quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

A MOEDA EURO E O «BCE» E AS CLASSES SOCIAIS


Uma das características da Direita europeia é que tem medo de certas palavras, de opiniões, fundamentadas, contrárias às suas.
O jornal «Diário de Notícias» em tempos tinha uma coluna semanal da activista do Bloco de Esquerda Joana Amaral Dias e outra, também semanal, do jornalista do PCP Rúben de Carvalho.
Não é que esses textos semanais influenciassem muito os leitores, mas quando entrou o actual director, uma das primeiras coisas que fez foi proibir as crónicas de Joana Amaral Dias e de Rúben de Carvalho, devido à sua elevada qualidade argumentativa. Não foi a falta de qualidade que levou à proibição dessas crónicas, mas a sua elevada qualidade. Isto quer dizer que o que a Direita mais teme são os argumentos da Esquerda bem fundamentados.
É por isso que somos massacrados, sobretudo nas televisões com a publicidade semanal do PSD pelo activista do PSD e professor de Direito Marcelo Rebelo de Sousa, na TVI. Depois aparecem uns poucos de activistas da Direita a massacrar-nos, com o rótulo de «independentes», como são os jornalistas do jornal «Expresso» todas as semanas na «SIC Notícias», como o «independente» Mário Crespo entre as 21h e as 21h e 30 minutos a massacrar-nos de segunda a sexta, na «SIC Notícias», quase sempre com um apoiante da Direita, ou até mesmo com um membro do governo PSD-CDS. O caso do Mário Crespo tem um lado positivo que é o facto de entre as 21h e 30 min e as 22h ter um elemento do PSD ou do CDS a ser contraditado, por alguém do PS, do Bloco de Esquerda ou do PCP.
O jornalista da «SIC Notícias» José Gomes Ferreira é outro propagandista do governo PSD-CDS que aparece como «independente». E muitos mais.
Ora, para a Direita europeia, é necessário seguir a ideia do alemão Joseph Goebbels de que «uma mentira de tantas vezes ser repetida acaba por se transformar em verdade».
A moeda euro e o falso «Banco Central Europeu» ou «BCE» têm uma arquitectura legislativa que representa a captura do falso «BCE» pela alta burguesia financeira. É chocante o facto de o falso «Banco Central Europeu», em condições normais, estar proibido de emprestar dinheiro directamente aos Estados da moeda euro e ser obrigado a emprestar a 1% ou a 0,75% dinheiro aos bancos privados para esses bancos privados emprestarem esse mesmo dinheiro  a 7%, 8%, 9% ou mais aos Estados.
A moeda euro e o falso «Banco Central Europeu» enquanto estiverem capturados pela alta burguesia financeira serão sempre um factor de crise.
Os «resgates» na Zona Euro implicam uma colossal transferência de riqueza das classes médias e das outras abaixo para a alta burguesia, do Trabalho para o Capital.
É muito importante para a alta burguesia e para os seus capatazes PSD-CDS que nas televisões não se fale muito na estratificação da sociedade em classes sociais.
Uma das tragédias da Europa em 2013 é a submissão da maioria esmagadora da população aos interesses da pequena minoria que é a alta burguesia, que oscila entre os 2 e os 5% da população, conforme os países.
O neoliberalismo, que domina Portugal e a União Europeia é uma ideologia fabricada para defender os interesses da alta burguesia.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

OS USURPADORES DA DEMOCRACIA


Quem como eu é adepto da Democracia tem que o repetir muitas vezes, porque Democracia e Barbárie andam associadas nos países da NATO, como Portugal. Os países da NATO são a maior parte dos países da União Europeia, os Estados Unidos, a Noruega, o Canadá, a Turquia, a Albânia, a Croácia e a Islândia.
«Os Estados que integram a NATO são a Albânia, Alemanha, Bélgica, Canadá, Croácia, Dinamarca, Espanha, os Estados Unidos, a França, a Grécia, Holanda, Islândia, Itália, Luxemburgo, Noruega, Portugal, Reino Unido, Turquia, Hungria, Polónia, República Checa, Bulgária, Estónia, Letónia, Lituânia, Roménia, Eslováquia e a Eslovénia.» (Fonte «Wikipédia», artigo na língua portuguesa)

Estes são os países da União Europeia que não pertencem à NATO – Áustria, Chipre, Finlândia, Irlanda, Malta e Suécia. Honra lhes seja reconhecida, porque não pertencem à Aliança Militar especializada em raptos, torturas, assassínios, condenações à morte sem julgamento, invasões directas e indirectas de países soberanos membros da ONU, destruições, ataques terroristas com carros-bomba, massacres de homens mulheres e crianças de todas as idades, toda esta Barbárie «em nome da Democracia» e considera os palestinianos infra-homens, porque não lhes reconhece direitos nenhuns.




A NATO em termos legais rege-se pela Pura Barbárie, anterior à invenção do Direito pela República Romana (de que as condenações à morte sem julgamento e respectivos assassinatos são uma prova), é igual em termos legais ao III Reich da Alemanha ou Alemanha nazi, porque despreza todas as leis.
Em termos de relações de poder a NATO baseia-se no Feudalismo, a NATO é uma estrutura Feudal. Todos os países da NATO são vassalos dos Estados Unidos e há ainda, tal como no Feudalismo, sub-vassalos. A Croácia é um país estruturalmente vassalo da Alemanha e conjunturalmente, Portugal, a Grécia, a Espanha e a Itália são também vassalos da Alemanha.
«A União Europeia é composta por 27 Estados soberanos: Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, República Checa, Dinamarca, Estónia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda, Polónia, Portugal, Roménia, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Suécia e Reino Unido.» (Fonte «Wikipedia», artigo na língua portuguesa)

VERDADES INCONVENIENTES E INESPERADAS


Qatar financió las campañas electorales de Netanyahu y de Israel Beytenou

  
+
La ex ministra de Relaciones Exteriores de Israel, Tzipi Livni, cuyo partido Hatnuah acaba de perder las elecciones, reveló que Qatar financió a varios de sus adversarios en las elecciones legislativas del 22 de enero de 2013.
Según la señora Tzipi Livni, el primer ministro saliente, Benjamin Netanyahu, recibió 3 millones de dólares mientras que Israel Beytenou, el partido de otro ex ministro israelí de Relaciones Exteriores, Avigdor Liberman, recibió 1 millón y medio.
A cambio de esa ayuda financiera, la coalición de la extrema derecha israelí parece haberse comprometido a favorecer la creación de una federación jordano-palestina gobernada por el Hamas.

