terça-feira, 30 de abril de 2013

PELA HOLANDA E PELOS HOLANDESES - O PINGO DOCE PAGA OS IMPOSTOS NA HOLANDA, DEVIA SER PROIBIDO FAZER PUBLICIDADE FALSA


A «ÉPICA» BARBÁRIE EM NOME DA DEMOCRACIA PRATICADA POR UMA DEMOCRACIA


OS ALEMÃES NÃO GOSTAM DE RECONHECER OS SEUS ERROS E GOSTAM DE OS ATRUBIR A OUTROS – O CASO BECKENBAUER


Franz Beckenbauer foi jogador de futebol e, actualmente, tem 67 anos e é presidente honorário do Bayern de Munique. Disse ao jornal «Bild» que na tentativa de superar o Bayern o Barcelona, depois de derrotado por 4-0 em Munique «vai usar todos os meios para consegui-lo, legais ou ilegais» no jogo de quarta-feira nem Camp Nou.
Beckenbauer esqueceu-se de que nessa vitória por 4-0 houve quatro graves irregularidades a favor do Bayern:

1)  Premeditadamente, o Bayern deitou uma quantidade «colossal» de água no relvado, para dificultar ao máximo o domínio da bola pelos jogadores do Barcelona. A UEFA, como instituição offshore em relação ao Estado de Direito, colaborou.
2)  O primeiro golo do Bayern foi, claramente, ilegal.
3)  O segundo golo do Bayern foi, claramente, ilegal.
4)  O terceiro golo do Bayern foi, claramente, ilegal.

Critiquei bastante as irregularidades no jogo de 2009 Chelsea 1 - Barcelona 1, também numa meia-final da Liga dos Campeões, em que a verdade desportiva foi espezinhada quando foram perdoados quatro penáltis, claros, contra o Barcelona.
Pelas mesmas razões que critiquei as ilegalidades que favoreceram o Barcelona, critico agora as ilegalidades que prejudicaram o Barcelona. O futebol da UEFA não deve ser a alternância da corrupção, ora a favor ora contra o Barcelona, deve ser, sempre, a verdade desportiva.

PALÁCIO DE BELÉM - DE PALÁCIO DA AMANTE Nº 1 DO REI D. JOÃO V A UMA DAS SEDES DO PSD



segunda-feira, 29 de abril de 2013

A AMEAÇA DOS 4 MIL MILHÕES DE EUROS


Paira sobre a maioria dos portugueses a ameaça de um corte de 4 mil milhões de euros na sua qualidade de vida, por ordem da Alemanha, que provocará uma catástrofe social e económica.

Para se ter uma ideia do que os alemães são capazes é preciso saber o que os alemães fizeram em Auschwitz. Mas não basta, para se ter uma ideia do que os alemães são capazes é preciso imaginar como hoje estaria o Mundo se a Alemanha tivesse ganho a II Guerra Mundial.

domingo, 28 de abril de 2013

PUL KRUGMAN E A VIGARICE DOS PATRONOS DE VÍTOR GASPAR E PASSOS ESPECIALISTAS NA VIGARICE CIENTÍFICA


«La depresión del Excel»
«¿Puede un error en una hoja de cálculo haber destruido casi por completo la economía de Occidente?»

«PAUL KRUGMAN 21 ABR 2013 - 00:01 CET602»
«Archivado en: Opinión Kenneth Rogoff Crisis económica Recortes presupuestarios Recesión económica Coyuntura económica Déficit público Crisis financiera Finanzas públicas Economía Finanzas»

«Recomendar en Facebook16.939
Twittear4.642
Enviar a LinkedIn676»

«En esta era de la información, los errores matemáticos pueden llevar al desastre. La Mars Orbiter de la NASA se estrelló porque los ingenieros olvidaron hacer la conversión a unidades del sistema métrico; el plan de la ballena de Londres de JPMorgan Chase salió mal en parte porque quienes hicieron los modelos dividieron por una suma en lugar de por una media. De modo que, ¿fue un error de codificación de Excel lo que destruyó las economías del mundo occidental? Esta es la historia hasta la fecha: a principios de 2010, dos economistas de Harvard, Carmen Reinhart y Kenneth Rogoff, divulgaron un artículo, Growth in a time of debt (Crecimiento en una época de endeudamiento), que pretendía identificar un umbral crítico, un punto de inflexión, para la deuda pública. Una vez que la deuda supera el 90% del producto interior bruto, afirmaban, el crecimiento económico cae en picado.

