quinta-feira, 25 de outubro de 2012

A ASSINATURA DE TRATADOS PERIGOSOS


A classe política portuguesa, a grega, a irlandesa, a espanhola, a italiana e a francesa assinaram tratados perigosos. Assinaram as perigosas leis da moeda euro e do falso «BCE».
Assinar leis que permitem criar uma moeda sem Banco Central verdadeiro é muito perigoso.
E estava à vista de todos, o falso «BCE» estava proibido de emprestar dinheiro directamente aos Estados da moeda euro – isto é muito perigoso.
Bastava começar a primeira crise internacional e os países da Zona Euro iam para o salve-se quem puder, uns a tentarem destruir os outros. É esta a situação actual.
Portugal na última década do século XIX entrou em bancarrota, devido aos gastos com os caminhos-de-ferro. Eram necessárias muitas linhas, muitas pontes, e muitos túneis.
Nos finais do século XX e nos começos do século XXI era necessário construir uma rede de auto-estradas, proporcional à rede dos caminhos-de-ferro do século XIX.
Assim como os partidos da monarquia constitucional, o partido Regenerador e o partido Progressista, negociaram mal os contratos para a rede de caminhos-de-ferro, os partidos da III República dominantes, o PPD/PSD e o PS negociaram mal os contratos da rede de auto-estradas. Os maus contratos da rede dos caminhos-de-ferro prejudicaram o Estado e beneficiaram os privados, exactamente como os maus contratos da rede de auto-estradas prejudicaram o Estado e beneficiaram ilegitimamente os privados.
Hoje olhamos para a rede dos caminhos-de-ferro, com as suas pontes e os seus túneis e concluímos que faziam mesmo falta. Foi certo construir os caminhos-de-ferro.
Na monarquia constitucional as pessoas votavam ora no partido Regenerador, ora no Progressista, num rotativismo perigoso. Em 5 de Outubro de 1910 caiu o regime monárquico para sempre.
O rotativismo na III República PPD/PSD e PS é semelhante ao rotativismo dos finais da monarquia.
Hoje, há cada vez mais portugueses que querem a queda do regime para se verem livres da classe política do rotativismo PSD-PS.

Sem comentários:

Enviar um comentário