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

A CAIXA DE PANDORA DOS CRIMES CONTRA A HUMANIDADE QUE NUNCA PRESCREVEM


A Direita portuguesa abriu a caixa de Pandora dos Crimes Contra Humanidade praticados pelo «Regimento de Comandos da Amadora» em Moçambique. Uma curiosidade sobre esta unidade militar, especializada em Crimes Contra a Humanidade, é que bombardeou, por puro divertimento, com um morteiro, o Centro Comercial do centro da cidade da Amadora (em 25 de Outubro de 1978) matando um homem e provocando grandes destruições.
A prática do «Regimento de Comandos da Amadora» em Moçambique imita o nazismo alemão no seu pior – o extermínio de homens, mulheres e crianças de todas as idades em orgias de álcool e sangue. O «Regimento de Comandos da Amadora» praticou actos de selvajaria sobre mulheres e crianças em Moçambique, actos qualitativamente iguais aos que levaram os Aliados, nos Julgamentos de Nuremberga,



 a condenarem à morte e a executarem por enforcamento



 militares alemães do III Reich.
Por outro lado, os Crimes Contra a Humanidade nunca prescrevem. E Portugal é signatário do chamado TPI (Tribunal Penal Internacional), a quem os países signatários reconhecem o direito de julgar os seus cidadãos que tenham cometido Crimes Contra a Humanidade.
Os genocídios realizados em Moçambique pelo «Regimento de Comandos da Amadora» em Wiryamu, Chawola e Juwau configuram a prática de Crimes Contra a Humanidade.
Homens, mulheres e crianças de todas as idades foram queimados vivos em orgias do mais alto grau de selvajaria e sadismo, numa imitação do nazismo alemão no seu pior pelos referidos «Comandos da Amadora».


segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

MASSACRE DE WIRYAMU OU O AUSCHWITZ PORTUGUÊS


«Jaime Neves promovido a general e considerado herói nacional? E onde pára o pudor e a vergonha? Em qualquer país verdadeiramente democrático Jaime Neves já teria sido julgado pelo seu envolvimento em massacres durante a guerra colonial.
35 anos depois e a verdadeira história da guerra colonial continua por fazer, de tal maneira que se tentam enterrar bem fundo factos que nos deviam envergonhar e pelos quais já devíamos ter pedido perdão.
Que o digam os povos de Wiryamu, Chawola e Juwau todos eles em Moçambique barbaramente massacrados e onde Jaime Neves que então chefiava os Comandos teve papel de destaque.
Pela dimensão e impacto na altura destaco Wiryamu, onde centenas de pessoas, entre elas mulheres grávidas e crianças, foram chacinadas e incendiadas vivas dentro das suas palhotas, corria o mês de Dezembro de 1972.
A tragédia ganha nova dimensão quando em época de celebração de Abril se resolve premiar um dos seus altos responsáveis e promovê-lo a general precisamente pelo seu passado militar.
Em Dezembro de 1972 estava próximo do local da tragédia e senti revolta e vergonha por fazer parte de um exército que se conduzia de tal maneira. Para piorar a situação ainda tive que conhecer pessoalmente a besta humana que dá pelo nome de Jaime Neves, que ainda hoje é contra a independência das ex-colónias...
Não é segredo para os visitantes deste blogue que defendo que todos os criminosos de guerra e dos direitos humanos devem ser julgados independentemente da sua idade, cargo político ou militar. Mário Crespo tira-me do sério porque já é a segunda vez em poucos dias que faz o elogio de Jaime Neves, precisamente porque não pode ele ignorar estes factos porque à época também cumpria serviço militar em Moçambique. Seria preciso ser muito distraído para não se aperceber deles, embora na época o seu cuidado principal fosse acompanhar jornalisticamente Kaulza de Arriaga.
Não se me apaga da memória aquela mulher grávida ferida a tiro pelos homens de Jaime Neves, entre Vila Gouveia e o Guru, e que em boa hora o padre Faria obrigou o "Trinta" a descer o héli e recolhê-la. No chão ficaram dezenas de corpos de inocentes que o único crime que cometeram foi estar no caminho das tropas de Jaime Neves.
Mas estes factos foram riscados do livro oficial da história da guerra em terras de Moçambique. O poder actual age como se já não existissem testemunhas desse período. Mas muitos ainda continuamos vivos para repor a verdade de muitos factos tão vilmente escamoteados. Haja vergonha!

Para quem quiser conhecer melhor o que aconteceu em Wiryamu, pode fazê-lo aqui através de discurso directo do homem que na altura comandava a 6ª Companhia de Comandos, o alferes Antonino Melo, do qual vos deixo dois pequeníssimos excertos:
"...Caprichava-se na escolha da morte. As mulheres eram usadas sem pudor. Os homens caíam à paulada, pisados, outros a tiro. Um soldado de Tete matava as crianças à faca. Atirava-as ao ar como a uma bola de trapos e acabava com as suas graças na ponta da lâmina. Os que tentaram fugir foram abatidos a tiro. Também juntaram homens e mulheres em filas, colocaram-se em cunha, e berravam: «Batam palmas para se despedirem da vida.» De seguida, disparavam. Os corpos que caíam produziam um barulho surdo. Depois cobriam-nos com mato e lançavam o fósforo. As crianças pareciam línguas de fogo entre o fumo."