Reinhart y Rogoff tenían credibilidad gracias a un libro anterior admirado por todo el mundo sobre la historia de las crisis financieras, y el momento escogido era perfecto. El artículo se publicó justo después de que Grecia entrase en crisis y apelaba directamente al deseo de muchos funcionarios de virar del estímulo a la austeridad. En consecuencia, el artículo se hizo famoso inmediatamente; seguramente era, y es, el análisis económico más influyente de los últimos años.

El hecho es que Reinhart y Rogoff alcanzaron rápidamente un estatus casi sagrado entre los autoproclamados guardianes de la responsabilidad fiscal; la afirmación sobre el punto de inflexión se trató no como una hipótesis controvertida, sino como un hecho incuestionable. Por ejemplo, un editorial de The Washington Post de principios de este año advertía contra una posible bajada de la guardia en el frente del déficit porque estamos “peligrosamente cerca de la marca del 90% que los economistas consideran una amenaza para el crecimiento económico sostenible”. Fíjense en la expresión: “los economistas”, no “algunos economistas”, y no digamos ya “algunos economistas, a los que contradicen enérgicamente otros con credenciales igual de buenas”, que es la realidad.

La elevada deuda de Japón es consecuencia de la crisis, no su causa
Porque lo cierto es que el texto de Reinhart y Rogoff se enfrentó a críticas considerables desde el principio y la controversia aumentó con el tiempo. Nada más publicarse el artículo, muchos economistas señalaron que una correlación negativa entre la deuda y el comportamiento económico no significaba necesariamente que la deuda elevada fuese la causa de un crecimiento lento. Podría ocurrir perfectamente lo contrario, y que el mal comportamiento económico condujese a una deuda elevada. De hecho, este es evidentemente el caso de Japón, que se endeudó enormemente después de que su crecimiento se hundiese a principio de los noventa.

Con el tiempo, surgió otro problema: otros investigadores, usando datos de deuda y crecimiento aparentemente comparables, no fueron capaces de replicar los resultados de Reinhart y Rogoff. Lo habitual era que encontrasen cierta correlación entre la deuda elevada y el crecimiento lento (pero nada que se pareciese a un punto de inflexión en el 90% ni, de hecho, en ningún nivel concreto de deuda).

Finalmente, Reinhart y Rogoff permitieron que unos investigadores de la Universidad de Massachusetts analizasen la hoja de cálculo original; y el misterio de los resultados irreproducibles se resolvió. En primer lugar, habían omitido algunos datos; en segundo lugar, emplearon unos procedimientos estadísticos poco habituales y muy cuestionables; y finalmente, sí, cometieron un error de codificación de Excel. Si corregimos estos errores y rarezas, obtenemos lo que otros investigadores han descubierto: cierta correlación entre la deuda elevada y el crecimiento lento, sin nada que indique cuál de ellos causa qué, pero sin rastro alguno de ese umbral del 90%.

En respuesta a esto, Reinhart y Rogoff han admitido el error de codificación, han defendido sus demás decisiones y han afirmado que nunca aseguraron que la deuda provoque necesariamente un crecimiento más lento. Esto es un tanto insincero porque repetidamente dieron a entender esa idea aunque evitasen formularla expresamente. Pero, en cualquier caso, lo que realmente importa no es lo que quisieron decir, sino el modo en que se ha interpretado su trabajo: los entusiastas de la austeridad anunciaron a bombo y platillo que ese supuesto punto de inflexión del 90% era un hecho probado y un motivo para recortar drásticamente el gasto público incluso con un paro elevadísimo.

Este fiasco debe situarse en el contexto más amplio de la obsesión por la austeridad.
Por eso debemos situar el fiasco de Reinhart y Rogoff en el contexto más amplio de la obsesión por la austeridad: el evidentemente intenso deseo de los legisladores, políticos y expertos de todo el mundo occidental de dar la espalda a los parados y, en cambio, usar la crisis económica como excusa para reducir drásticamente los programas sociales.

Lo que pone de manifiesto el asunto de Reinhart y Rogoff es la medida en que se nos ha vendido la austeridad con pretextos falsos. Durante tres años, el giro hacia la austeridad se nos ha presentado no como una opción sino como una necesidad. Las investigaciones económicas, insisten los defensores de la austeridad, han demostrado que suceden cosas terribles una vez que la deuda supera el 90% del PIB. Pero las investigaciones económicas no han demostrado tal cosa; un par de economistas hicieron esa afirmación, mientras que muchos otros no estuvieron de acuerdo. Los responsables políticos abandonaron a los parados y tomaron el camino de la austeridad porque quisieron, no porque tuviesen que hacerlo.

