sexta-feira, 5 de outubro de 2012

ESTADOS UNIDOS: A LOUCURA DE MITT ROMNEY CONTRA A HIPOCRISIA DE BARACK OBAMA


O candidato do partido republicano dos EUA, Mitt Romney, é mais à direita que George W Bush. As suas posições de defender a perseguição às mulheres que fazem aborto e a sua intenção de as meter na cadeia, colocam-no muitíssimo mais à direita do que George W Bush.
Em política externa, a sua visão do mundo pode ser classificada de loucura.
Em termos de poder efectivo, Barack Obama deve ser o arrivista mais bem sucedido da História da Humanidade. Parecia impossível que um país que para acabar com a escravatura dos negros teve que se envolver numa violentíssima guerra-civil contra os proprietários de escravos e que só acabou com o apartheid na década de 1960, escolhesse para presidente da República um negro, na primeira década do século XXI. Chegado à cadeira do poder, Obama, a nível interno colocou em posições chave gente do banco Goldman Sachs, responsável, pelo início da crise de 2008, e manteve aberto o Campo de Tortura de Guantánamo.
A política externa é a continuação da agenda neoconservadora de George W Bush. George W Bush conquistou os poços de petróleo do Iraque e Obama os da Líbia – os motivos justificativos deste novo colonialismo são os mesmos.
Agora está a tentar conquistar a Síria, devido à covardia da classe política da Rússia. A NATO de organização de defesa passou a organização de ataque praticando um imperial-colonialismo que podemos classificar de nazismo «das raças inferiores». A Turquia já está a bombardear a Síria com artilharia pesada e disse que o seu avião abatido no espaço aéreo da Síria foi abatido pelos russos. O curioso é a covardia dos russos. E se fosse? A Rússia é um país independente e se quiser pode ajudar a Síria a defender-se.
A Turquia tem mísseis norte-americanos, no seu território, com bombas atómicas, apontados à Rússia, desde a década de 1960. No tempo da União Soviética, os russos colocaram mísseis com bombas atómicas em Cuba apontados aos Estados Unidos, como retaliação pela colocação dos mísseis norte-americanos na Turquia. Para resolver esse conflito os russos retiraram os mísseis nucleares de Cuba e os Estados Unidos comprometeram-se a retirar os equivalentes da Turquia, mas faltaram à palavra, e os mísseis norte-americanos com bombas atómicas apontados à Rússia ainda lá estão na Turquia, em Outubro de 2012.
A China que está a desenvolver a revolução industrial mais rápida de todas, está interessada num ambiente de paz para desenvolver os seus negócios, que a podem tornar a maior economia do Mundo em pouco mais de mais uma década. Embora se tenha aliado à Rússia militarmente e diplomaticamente, não está nada interessada, em que haja mais guerras.
A Rússia tem um potencial militar de destruição mais ou menos igual ao dos Estados Unidos, mas embora queira travar o imperial-colonial nazismo «das raças inferiores» da NATO, não quer arriscar demasiado, perante as ofensivas dos Estados Unidos.
Se Mitt Romney vencer as eleições a sua loucura poderá ter o efeito oposto ao desejado, que é levar a Rússia e a China a travarem o imperial-colonialismo dos EUA, arriscando tudo, isto é, fazendo sentir a Mitt Romney, que se ele pode destruir todo o planeta Terra, a Rússia também o pode fazer. E não é isso que Romney quer que aconteça.
Se BaracK Obama vencer, como sugerem as sondagens, o imperial-colonialismo dos Estados Unidos será mais subtil, mas continuará com os seus avanços, servindo-se da NATO e do tal imperial-colonialismo da NATO que é o nazismo «das raças inferiores», e trucidando a Síria.
As mentiras que os países da NATO, oficialmente através dos governos, e através dos «média» pró-colonialistas, que são a maioria esmagadora, dizem sobre a Síria, seguem a norma do ministro de Hitler Paul Joseph Goebbels, que dizia que uma mentira de tantas vezes ser repetida «passa a ser verdade».
Por outro lado os valores éticos e morais dos governos da maior parte dos países da NATO, em política externa, são os mesmos do nazismo.

Sem comentários:

Enviar um comentário