"...Metiam dez, talvez quinze pessoas, numa palhota, é difícil precisar neste momento. Foi tudo muito a correr, mas quando ficava cheia, lançavam as granadas e fechavam a porta. Passavam uns segundos. Antonino primeiro ouvia os gritos desesperados, silêncio quando as granadas rebentavam, o tecto subia, caía, a palhota incendiava-se. De novo gritos, choro. Poupava-se balas. Morriam queimados. Às vezes, a porta abria-se, alguém tentava fugir. Tiros. «Nestas operações, matar um ou vinte é indiferente. Depois de desencadeada, é para cumprir e seguir em frente. Tudo a eito.» A mesma expressão neutra."...» (In blog «Salvo-conduto»)


INQUISIÇÃO E ÍNDEX «OPUS DEI» EM 2007


domingo, 27 de janeiro de 2013

BRASIL - GRAVE INCÊNDIO EM DISCOTECA NO RIO GRANDE DO SUL


«Tragédia ocorreu numa festa universitária na cidade de Santa Maria. Fogo teria começado no palco, onde acontecia o show de uma banda. Dilma Rousseff antecipa volta do Chile e vai à cidade gaúcha.
Ao menos 233 pessoas morreram durante a madrugada deste domingo (27/01) num incêndio numa boate em Santa Maria, localizada a cerca de 290 km de Porto Alegre no Rio Grande do Sul, segundo informações do Batalhão de Operações Especiais. Antes, a Polícia Militar gaúcha havia divulgado que pelo menos 245 pessoas teriam morrido no incidente, informação corrigida horas depois.
De acordo com o comandante do Batalhão de Operações Especiais (BOE), major Cleberson Bastianello, um incêndio dentro da boate Kiss causou a morte de ao menos 233 pessoas e há mais 115 feridos. "Todos os corpos que estavam na boate foram retirados", declarou Bastianello.
Segundo relatos, a boate tem capacidade de receber até 1.500 pessoas, mas dispõe de apenas uma saída de emergência. Não se sabe quantas pessoas estavam no local. Há relatos de testemunhas de que a porta de saída teria sido fechada pelos seguranças para impedir que pessoas deixassem o local sem pagar a conta. Um dos proprietários já teria se apresentado à polícia.
Informações preliminares dão conta de que o fogo teria começado por volta das 2h30, quando o vocalista da banda que se apresentava fez uma espécie de show pirotécnico, usando um sinalizador. As faíscas atingiram a espuma do isolamento acústico no teto do estabelecimento e as chamas se espalharam.» (In «DW» net)


Este trágico acontecimento no Brasil, no Rio Grande do Sul, coloca algumas interrogações.
Por quais razões a segunda porta da discoteca estava trancada?
Por que motivo um dos elementos da banda que estava a actuar utilizou material pirotécnico num ambiente tão facilmente inflamável?
Perderam-se muitas vidas devido a negligência humana – em primeiro lugar não devia ter sido utilizado material incandescente, porque podia provocar um incêndio e provocou mesmo.
Depois, uma discoteca não pode estar a funcionar, correctamente, sem ter, no mínimo duas portas de saída, a principal e a de emergência, prontas a ser imediatamente utilizadas, em caso de incêndio.



Para aumentar ou para ver mais nítida qualquer imagem deste blog (num «post») clicar 1 vez sobre a imagem com o lado esquerdo do rato.

CRIME ORGANIZADO NA SIC NOTÍCIAS NESTE MOMENTO - JORNALISTAS VIGARISTAS JUNTOS


QUEM DIRIA
Uma tertúlia de jornalistas vigaristas, neste momento, na «SIC Notícias», está em curso.


Os jornalistas portugueses, especialmente os das televisões, são especializados em ocultar as verdades inconvenientes, para os seus patrões e administradores, e para outros colegas jornalistas  e comentadores de televisão.
Há tempos escrevi o que se segue e que continua actual.


Enquanto estive a ouvir o moralismo de Miguel Sousa Tavares, lembrei-me de um «post» que tinha publicado sobre ele.

A RTP, a SIC e a TVI, que tanto criticam a Censura na Coreia do Norte, também fazem Censura, tipo Coreia do Norte. Fazem censura omitindo factos relevantes e depois mentem de má-fé como tem sido no caso de cópia, irrefutavelmente comprovada, de frases inteiras do livro «Cette nuit la liberté», por Miguel Sousa Tavares, para o livro «Equador». Que grande copianço, que grande plágio, do «moralista» Miguel Sousa Tavares. Parece que estamos na Coreia do Norte, porque a verdade sobre este estranho caso não pode ser divulgada.
Estive a ver o programa da «SIC Notícias» «Conversas Improváveis», às 23 horas, enquanto preparava este «post», em que participou o «moralista» Miguel Sousa Tavares e Francisco Louçã. Nesse programa insinuou-se, claramente, que Miguel Sousa Tavares não praticou plágio. Mas copiou parte de um livro como podemos ver neste blog. Mentir, mentir, mentir.


Uma curiosidade da Censura que é praticada em Portugal é que é Estatal e Privada.
Há várias Comissões de Censura Estatal com nomes complicados, para darem a entender que praticam a Censura, em nome da «Liberdade», isto é, da Liberdade de Praticar a Censura.
Mas, hoje vamos tratar das Censuras de Tipo Feudal, isto é, das Censuras Privadas.

Quem lê os «media» tradicionais portugueses fica com a ideia de que os autores do livro «Cette Nuit la Liberté» fizeram grande copianço, pelo livro «Equador».
Neste caso de copianço ganha relevo especial a questão dos frangos.
Pelos vistos «Cette Nuit la Liberté» copia por «Equador» a questão dos frangos, sem especificar se os frangos são ou não frangos de aviário.
Ficámos a saber, que as Armas de Destruição Maciça do Iraque eram para destruir os frangos de aviário de «Sir Bhupinder Singh, chamado “ O Magnífico”, sétimo marajá de Patiala».