¿Servirá de algo que se haya hecho caer a Reinhart y Rogoff de su pedestal? Me gustaría pensar que sí. Pero preveo que los sospechosos habituales simplemente encontrarán algún otro análisis económico cuestionable que canonizar, y la depresión no terminará nunca.»

«Paul Krugman es profesor de Economía de Princeton y premio Nobel 2008.»

«Traducción de News Clips.» (In «El País» net)

O GRANDE ESTADISTA DA MESQUINHEZ E DA INTRIGA


O jornal «Expresso» foi o jornal oficioso de todas as campanhas presidenciais de Cavaco Silva, classificando-o como um grande estadista. É realmente o grande estadista da mesquinhez e da intriga.
Paradoxalmente, foi no jornal «Expresso» que surgiu um texto sobre o carácter deste grande estadista da mesquinhez e da intriga.

«O conspirador da Mariani queria lá saber do FMI
Cavaco Silva fez a vida negra aos governos da AD de Pinto Balsemão em 1981 e 1982,  um ano antes da assinatura de mais um pacote de ajuda do FMI a Portugal (o primeiro tinha sido em 1978).
Os executivos Balsemão tinham uma maioria no Parlamento mas Cavaco não se importou com isso. 
Conspirou, escreveu cartas abertas, fez reuniões secretas no Banco de Portugal, na sua vivenda algarvia Mariani (de Maria e Anibal). Até em traineiras de pesca com sardinhada ao almoço conspirou.
Destruiu mas nunca apresentou alternativas. Na hora da verdade, não apresentava listas nos órgãos nacionais do PSD.
Contribuiu fortemente para a instabilidade política, que levou os governos Balsemão à queda, e nesta medida, é também responsável pela degradação na altura das condições económicas do país e pelo recurso inevitável ao FMI para se evitar a bancarrota.  
Em Fevereiro de 1983, com o PSD em fanicos e o país aflito, a três meses de ser resgatado, Cavaco nem se dignou ir ao Congresso laranja de Montechoro. Preferiu ficar no bem-bom da Mariani, a 200 metros da assembleia magna do PSD.
Nem quis participar na campanha para as eleições de 25 de Abril de 1983.
Durante o governo do Bloco Central, entre 1983 e 1985, Cavaco recusou negociar enquanto quadro do Banco de Portugal com as equipas do FMI que estiveram no país.
Quando Mota Pinto lhe pediu para expor, num Conselho Nacional do PSD,  a politica económica do governo, primeiro não quis e depois acabou por fazer um discurso muito crítico para a política do governo, que fez tremer o executivo e ameaçou o  cumprimento do programa de assistência internacional.     
De vez em quando Cavaco dava apoio mitigado à direcção do PSD, fazendo jogo duplo com Mota Pinto e o governo do Bloco Central. Tinha o único objectivo de se manter à tona, à espera do melhor momento para aparecer, após os outros terem feito o trabalho difícil da recuperação do país.
Em 1985 chegou essa hora. Venceu o Congresso da Figueira da Foz e rompeu o acordo do Bloco Central, o que conduziu à realização de eleições antecipadas que já sabia que ia ganhar, esmagando o PS com a ajuda de Ramalho Eanes e do seu novo PRD.
É este homem, hoje Presidente da República, que fala no 25 de Abril na necessidade imperiosa de acabar com a crispação política,  gerando consensos e "condições estruturais de governabilidade" para evitar um segundo pacote de resgate e critica quem explora "politicamente a ansiedade e a inquietação dos nossos concidadãos"...» (Paulo Gaião in jornal «Expresso» net) 

OS COMPADRES DA ESPIRAL RECESSIVA


Cavaco Silva «o génio da banalidade» da mesquinhez e da intriga tornou-se fervoroso apoiante da espiral recessiva criada pelo governo PSD-CDS-Troika, no discurso que fez em 25 de Abril de 2013.
Condena a oposição que critica a caminhada para o abismo que o governo de Passos Coelho, com o ministro das Finanças da Troika Vítor Gaspar, está a arruinar Portugal, um país onde Vítor Gaspar age como estrangeiro.
Cavaco Silva, Passos Coelho e Vítor Gaspar querem empobrecer ainda mais a maioria dos portugueses e querem destruir a esperança. Estes indivíduos, na prática, o que querem são falências de empresas, desemprego em aumento perigoso, empobrecimento da maioria dos portugueses.
O Congresso do Partido Socialista que está a decorrer não traz grandes novidades, visto que é para confirmar a liderança de António José Seguro. No entanto, é bom recordar que é urgente a queda deste governo de traidores. Mesmo quem não aprecia muito António José Seguro, deve lembrar-se que para Portugal sair da caminhada para o abismo é necessário que Passos Coelho caia.
A espiral recessiva é muito perigosa, porque destrói a economia.
O objectivo da política honesta é desenvolver a economia para aumentar a qualidade de vida dos cidadãos.
Como aqui já referi muitas vezes a criação da moeda euro sem Banco Central foi um acto colectivo perigoso. O «BCE» é um falso Banco Central. A moeda euro não devia ter entrado em circulação sem um Banco Central verdadeiro, semelhante à Reserva Federal dos Estados Unidos. Entrou em circulação pela porta errada.
A crise de Portugal é a crise da Zona Euro. Mas, Portugal não ganha nada em ter um governo de traidores como o actual. Portugal precisa de um governo que defenda os interesses da maioria dos portugueses.

