões da Europa/Liga dos Campeões, com treinadores portugueses, Artur Jorge (2-1 contra o Bayern de Munique, em 1987) e José Mourinho (3-0 contra o Mónaco, em 2004).
Venceu 2 vezes a Taça Intercontinental (2-1, após prolongamento, contra o Peñarol do Uruguai, em 1987, no Japão, em Tóquio; 8-7 nos penaltis, após 0-0, no final do prolongamento, contra o Once Caldas da Colômbia em 2004, no Japão, em Yokohama), uma vez a Supertaça da Europa (1-0 contra o Ajax em 1987), uma vez a Taça UEFA (3-2, após prolongamento, contra o Celtic em 2003) e uma vez a Liga Europa (1-0 contra o Braga, em 2010). A cor base é o azul.
O Porto perdeu a Supertaça da Europa contra o Valência, 0-1, em 2004.
A seguir vem o Sport Lisboa e Benfica, fundado em 1904 (a frase em latim «e pluribus unum» foi adoptada em 1904), mas só em 1908 adoptou o nome actual), que venceu 2 vezes a Taça dos Campeões da Europa. (3-2 contra o Barcelona em 1961 e 5-3 contra o Real Madrid em 1962).
A cor base é o vermelho, mas a Censura de Salazar proibiu a palavra vermelho e obrigou ao uso da palavra encarnado. (A palavra encarnado na língua portuguesa é uma palavra secundária para caracterizar o vermelho, pelo que depois de 25 de Abril de 1974 não faz grande sentido continuar a usar a palavra encarnado imposta pela ditadura de Salazar, ainda por cima porque durante a monarquia as camisolas do Benfica eram vermelhas, assim como durante a I República).
O Benfica foi 7 vezes finalista na Taça dos Campeões Europeus, 5 vezes finalista derotado (1-2 contra o Milan em 1963; 0-1 contra o Inter em 1965; 1-4, após prolongamento, contra o Manchester United em 1968; 0-0, após prolongamento, derrotado por penaltis pelo PSV em 1988; 0-1 contra o Milan em 1990). Foi finalista derrotado na Taça UEFA em 1983 contra o Anderlecht (0-1 e 1-1).
Em terceiro lugar vem o Sporting Clube de Portugal (fundado em 1906), que venceu a Taça das Taças (1-0 contra o MTK de Budapeste em 1964).
Foi finalista derrotado na Taça UEFA em 2005, 1-3 contra o CSKA de Moscovo.
(Estes nomes na língua inglesa nos clubes portugueses derivam do facto de terem sido os ingleses que inventaram o futebol, criando as suas primeiras regras em 1863.
Um caso mais paradoxal é o A. C. Milan, que têm o nome em inglês quando em italiano é Milano, o nome da cidade onde está sedeado o clube, na própria língua italiana).
Em 4º lugar vem o Sporting Clube de Braga que venceu a Taça Intertoto (5-0 no conjunto dos dois jogos contra o Sivasspor da Turquia).
O Braga foi finalista derrotado da Liga Europa (0-1 contra o Porto em 2010). A sua cor base é o vermelho.
Nos últimos 10 anos o F.C. Porto tem dominado o futebol em Portugal, a nível interno. E também de lá saíram dois treinadores com elevada cotação internacional. José Mourinho já venceu a Taça dos Campeões Europeus/Liga dos Campeões com duas equipas diferentes, com o Porto e com o Inter de Milão. Venceu a Taça UEFA com o Porto. Venceu dois campeonatos de Portugal com o Porto, dois da Inglaterra com o Chelsea e dois da Itália com o Inter de Milão.
André Villas Boas já venceu o campeonato de Portugal, a Taça de Portugal e a Liga Europa, tudo no mesmo ano de 2010. Agora treina o Chelsea, onde já foi adjunto de Mourinho, com bons resultados na Liga dos Campeões, mas com alguns fracassos no campeonato da Inglaterra e também com alguns sucessos.