«Lord Mountbatten savait porquoi il avait été rappelé à Londres. Depuis qu’il avait quitté son commandement suprême interalliédu Sud-Est asiatique, il avait solvente répondu à l’invitation du Premier ministre soucieux de recueillir son avis dans les affaires concernant cette partie du monde. Au cours de la dernière visite, l’interêt de Clement Attlee s’était cepandant concentre suru n pays qui n’avait pas appartenu au théâtre d’ópérations sous son autorité, les Indes. Mountbatten avait tout à coup ressenti
“une impression très désagréable”. Sa prémonotion s’était montrée justifiée. Attlee avait en effet l’intention de le nomer vice-roi des Indes, de lui le donner ainsi le poste le plus élevé de l’Empire, la prestigieuse fonction d’une longue ligné d’Anglais qui avait présidé aux destinées d’un cinquième du genre humain. Mais ce n’était pas pour gouverner l’Empire des Indes que Clement Attlee avait choisi Louis Mounbatten. C’était por accomplir la mission la plus douloureuse dont pouvait s’acquitter un Britannique, organiser le retrait de l’Angleterre des Indes.
Ce prestigieux amiral de sang royal ne souhaitait pour rien au monde se voir confie cette tâche d’exécuteur. Dans le naif espoir d’obliger Attlee à renoncer à sa nomination, il avait subordonné son acceptation à tout un éventail d’exigences allant»
(page 22)


«Le seigneur incontesté des plaisirs de la chasse et de la chair avait été le père du chancelier de la Chambre des princes, Sir Bhupinder Singh, dit “Le Magnifique”, septième maharaja de Patiala. Avec sa stature colossale, ses cent trinte Kilos, ses moustaches relevées comme les cornes d’un taureau brave, sa splendide barbe noire, soigneusement enroulée et noué derrrière le cou à la vraie mode des Sikhs, ses lèvres sensuelles et l’arrogance de son regard, il paraissait être tombé d’une gravure mogole. Pour le monde de l’entre-deux-guerres, Sir Bhupinder incarna toute la splendeur des maharajas des Indes. Son appétit était tel qu’il pouvait avaler sans effort vingt kilos de nourriture chaque jour. Il dévorait volontiers deux ou trois poulets à l’heure du thé. Il adorait le polo et, galopant à la tête de ses “Tigres de Patiala”, il avait remporté sur tous les terrains du globe des trophées qui emplissaient son palais. Pour permettre ses prouesses, ses écuries abritaient cinq cents des plus beaux spécimens de la race chevaline.»
(page 238)












Miguel Sousa Tavares em todas as televisões, nos jornais e revistas, atacou violentamente os que o acusaram de plágio.
Este caso chegou a ir a julgamento. As pessoas que Miguel Sousa Tavares acusou, cujos nomes não foram divulgados, foram julgadas e, OBVIAMENTE, absolvidas. Mais, o Tribunal decidiu que os leitores deviam ler estes dois livros e avaliarem, por si, se houve ou não plágio.
OBVIAMENTE, QUE A DECISÃO DO TRIBUNAL NÃO FOI DIVULGADA PELAS TAIS TELEVISÕES. TAMBÉM NÃO FOI DIVULGADA PELAS REVISTAS, NEM PELOS JORNAIS DE MAIOR AUDIÊNCIA.

Observação: Quem não sabe francês tem que seleccionar e copiar os textos em francês primeiro e depois usar o «Google tradutor».
Se usar o «Google translate» do blog ele não é perfeito. Se seleccionar língua portuguesa nada traduz, dizendo que o blog já está na língua portuguesa. Se traduzir para inglês ou espanhol (castelhano) ou outra língua, só traduz o que está na língua portuguesa, deixando o que está em francês, na mesma, isto é, na língua francesa.
Por outro lado o «Google Tradutor» não traduz textos fotografados, que são editados através de imagens.

sábado, 26 de janeiro de 2013

PROFESSORES MANIFESTARAM-SE HOJE, EM LISBOA, CONTRA O CAOS PSD-CDS NO EMPREGO


Os professores do Ensino Público manifestaram-se hoje, em Lisboa, contra o caos PSD-CDS no emprego, por outras palavras contra a prática obsessiva do governo PSD-CDS em aumentar o desemprego, o mais possível.


JOSÉ MOURINHO – O TREINADOR DE FUTEBOL PORTUGUÊS MAIS BEM SUCEDIDO DE SEMPRE COMPLETOU HOJE 50 ANOS


José Mourinho é filho do guarda-redes Mourinho do Vitória de Setúbal.
José Mourinho foi campeão de Portugal com o Porto, campeão da Inglaterra com o Chelsea, campeão da Itália com o Inter de Milão e campeão da Espanha com o Real Madrid. A nível internacional venceu a Taça UEFA com o Porto e venceu duas vezes a Taça dos Campeões Europeus / Liga dos Campeões da Europa com o Porto e com o Inter de Milão.
A Taça dos Campeões Europeus / Liga dos Campeões da Europa é a prova de clubes mais competitiva do Mundo. É a prova de clubes mais difícil de vencer em todo o Mundo.
Aos 50 anos este curriculum de José Mourinho é extraordinário.
Curiosamente, uma das qualidades que mais se lhe reconhecia era a de motivar os jogadores para se superarem a si próprios. É precisamente neste ponto que está a falhar nesta época 2012/2013 no Real Madrid, onde não tem conseguido motivar os jogadores e está a acontecer o oposto, um conflito entre os jogadores e o treinador.
Pessoalmente, acho que José Mourinho deve abandonar o Real Madrid no final desta época. O melhor campeonato do Mundo é o da Inglaterra e lá não faltarão clubes que o queiram contratar. O que se passa com José Mourinho é habitual no Real Madrid – os jogadores desprezam todos os treinadores e consideram-se quase todos eles, individualmente, muito mais importantes que o treinador. Para Mourinho este ambiente é desfavorável e não precisa de se rebaixar ao ponto de entrar numa guerra interna que não lhe interessa.
Que deixe os jogadores do Real Madrid como os seus egos sobrevalorizados e o que vá treinar uma equipa que o respeite é o que lhe desejo.