sábado, 27 de abril de 2013

UM OLHAR OBJECTIVO SOBRE O 25 DE ABRIL DE 1974 E A III REPÚBLICA



Dos textos que encontrei na internet sobre o 25 de Abril de 1974 e a III República de Portugal este de Baptista-Bastos parece-me muito clarificador.

«A memória inapagável

(Aos sobreviventes)

Naquele ano de 1973 almoçávamos, todas as quartas-feiras, Álvaro Guerra, Álvaro Belo Marques e eu num pequeno restaurante, o Andorinhas, de que era proprietário um antigo tipógrafo, Agostinho, sempre sorridente e afável. O jornal "República" modernizara-se, com a entrada de dinheiro novo, procedente da Alemanha Federal, e o patrocínio do grupo socialista de Mário Soares. Guerra desempenhava, no "República", uma espécie de funções de redactor-principal, e Belo Marques o de director-geral. Eu trabalhara, em 1963-64, no velho baluarte republicano, dirigido por Carvalhão Duarte, e cuja redacção era chefiada por Artur Inez. Ligava-me, ao vespertino, laços sentimentais, e assisti, com entusiasmo, ao rejuvenescimento criador dos novos jornalistas. Ainda hoje recordo, com emoção e orgulho, o jornal que representava algo de simbólico na luta, desigual e insana, contra o fascismo.

Naqueles tempos, trabalhava, desde 1965, no "Diário Popular" e, não só ao almoço mas durante os finais de tarde, gostava muito de beber umas e outras com os meus camaradas do "República." Certo dia, Álvaro Guerra (mais tarde nosso embaixador na Suécia) sussurrou-me que tinha "umas coisas" para me revelar. Soube, então, que se preparava, ainda incipientemente, um movimento militar contra o regime. Não queria conhecer pormenores, e fui dizendo ao meu amigo que tinha o "pé frio": envolvera-me em algumas conspirações, muitas delas perigosíssimas, e tudo falhara. "Pé frio" = azar. Desta vez, ficava de fora. Aliás, preparava-me para me exilar no estrangeiro: tinha dois filhos (o terceiro nasceria em Outubro de 1975) e queria evitar mandá-los para uma guerra tão absurda quanto inútil. "Mas olha que, desta vez, as coisas têm outro peso", disse-me ele. Pois sim. A guerra fria estava no auge, e a guerra colonial era um capítulo, capítulo bestial e sangrento, dessa guerra entre dois sistemas de mundo.

Continuámos nos almoços; em Novembro viajei para a Alemanha e para a Bélgica, ao serviço do "Diário Popular", o Álvaro Guerra disse-me: "Quando estiveres na Bélgica, nesse dia, estarão reunidos os nossos amigos, numa quinta no Alentejo. Encolhi os ombros, incrédulo e distante. O meu cepticismo era inarredável em mim, há anos sempre tão exuberante e, até, excessivo. Os dias foram varando as semanas e os meses; companheiros e camaradas meus eram presos por delito político; as mortes na guerra colonial acentuavam-se; desertores e refractários exilavam-se; os nossos jovens eram empurrados pelos senhores do mando para uma fatalidade inexorável.

"Salta da cama, Bastos, a revolução está na rua!" O telefonema de Abel Pereira assustou-me e inquietou-me. Sabia-se, nas redacções dos jornais, que um contra-golpe, dirigido por Kaulza de Arriaga, se preparava a fim de obstar às tentativas de rebelião dos milicianos. Era o que se murmurava. Mas a pressão atingira o insuportável. Foi quando o Abel, subchefe da redacção do "Popular" me avisou: "Liga para o Rádio Clube Português!" Afinal, as confidências do Álvaro Guerra sempre se confirmavam.