Na época 2009-2010 o campeonato de Portugal de futebol foi bastante renhido, tendo emergido o Braga, que perdeu o título para o Benfica só na última jornada. E o Sporting ao vencer o Porto em Alvalade por 3-0, colocou o Porto fora da corrida pelo 1º lugar, a que estava habituado. A época passada Benfica, Sporting e Braga deixaram o Porto ganhar facilmente. (Um campeonato pouco competitivo é pouco interessante). Ora, esta época de 2011-2012 parece a mais competitiva dos últimos dez anos. O Porto vai à frente, mas o Benfica está em 2º com o mesmo número de pontos e logo a seguir está o Sporting só com menos 1 ponto que o Porto e que o Benfica. O Braga parece estar a subir de forma. A nível internacional o Sporting já está apurado para a fase seguinte da Liga Europa, (foi a primeira equipa em ambas as competições da UEFA a conseguir o apuramento para a fase seguinte); e o Braga ainda tem hipóteses de seguir em frente. Na Liga dos Campeões o Benfica está a ir bem, só o Porto é que está muito abaixo do que se previa, mas mesmo assim, se começar a ganhar ainda pode seguir em frente.

Voltando à selecção de futebol de Portugal, Carlos Queirós foi substituído por Paulo Bento, quando Portugal parecia já ter perdido todas as hipóteses para o apuramento para o Europeu de 2012.
Paulo Bento fez um bom trabalho, como treinador, no Sporting, em condições adversas, considerando o orçamento deste clube, e as consequentes limitações financeiras para comprar jogadores.
Antigo jogador do Sporting e da selecção de Portugal terminou a carreira de jogador aos 34 anos e tornou-se treinador da equipa Junior do Sporting e logo conquistou o Campeonato Nacional de Juniores. Foi convidado para treinar a equipa principal do Sporting.
Conseguiu em 4 épocas 4 segundos lugares consecutivos, sempre atrás do FC Porto, 2 Taças de Portugal e 2 Supertaças Cândido de Oliveira contra o Porto, quando este dominava o futebol português.
Em 2009 demitiu-se do cargo de treinador do Sporting.
(Certamente que se tivesse os jogadores do Barcelona outras coisas conseguiria).
Paulo Bento conseguiu 5 vitórias seguidas com a selecção de Portugal de futebol, alcançando o 1º lugar do grupo, o que parecia impossível antes dessas 5 vitórias seguidas. Depois falhou na Dinamarca, onde a Portugal bastava um empate para se qualificar, directamente. Mas não falhou sozinho, os jogadores não se esforçaram, nomeadamente Cristiano Ronaldo e Nani.
Mas, atenção, graças às tais 5 vitórias consecutivas da selecção com Paulo Bento, Portugal não ficou excluído do Euro 2012 de futebol.
A selecção de Portugal de futebol, repito, graças às tais 5 vitórias consecutivas com Paulo Bento, ainda pode ir ao euro 2012, se eliminar a selecção da Bósnia-Herzegovina, no chamado play-off. Tem dois jogos para vencer e pode vencê-los ambos.
O caso Ricardo Carvalho, por muito bom que ele seja no Real Madrid é chocante, mas atenção, devido ao que fez e ao que disse Ricardo Carvalho. Este jogador teve um comportamento altamente censurável em qualquer selecção de futebol de primeiro plano. Ricardo Carvalho não devia ter feito o que fez.
Relativamente a Bosingwa o problema é que ele num jogo particular foi mandado jogar pelo seleccionador-treinador Paulo Bento e Bosingwa recusou. As pessoas que ganham muito dinheiro como é o caso de Ricardo Carvalho e de Bosingwa, por vezes atingem níveis de arrogância muitíssimo elevados.(Atenção, todos os jogadores que estão no activo são obrigados a jogar na seleção do respectivo país, se forem convocados para tal, de acordo com as leis da F.I.F.A., sob pena de irradiação da actividade. Aqueles que dizem recusar jogar, não jogam, porque ninguém os convoca. Se fossem convocados e desprezassem a convocatória seriam forçados pela F.I.F.A. a abandonar a prática do futebol profissional. Eles, ricos como são, desprezam é o seu próprio país).
E como há muita Censura no mundo do futebol a recusa de entrar em jogo, num jogo particular, por não ter entrado de início, do jogador Bosingwa é um caso que pesa. E pesa também o que ele fez mal na goleada que o Chelsea sofreu em casa frente ao Arsenal (3-5).
Esperemos que na próxima sexta-feira Portugal vença na Bósnia-Herzegovina.