PROFISSIONAIS DA CORRUPÇÃO



Há uma lei em Portugal, que limita o número de mandatos dos presidentes das Câmaras Municipais. O PSD, o partido político mais corrupto da III República, caso BPN, um desfalque de 7 mil milhões de euros, caso BPP, caso BANIF, não respeita a lei que limita os mandatos dos presidentes das Câmaras Municipais, porque acha que essa lei é só para os outros, ao PSD não se aplica.
É um espectáculo altamente sórdido ver o PSD presidente da Câmara de Sintra a candidatar-se a Lisboa, desrespeitando o espírito da lei, e o PSD presidente da Câmara de Gaia a candidatar-se ao Porto. Esta ostensiva e agressiva ganância pelo poder, desrespeitando o espírito da lei, por parte destes indivíduos é um dos mais sinistros maus exemplos da classe política de 2013.

O acto em si de não respeitarem o espírito da lei e de se recandidatarem contra o espírito da lei é este próprio acto em si de se recandidatarem um acto de corrupção, de corrupção ética e moral.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

A SURPRESA E A CLASSE POLÍTICA – O BEM E O MAL


Surpreendem-me as pessoas que querem a demissão de Miguel Relvas por ele ser corrupto, porque tem uma licenciatura com cadeiras que não fez. Mas há aqui um equívoco, Vítor Gaspar conseguiu os seus graus académicos legalmente e com grande sucesso, mas é muito mais corrupto e muito mais perigoso do que o Miguel Relvas. Vítor Gaspar, academicamente bem sucedido, é um criminoso legal. Vítor Gaspar pôs muitas crianças portuguesas a passarem fome, levou milhares de empresas à falência e milhares de pessoas para o desemprego e para a fome. A criminalidade mais perigosa nas Democracias é a criminalidade legal. O facto de a moeda euro não ter Banco Central e ter um falso «Banco Central» é um crime colectivo do «Partido Popular Europeu» e da «Internacional Socialista».
Por que razão a Inquisição fazia julgamentos formais de gatos pretos e agora é proibido fazer julgamentos formais de gatos? O que é legal não é o que é honesto. A legalidade varia de época para época e é imposta pelas classes dirigentes. A Lei e o Crime variam conforme a época e conforme quem tem o poder.
O melhor livro que existe sobre o conceito de legalidade é «Para Além do Bem e do Mal» de Friedrich Nietzsche (1844-1900). Neste terrível livro, que é uma verdadeira descida aos infernos, Nietzsche prova que o Bem e o Mal não existem. Nietzsche mostra a espécie humana tal como ela é – cruel, criminosa, com uma crueldade sem limites. O Bem e o Mal são conceitos, de facto, inventados por quem tem o poder para justificar todos os seus Crimes.
Vamos a um exemplo, do meu ponto de vista, o facto de o falso «Banco Central Europeu» estar proibido de emprestar dinheiro directamente aos Estados da moeda euro e ser obrigado a emprestar esse mesmo dinheiro aos bancos privados a 1% ou a 0,75% para estes terem a intermediação parasitária que lhes permite ir emprestar esse mesmo dinheiro aos Estados a 7, 8 e 9% ou mais é um crime muito grave. Tal como mostra Nietzsche, quem tem o poder transforma o Crime em Lei. Aqui o Bem é transformado em Mal pela alta burguesia e seus capatazes, mas o Mal é divulgado pela alta burguesia e pelos seus capatazes como sendo o Bem.
O conceito de corrupção implica corrupção legal e corrupção ilegal, mas a corrupção mais danosa e mais perigosa é a corrupção legal.

«A loira burra e o corrupto
Publicado em Janeiro 25, 2013 por Raquel Cardeira Varela
O preconceito é inevitável, as minhas desculpas. Acabamos de saber que, alegadamente, um dos relatores do FMI para Portugal, portanto directamente responsável, com o governo, pelas políticas que destroem a vida de quem vive do trabalho em Portugal, não é ele mas a ex-mulher, por sinal uma beldade tirada de um reality show berlusconiano, que afinal assinou por ele o que ele nunca escreveu. Confuso? Não! É que o regime em que vivemos é na verdade um monte de lama que a beleza da dita não apaga. Temos primeiros-ministros que se licenciam ao Domingo, ministros que tiram cadeiras inexistentes, uma ministra de Merkel acusada de plagiar a tese de doutoramento, e um relator do FMI que, alegadamente, não só é um aldrabão como mandou a ex-mulher para a fogueira para se safar.» (In blog «5 Dias net»)

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

ASSASSINAR OS SERES HUMANOS QUE VIVEM MAIS TEMPO PARA MORREREM MAIS CEDO – A ÉTICA NEOLIBERAL


O ministro das Finanças do Japão, Taro Aso, disse aquilo que Pedro Passos Coelho, Vítor Gaspar, Ângela Merkel, Durão Barroso, Mário Drahgi e Cristina Lagarde pensam – é preciso matar os reformados, porque dão prejuízo.
O neoliberalismo é uma ideologia internacional, o pensamento neoliberal europeu é o mesmo do japonês.