Trinta e nove anos depois de Abril, que resta do "dia inicial inteiro e limpo"? Cantado por Sophia. A vitória de um capitalismo que se não confronta com nada; o regresso dos ódios ancestrais à Alemanha; a traição dos partidos socialistas; o retorno da violência nazi-fascista; a escassa força do comunismo; o recrudescimento de uma arrogância da chamada elite dominante (atente-se nas declarações dos banqueiros) que julgávamos definitivamente arredado do nosso horizonte. A Europa, dominada pelo Partido Popular Europeu, onde se acoitam as expressões mais hediondas da extrema-direita, e da direita encolhida, impõe normas violentíssimas aos países sob tutela. Portugal está entre as baias de uma política desordenada e sem direcção. O grupo do PSD, que trepou ao poder nos andaimes da mentira, da omissão e do desprezo, não passa de uma enunciação sórdida do que de mais suportável existe. Resta-nos a força de não-querer, a energia que advém da nossa história de resistentes. E nunca esquecer de que o 25 de Abril existiu, embora estes que tais desejem apagá-lo.» («Baptista-Bastos in «Jornal de Negócios» net)

sexta-feira, 26 de abril de 2013

CAVACO SILVA DEMITIU-SE DE PRESIDENTE DE TODOS OS PORTUGUESES


Cavaco Silva «o génio da banalidade» e da mesquinhez no discurso de 25 de Abril de 2013 atacou, violentamente, a oposição e os portugueses que protestam na rua contra o sofrimento que o governo PSD-CDS-Troika-Cavaco Silva lhes inflige por fanatismo, sadismo e pura estupidez.
Nas sondagens o PSD e o CDS juntos têm menos de 50% dos votos, pelo que já representam uma minoria da população. Cavaco Silva já só é presidente dessa minoria.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

25 DE ABRIL DE 2013


A Ditadura iniciada pelos militares em 1926, foi dominada por Salazar, que tinha sobre a secretária um retrato do inventor e fundador do fascismo Benito Mussolini.
A ditadura foi formalizada na Constituição de 1933, inspirada nos princípios base do fascismo italiano.
Embora Salazar fosse monárquico como Mussolini, não teve força suficiente para acabar coma República, mantendo o hino nacional e a bandeira da I República. O chefe do Estado era o presidente da República.
A Ditadura de Salazar tinha um Campo de Concentração em Cabo Verde, onde foram torturados e assassinados muitos opositores. Salazar participou na II Guerra Mundial ao lado de Hitler, mandando militares «voluntários», para a Divisão Azul da Werhmacht. Na Divisão Azul da Wehrmacht foram integrados os militares portugueses juntamente com os militares espanhóis da Ditadura de Franco.
A polícia política de Salazar era a PIDE, baptizada de DGS por Marcelo Caetano.
A PIDE/DGS torturava e assassinava os opositores.
Por ordem directa de Salazar não escrita a PIDE assassinou o general da Força Aérea Humberto Delgado, que se destacou como candidato da oposição às eleições presidenciais.
Os militares que impuseram a Ditadura em 1926, acabaram com ela em 25 de Abril de 1974 e fundaram a III República, formalizada na Constituição de 1976.
O golpe de Estado militar de 25 de Abril de 1974 teve como comandante operacional o major Otelo Saraiva de Carvalho e teve como base de sustentação os capitães do quadro permanente. Para o sucesso do golpe de Estado contribuiu a oposição clandestina que influenciou muito os militares, não só do quadro como também os que eram obrigados a cumprir serviço militar.
Na oposição clandestina à Ditadura destacou-se o Partido Comunista Português (PCP) a instituição oposicionista mais bem organizada. Também fizeram parte da oposição à Ditadura grupos maoistas e trotskistas e ainda, na parte final da Ditadura, o Partido Socialista e católicos de esquerda.
A seguir ao golpe de Estado, muito bem sucedido, seguiu-se uma revolução social contra a alta burguesia. Muitos elementos da alta burguesia fugiram para o Brasil.
Tal como previa o programa inicial do Movimento das Forças Aramadas (MFA) foi formalizada uma Democracia de modelo europeu ocidental, com muitas semelhanças com a V República da França.
O actual presidente da III República, Aníbal Cavaco Silva, foi colaboracionista com a Ditadura de Salazar e de Marcelo Caetano.
Sem dúvida nenhuma que é muito melhor viver em Democracia que em Ditadura. No entanto, numa perspectiva de longa duração, o domínio de Portugal pela alta burguesia que existia na Ditadura de Salazar, persiste na Democracia.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