«Taro Aso é ministro das Finanças do Japão. Como ocupa o lugar há apenas um mês, ainda não aprendeu a não dizer tudo o que lhe vai na alma. E ao falar revelou o espírito do nosso tempo, sempre mais agressivo e frio na cultura nipónica. Numa reunião do conselho nacional que se dedica às reformas da segurança social e ao orçamento da saúde - como se vê, trata-se de um movimento internacional de "refundação do Estado" -, o ministro defendeu que a sustentabilidade do sistema só será possível se os idosos se deixarem "morrer depressa". "Que Deus não permita que sejam forçados a viver quando querem morrer. Eu iria acordar sentindo-me incrivelmente mal por saber que o tratamento era totalmente pago pelo Governo".» (In Blog «Arrastão»)

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

A CENSURA NA BLOGOSFERA E NET PT


Uma das características, em 2013, da Blogosfera de língua portuguesa pt é a Censura.
Devido ao facto de a língua portuguesa ser uma língua internacional, a terceira língua de origem europeia oficial mais falada no Mundo, muito à frente do alemão e do francês, – a primeira é a língua castelhana (a que no Brasil chamam espanhol, mas quero lembrar que na Espanha há quatro línguas oficiais que são o castelhano, o catalão, o galego e o basco) e a segunda é o inglês – os blogs de língua portuguesa, mesmo sendo vetados na publicidade que os blogs fazem uns aos outros, têm audiência efectiva, desde que sejam actualizados todos os dias. Não se escreve para nada na língua portuguesa; escreve-se e há quem leia o que a gente escreve.

Fiquei admirado porque no blog «Aventar» (que é um blog semi-profissional, ou parece até mesmo profissional, provavelmente com o site pago, tipo revista) houve quem se admirasse por haver Censura na Blogosfera pt. É muito comum a Censura na Blogosfera pt. E quanto à Censura ou há ou não há. Não há meia Censura.

«Mum’s the boss, o blogue que censura comentários
23/01/2013 Por Ricardo Santos Pinto 5 Comentários
Mum’s the boss é um blogue escrito por uma tal de Magda que fala sobre parentalidades, questões relacionadas com educação e por aí fora.
Devido a uma atitude da autora que considerei pouco elegante, dirigi-me ao referido blogue e disse o que tinha a dizer na respectiva caixa de comentários. Fi-lo de forma educada, civilizada e mantendo todo o respeito pela autora. Para meu espanto, o comentário foi censurado. E um segundo comentário, em que pedia para publicar o primeiro, foi de novo censurado.
Continua a espantar-me o facto de ainda existir gente desta no mundo da blogosfera, um mundo de liberdade por excelência. Mais espantado fico quando estamos perante alguém que discorre diariamente sobre educação, parentalidades e pedagogia.
Perante esta sua faceta de censora, que só admite comentários se forem positivos e louvarem a qualidade dos seus posts, estamos entendidos. Que rico exemplo para quem tem a missão de educar! Que rico exemplo vindo de quem vem!
P. S. 1 – Orgulho-me de nunca ter censurado qualquer comentário até hoje, nem mesmo quando me chamaram filho da puta e coisas piores. Orgulho-me pelo facto de o Aventar não ter comentários sujeitos a moderação. Não tenho nada a esconder. Não me importo nada que discordem de mim. Que não gostem do que escrevo.» (In «Aventar»)

Chamo a atenção para o facto de o jornal «Diário de Notícias» net não ter Censura, como se pode ver por esta fotografia digitalizada, a seguir.

                                                           Clicar em cima 1 vez com o lado esquerdo do rato para ampliar

A AUSÊNCIA DE UM BANCO CENTRAL VERDADEIRO PARA A MOEDA EURO É CORRUPÇÃO LEGAL


A crise das dívidas soberanas da Zona Euro tem como causa principal o facto de a moeda euro não ter um Banco Central.
A moeda euro tem um falso Banco Central, falsamente chamado «Banco Central Europeu» ou «BCE».

Os órgãos de comunicação social portugueses dominantes, especialmente as televisões, mentem por má-fé em primeiro lugar.
É na blogosfera de língua portuguesa que se encontram textos alternativos às mentiras oficiais.
Além de haver um nível intelectual mais elevado na blogosfera, e um nível de conhecimento muito mais aprofundado, também surgem situações caricatas – a melhor situação caricata dos últimos tempos foi o facto de milhares de internautas pt acharem mais importante a vida de um cão assassino  que a de uma criança assassinada por esse cão. Li vários textos sobre esse caso e em todos eles se afirmava que os animais não-humanos não eram julgados. Aproveito para rectificar, porque os gatos pretos foram julgados na Europa pela Inquisição. Há provas documentais de que a Inquisição fez julgamentos formais de gatos pretos.

A seguir vai um texto que desmonta a autopropaganda do governo PSD-CDS dos dois últimos dias e dos «independentes» apoiantes do governo PSD-CDS que nos massacram nas televisões com mentiras de má-fé.

«O Estado português regressa aos mercados. Bem-vindos ao segundo resgate da troika.                                            

O regresso aos mercados não assinala o fim da intervenção da troika em Portugal? Confuso? Não é para menos. É nesta confusão que o Governo joga as suas fichas. Portugal prepara-se para regressar ao financiamento dos mercados através de uma emissão de obrigações a cinco anos. O Estado recapitalizou a banca nacional com o empréstimo da troika, com o compromisso, explícito no caso do Banif, de a banca comprar dívida pública portuguesa. É portanto provável que seja a banca portuguesa a ficar com o grosso da emissão agora anunciada.

Que importa que seja a banca portuguesa a comprar? O que interessa é livrar-nos do financiamento e da austeridade da troika. Aliás, é excelente para a nossa economia que se dê uma substituição dos credores estrangeiros por domésticos (o serviço da dívida deixa de ser uma sangria de rendimento para o exterior). Pois. No entanto, se a banca portuguesa pode substituir os agentes estrangeiros em algumas emissões, duvido que tenha arcaboiço para aguentar o exigente calendário de obrigações a refinanciar nos próximos três anos, mesmo com as facilidades de liquidez do BCE. Aparentemente, não sou o único a duvidar se tivermos em conta a extensão das maturidades do financiamento europeu também hoje anunciada.