A REVOLUÇÃO DE 25 DE ABRIL DE 1974 E OS BRANDOS COSTUMES DOS PORTUGUESES


O rei D. Carlos I suspendeu a Constituição de 1826 (mais conhecida por Carta Constitucional de 1826, outorgada pelo rei D. Pedro IV). No dia 1 de Fevereiro de 1908 o rei de Portugal D. Carlos I foi assassinado pelos republicanos, assim como o herdeiro do trono D. Luís Filipe.
Subiu ao trono D. Manuel II que repôs em vigor a Constituição de 1826 e tentou a «acalmação».
No dia 5 de Outubro de 1910 foi implantada a I República de Portugal.
O presidente da I República Sidónio Pais impôs uma Ditadura e foi assassinado pelos republicanos, em 14 de Dezembro de 1918.
O primeiro-ministro em funções na I República António Granjo foi assassinado em 20 de Outubro de 1921, por uma facção republicana. Em menos de década e meia os portugueses assassinaram um rei, um presidente da República e um primeiro-ministro. Não me parece que os portugueses sejam de brandos costumes.
Em 28 de Maio de 1926 foi imposta uma Ditadura militar, através de um golpe de Estado.
A figura central da Ditadura foi Salazar, mas é preciso não esquecer que se tratava de uma Ditadura iniciada pelos militares e apoiada sempre pelos militares.
Em 25 de Abril de 1974 a mesma instituição que iniciou a Ditadura em 1926 virou-se contra ela e a Ditadura caiu como um castelo de areia. Os militares impuseram a Ditadura em 1926, os militares decidiram acabar com ela em 25 de Abril de 1974.
A queda da Ditadura deu origem a uma revolução que assustou de tal maneira a alta burguesia, que a maior parte dos elementos desta classe fugiu para o Brasil, como António Champallimaud e a família Melo. As famílias Champalimaud e Melo eram as famílias mais poderosas da alta burguesia e as duas famílias da alta burguesia que mais apoiaram a Ditadura.
A institucionalização da III República sob a liderança política de Mário Soares socialmente optou por ser uma continuação da Ditadura de Salazar, porque como diziam os dirigentes do PS, o domínio social da alta burguesia que existia no tempo de Salazar era inevitável também na III República, era uma inevitabilidade.
Em 2013 a alta burguesia domina o Mundo, não é só Portugal.
A António Champallimaud foi dado um banco pela classe política dirigente da III República.
A III República, em termos sociais é uma continuação da Ditadura de Salazar – quem mandava na Ditadura de Salazar socialmente era a alta burguesia, quem manda na III República socialmente é a alta burguesia.
Na II República, primeiro classificada oficialmente de Ditadura e depois de Estado Novo, a alta burguesia era dona de Portugal. Na III República, em 2013, a alta burguesia é dona de Portugal.
O domínio da alta burguesia na III República tem normas que dão mais direitos aos trabalhadores, mas esse domínio da alta burguesia é esmagador como era na Ditadura de Salazar. E as patifarias que fazem aos trabalhadores na III República são muito severas.
Numa perspectiva de longa duração, sob o ponto de vista social a III República é uma continuação da Ditadura de Salazar e representa a «modernização» da alta burguesia. Os mitos associados ao 25 de Abril de 1974 são mitos, a realidade é que a alta burguesia continua no seu pedestal.
A severidade da opressão da alta burguesia sobre o resto da sociedade é tal, em 2013, que os chamados brandos costumes dos portugueses, que como vimos nunca foram brandos mas um mito, podem conduzir a «branduras» como as que aconteceram ao rei D. Carlos I, ao presidente da I República Sidónio Pais e ao primeiro-ministro da I República António Granjo.

UM GOVERNO DE VIGARISTAS É UM GOVERNO DE VIGARISTAS PSD-CDS-TROIKA


«Fica aqui a reacção de Santana Castilho, especialista em educação e cronista do Público, à entrevista pejada de mentiras que Nuno Crato deu à RTP:»
 «"Reajo, a quente e indignado, a uma entrevista que acabo de ver em directo, na RTP1, no Telejornal das 20.00. Nuno Crato pode revogar autocraticamente o programa de Matemática para o ensino básico. Porque a Lei não tipifica o crime pedagógico. Pode asnear em público, porque a asneira é livre. Pode escravizar os professores, até que eles consintam. Pode ir mais ao bolso dos pais, se eles não reagirem. Mas não mente sem pudor, nem manipula a opinião pública com descaro, porque eu não deixo. Por dever cívico.
Crato disse que o programa que anulou estava datado e era antigo. Crato mentiu. Pode não gostar dele, mas não pode apagar a actualidade científica e pedagógica que o informa. Datadas e ridículas são as metas que tem parido. As de Matemática, as de Português, as de História, todas. Bafientas. Exalando naftalina. Inaplicáveis. Inúteis, como ele.

Questionado pelo jornalista quanto ao êxito, internacionalmente reconhecido, dos nossos resultados em Matemática, Crato disse que estávamos a ser comparados com os medíocres e continuávamos abaixo da média. Crato mentiu. Fomos 15º em 50 países. Ficámos muito acima da média. Fomos o país do mundo que mais progrediu nos resultados em Matemática. Ultrapassámos a Alemanha, Irlanda, Áustria, Itália, Suécia, Noruega e Espanha, entre outros. É intelectualmente desonesto dizer o que Crato disse.

Falando da palhaçada do concurso que tem em mãos, Crato recordou que em 2009 abriram 30.000 vagas, para entrarem poucos mais que 300 professores. Crato mentiu. Foram cerca de 20.000 as vagas de 2009. Quanto aos que vão entrar agora … veremos, adiante, o logro que está a congeminar.

Interrogado sobre os manuais que irão para o lixo e sobre as actividades de enriquecimento curricular que os pais passarão a pagar, Crato foi artista e saiu de fininho, como um vulgar cínico.

Parafraseando Almada-Negreiros, o Crato é um soneto dele próprio! Deplorável!"» (Cit in blog «Arrastão»)

LANCE ARMSTRONG E O CRIME ORGANIZADO NO DESPORTO


Li os títulos dos jornais desportivos portugueses «A Bola», «Record» e «O Jogo» e fiquei convicto que marcar três golos ilegais é uma goleada, para os jornalistas destes jornais e respectivas direcções. E li os comentários. É uma goleada marcar três golos ilegais, para quem assume que na UEFA temos crime organizado.

E é preciso não esquecer que os alemães, com a conivência da UEFA, fizeram sabotagem premeditada – encharcaram o relvado de água, com a clara intenção de prejudicarem os jogadores do Barcelona, muito melhores no domínio de bola que os alemães e os estrangeiros por eles contratados. Transformaram o relvado num pântano, no pior sentido do conceito.
É mais criminoso marcar três golos ilegais ao Barcelona numa meia-final da Liga dos Campeões do que o doping de Lance Armstrong numa volta à França, porque o caso de Lance Armstrong é um crime individual e o caso dos três golos ilegais do Bayern é Crime Organizado, é Crime Colectivo.
Os mesmos que criticam os crimes desportivos de Lance Armstrong elogiam os CRIMES DESPORTIVOS DA UEFA.

terça-feira, 23 de abril de 2013

OS EQUÍVOCOS DA UEFA - ALTA CORRUPÇÃO PARA TODO O MUNDO VER, ALTA CORRUPÇÃO «URBI ET ORBI»


Em 2009 forma perdoados 4 penáltis ao Barcelona que seriam a favor do Chelsea, em Londres, na meia-final da Liga dos Campeões.
Hoje estive a ver o jogo Bayern de Munique – Barcelona e fiquei estupefacto com o que vi e gravei.
O primeiro golo do Bayern é produto de uma falta boçal. Dentro da grande área do Barcelona, um jogador do Bayern agarrou, imobilizou um jogador do Barcelona e apoiou-se nele para cabecear, para o jogador que marcou o golo, absolutamente ilegal.
No segundo golo do Bayern o avançado Mário Gomez estava em offside escandaloso e marcou outro golo ilegal.
No terceiro golo do Bayern um defesa do Barcelona foi empurrado de maneira grosseira, falta que permitiu um terceiro golo ilegal.
O quarto golo do Bayern foi legal.
A indigência intelectual e a boçalidade dos comentadores, que ouvi na TVI, surpreendeu-me.
Que grande vitória é essa com os 3 primeiros golos, claramente, ilegais???!!!!!!!!!!


Três golos ilegais seguidos num jogo da meia-final da Liga dos Campeões  de futebol da Europa é uma grande goleada ou um colossal caso de corrupção e infâmia? É óbvio que é um colossal caso de corrupção.


Marcando golos ilegais qualquer equipa ganha.
Já no jogo Dortmund – Málaga foram marcados dois golos ilegais contra o Málaga.
O Barcelona tem sido favorecido por arbitragens desonestas. Mas sofrer 3 golos, claramente ilegais, tem algum sentido?
Onde tem estado e para onde vai a UEFA?!
A UEFA é um offshore em relação ao Estado de Direito, é uma organização fora da lei.