Mas então isto não passa de uma vã manobra de diversão para enganar os mercados financeiros? Também não. O que o governo português consegue com esta jogada é obedecer a uma das condições fixadas pelo BCE para as operações de compra de dívida comunicada em Setembro. O BCE só compra títulos de dívida pública de um determinado país se este tiver efectivo acesso aos mercados. Ora, é exactamente isso que Portugal poderá agora apresentar em Frankfurt. Posto de forma muito simples, com o apoio do BCE, a banca portuguesa poderá comprar dívida, vendê-la ao BCE e em seguida comprar mais dívida ao Estado.

Portugal continuará a estar dependente de financiamento oficial, desta feita de um dos elementos da troika, mas agora não haverá memorando nenhum a cumprir. Teremos financiamento sem austeridade? Não. As operações anunciadas pelo BCE estabelecem explicitamente condicionalidade aos países “ajudados”, no quadro do FEEF e do FMI. Trocado por miúdos, teremos novo financiamento associado a nova austeridade desenhada pela troika. Bem-vindos ao segundo resgate.» (Nuno Teles in blog «Ladrões de Bicicletas»)

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

PORTUGAL E A IRLANDA, À BEIRA DO PRECIPÍCIO, PEDIRAM A RENEGOCIAÇÃO DO EMPRÉSTIMO DA TROIKA


Passos Coelho e Vítor Gaspar puseram os portugueses a passarem fome. Disseram que as condições do empréstimo da troika eram todas para cumprir e que só a «extrema-esquerda» pedia a renegociação do empréstimo da troika.
Pois, Passos Coelho e Vítor Gaspar pediram a renegociação do empréstimo da troika, pediram a renegociação da dívida, com o aumento dos prazos. São dois hipócritas e mentirosos que continuam a ser hipócritas e mentirosos. O governo PSD-CDS, à beira do precipício, e o da Irlanda pediram a renegociação do empréstimo da troika, pediram mais tempo.

OS AMANHÃS QUE NÃO CANTAM DA UNIÃO EUROPEIA


O objectivo número um da União Europeia era melhorar a qualidade de vida da maioria esmagadora dos seus habitantes.
Cada país membro teria vantagens e desvantagens por pertencer à União Europeia, mas as vantagens seriam sempre, claramente, superiores às desvantagens.
A criação da moeda euro implicaria vantagens e desvantagens para todos os países que a ela aderissem, mas as vantagens seriam, claramente, superiores às desvantagens.
Portugal aderiu à União Europeia e alguns portugueses acharam estranho que a União Europeia pagasse para serem destruídos postos de trabalho em Portugal. Alguns portugueses estranharam que se pagasse aos agricultores para produzirem menos, estranharam que fossem abatidos barcos de pesca e com eles alguns postos de trabalho, estranharam a chamada desindustrialização e a consequente perda de postos de trabalho.

Não foram só os portugueses que acharam estranho que a moeda euro não tivesse Banco Central.
Não foram só os portugueses que acharam estranhíssimo que um falso Banco Central, chamado hipocritamente «Banco Central Europeu» ou «BCE» tivesse sido criado para emprestar dinheiro, obrigatoriamente, aos bancos privados, para estes emprestarem esse mesmo dinheiro aos Estados, cobrando juros usurários aos Estados, pela intermediação abusiva, parasitária e desnecessária. Esse falso «Banco Central Europeu» era um banco capturado pela alta burguesia financeira dos bancos privados. Os números falam por si – um banco privado recebia dinheiro do falso «BCE» a 1% e emprestava esse mesmo dinheiro a um Estado a 7, 8, 9 % de juros ou mais.

E chegámos a 2013 – Portugal para estar na moeda euro tem que pôr os portugueses  a passarem fome.
Não se vislumbram amanhãs que cantam na União Europeia, há sim recessão em cima de recessão, falências em cima de falências, desemprego em cima de desemprego, na Grécia, em Portugal, na Irlanda, na Espanha, na Itália e já um pouco na França. E assim vai Janeiro de 2013.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

O COELHO E O GASPARINHO – O QUE ELES DIZEM E O QUE ELES FAZEM


O Coelho disse que não cortava o subsídio de férias e de Natal a ninguém para ganhar as eleições.
O Gasparinho diz que quer salvar os portugueses – e é verdade quer enriquecer ainda mais a alta burguesia à custa das outras classes sociais.
Esta colossal transferência de riqueza das classes médias e das outras abaixo para alta burguesia está em curso.
Os portugueses que não pertencem à alta burguesia não podem ir pagar os impostos à Holanda como o Alexandre Soares dos Santos e o Belmiro Azevedo.
E entretanto o Coelho e o Gasparinho estão a aumentar as falências e o desemprego, Portugal está a ser devastado por estes dois indivíduos. Cada vez pior, e depois em cima do pior ainda vem pior ainda.

domingo, 20 de janeiro de 2013

A OLIGARQUIA PORTUGUESA E OS OUTROS PORTUGUESES


«A oligarquia é sempre igual a si mesma, não importando qual seja a época ou o lugar onde exerça o seu poder. É moralista, hipócrita, velhaca, ressabiada, vingativa, rancorosa. E em Portugal viveu em pânico desde 2008 até 5 de Junho de 2011.» (In Blog «Aspirina B»)

Quero chamar a tenção para os autores e autoras que escrevem no Aspirina B que a oligarquia portuguesa teve algum receio de 2008 até 5 de Julho de 2011… mas teve medo da própria sombra e entrou mesmo em pânico oligárquico, quando o rei D. Carlos I foi assassinado, em 1908, e também em 1847, quando no contexto da Guerra-Civil da Patuleia a extrema-esquerda passou a dominar Portugal e no contexto do pânico oligárquico a rainha D. Maria II, num dos gestos da mais alta traição da monarquia a portuguesa, pediu à Espanha a urgente invasão de Portugal com tropas terrestres e à Inglaterra a urgente invasão de Portugal pela Marinha inglesa, invasões estas, rapidamente concretizadas, e «apagadas dos livros de História de maior circulação».
Entre 25 de Abril de 1974 e 25 de Novembro de 1975 a oligarquia portuguesa entrou num ciclo de pânico e de terror efectivos, que levou parte dela a fugir para o Brasil.

A oligarquia portuguesa tem efectivamente medo daqueles que a desprezam e não daqueles que a reverenciam, mais ou menos discretamente.

sábado, 19 de janeiro de 2013

ÓDIO AO EXPRESSO E AO SEU DIRECTOR


Um tal Costa, actual director, do jornal oficioso do PSD chamado «Expresso» despertou em mim ódio, revolta e desprezo por esta comunicação social desonesta e vil, que acabei de ouvir na SIC. Fez um sermão a atacar a oposição. Se todos fizessem como eu esse jornal oficioso do PSD não existia, porque eu nunca o compro. É uma vergonha este jornal.


«EXPRESSO» – 40 ANOS - A FAZER PUBLICIDADE SEMANAL DO PENSAMENTO DA DIREITA PORTUGUESA
Reflictam um pouco sobre o tipo de opinião que o jornal «Expresso» tenta fazer.

«Pensem bem

Nunca vi o Expresso defender uma causa com tanto zelo.

Ontem, a manchete proclamava”Durão 1- RTP 0” e, por baixo, zunia – em grande destaque – a seguinte ementa:
“Indemnização de Rangel é de 147 mil contos” (...por azar?) “ilíquidos”, “SIC processa antigo director geral”, “Carrilho pede intervenção do Presidente da República” e “O PS reforma Arons de Carvalho”.



Também na primeira página vinha um editorial – “O fim do saque à RTP?” – em que se “aplaudia o governo e se recomendava silêncio e “pudor” à oposição.






Na quarta página, Fernando Madrinha apoiava a política de Morais Sarmento e, de caminho, ia lamentando que desde quinta-feira o Telejornal abrisse com as manifestações dos trabalhadores da casa, seguindo uma orientação “guerrilheira e umbiguista”.






Na página seis, com a história do despedimento da administração da RTP (informada e neutra), aparecia o interessante currículo de um dos sucessores, Luís Marques, o “único com carreira nacomunicação social, jornalista, actual colunista do Expresso” e “ex-subdirector de Informação da SIC, de onde saiu há um ano, por discordâncias com Rangel”.




Na página sete, continuava a dança, com três notícias triunfais: “Rangel pode ficar sem nada”; Rangel não conseguiu aumentar a audiência da RTP 1; e o Tribunal de Contas condena a gestão da televisão do Estado.




Na habitual coluna do “sobe e desce”, Morais Sarmento estava evidentemente no “alto”, com suaves louvores, e Rangel no “baixo”, com uma descompostura em forma,


como, de resto João Carlos Silva no “sobe e desce” do 2º caderno.


Na página 13, Henrique Monteiro exigia o fim da publicidade na RTP.



Na página 28, um segundo editorial tornava a defender a política de Morais Sarmento.









E, na última, caso alguém não tivesse ainda percebido, José António Lima repetia o sermão.


Que dizer disto?...»

(Vasco Pulido Valente in «Diário de Notícias»)

A CAPTURA DO ESTADO PORTUGUÊS E DA COMUNICAÇÃO SOCIAL PELA ALTA BURGUESIA


O aparelho conceptual propagandeado pelo PSD de Passos Coelho e pelos seus propagandistas tem origem no conceito do alemão Joseph Goebbels, que dizia que «uma mentira de tantas vezes ser repetida acaba por se transformar em verdade».
A dominação financeira-económica-social-política da III República portuguesa pela alta burguesia é considerada inevitável, um bem, abençoada pelo cardeal-patriarca de Lisboa, e talvez este poder da alta burguesia seja considerado de origem divina como o era o do rei absoluto da França Luís XVI (antes de ser executado pelos republicanos).
O actual poder da alta burguesia em Portugal é tão inevitável como foi o  poder do rei da França Luís XVI.

«Pedro Passos Coelho, o resto dos governantes e o batalhão de propagandistas do Governo regularmente vêm gabar-se da renegociação que estão a levar a cabo com os privados das PPP's rodoviárias. A renegociação destas parcerias foi apresentada como trunfo eleitoral. Mas a realidade é madrasta e o Governo embateu de frente com os interesses das clientelas que parasitam o Estado e os nossos impostos. Não foi uma questão de impotência, mas de pura demagogia; o Governo nunca teve realmente vontade de acabar com o negócio monopolista que as concessionárias das auto-estradas conseguiram junto do Estado. Mas a opinião pública precisava de alguma fumaça. Ao longo dos últimos meses, o inefável secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, foi aparecendo nas tribunas do costume - perdemos as contas às vezes que o sucedâneo de jornalista Mário Crespo o convidou para o seu circo televisivo - explicando o esforço hercúleo do Governo neste dossier. Tal esforço não foi em vão. Mais de um ano e meio depois, o resultado é... mais uma ida ao bolso dos portugueses. No fim de tudo, de um esforço de poupança anual no valor de 250 milhões de euros prometido pelo Governo, apenas 12 milhões serão recuperados ao lucro dos accionistas. Extraordinário feito! O resto virá dos aumentos no preço das portagens e na introdução de mais pórticos numa série de vias circundantes de Lisboa e do Porto. Sem falar das contrapartidas dadas pelo Governo em troca da redução de 12 milhões, entre elas a passagem da responsabilidade da manutenção das infra-estruturas para o lado do Estado –  alguém poderá contabilizar o que isto significa em termos de encargos financeiros para as gerações vindouras?

Abençoadas "gorduras do Estado" - pelos vistos, esta expressão referia-se às gorduras, ao couro e ao cabelo do médio contribuinte português. Valha-nos o facto de estarmos a contribuir para uma benemérita causa: os prémios dos gestores e os dividendos dos accionistas das concessionárias que vão manter as suas rendas intocadas.» (In blog «Arrastão»)