«Três dos objetivos do Bayern são ilegais
1447
04/23/13 22:28
Os três primeiros gols para Bayern não deve entrar no placar , como Andujar Oliver, nosso especialista em arbitragem. No 1-0 's falta de Dante , que foi apoiado por Alves, pouco antes do leilão de Müller, e o 2-0 devido apito de impedimento Mario Gomez . No 3-0 Robben, Müller bloqueado para Jordi Alba.» (In jornal «Marca» net)

DÚVIDAS METÓDICAS E INCONVENIENTES SOBRE OS ATENTADOS DE BOSTON

OS ALEMÃES PERDERAM A GUERRA


«A chanceler alemã Angela Merkel rejeitou esta segunda-feira a ideia de que a Alemanha procura exercer, de alguma forma, uma hegemonia sobre a UE, prometendo procurar o consenso entre os seus parceiros.

"A Alemanha tem por vezes um papel complicado porque nós somos a maior economia europeia (...) Mas a Alemanha agirá unicamente em concertação com os seus parceiros.» (In «DN» net)

Ângela Merkel até tem razão, parcialmente, a Alemanha actual tem menos de metade do III Reich de Adolf Hitler. A hegemonia ou domínio factual da Alemanha na União Europeia e sobretudo na Zona Euro deve-se ao facto de ter alguns Estados satélites e sobretudo à incompetência e traição dos líderes das maiores economias da Zona Euro, depois da Alemanha que são a França e a Itália.
A soma do PIB nominal da França e da Itália foi de 4.975.054 milhões de dólares (USD) em 20011. As economias juntas da França e da Itália valem muito mais que a economia da Alemanha. A área da França (não são contabilizadas as colónias) é de 551.695 Km2 e a população de cerca de 63.460.000 habitantes (não são contabilizadas as colónias). A área da Itália é de 301.338 Km2 e a população de cerca de 59.530.464 habitantes.
O PIB nominal da Alemanha foi de 3.577.031 milhões de dólares (USD) em2011. A área da Alemanha é de 357.121 Km2 e a população cerca de 82.029.000 habitantes. Os dados do PIB são os fornecidos pelo FMI.
Como pudemos constatar o domínio da Alemanha na União Europeia e especialmente na Zona Euro é um domínio consentido, sobretudo pela estupidez dos dirigentes da França e da Itália.

LugarPaísPIB
(milhões de USD)
 Mundo69 659 626
 União Europeia17 577 691
1 Estados Unidos15 094 025
2 China7 298 147
3 Japão4 992 908
4 Alemanha3 577 031
5 França2 776 324
6 Brasil2 569 471
7 Reino Unido2 417 570
8 Itália2 198 730

DOPING E AUSÊNCIA DE CONTROLE ANTI-DOPING NO FUTEBOL DE PORTUGAL


«Walter Casagrande confessa que se dopou no FC Porto

Em entrevista ao Programa do Jô, da TV Globo, Walter Casagrande falou da carreira de futebolista, do consumo de drogas e das substâncias dopantes que foi aconselhado a tomar quanto chegou ao FC Porto, na época 1986/87.

«Usei umas quatro vezes. É uma situação que me envergonha, o que menos gosto de lembra. Atrapalha-me muito mais do que pensar em todas as drogas que tomei. Era injetado e dava uma disposição acima do normal. Controlo antidoping? Não havia», disse.» (In jornal «A Bola» net)


O SINDICALISMO ANTI-OPERÁRIO OU A UGT PORTUGUESA


É uma verdade inconveniente, mas a UGT é uma Central Sindical anti-operária.
A UGT de João Proença assinou o despedimento sem justa causa, o fulcro da insegurança de todos os assalariados. Causa-me repugnância uma Central Sindical cuja existência é, exclusivamente, para sancionar patifarias contra os trabalhadores.
Lembro-me de Torres Couto o indivíduo que se serviu da UGT para enriquecer, acabando por se tornar milionário pela via sexual, deixando a mulher e casando depois com outra, a tal outra filha de um milionário. O amor ao dinheiro foi o maior amor da vida de Torres Couto.
Agora saiu o engenheiro João Proença. Esteja quem estiver à frente da UGT está lá, exclusivamente, para sancionar as políticas anti-operárias.



segunda-feira, 22 de abril de 2013

PORTUGAL GOVERNADO POR ALDRABÕES BASEADOS EM ESTUDOS DE ALDRABÕES


«À semelhança de vários outros políticos na Europa e nos Estados Unidos, Vítor Gaspar e Carlos Costa usaram as conclusões do agora polémico estudo de Kenneth Rogoff e Carmen Reinhart como argumento para a aplicação de políticas de austeridade que reduzam rapidamente a dívida pública.

O estudo – publicado em 2010 e intitulado Growth in a time of debt (Crescimento num tempo de dívida) – conclui que os países com dívidas públicas acima de 90% do PIB registam taxas de crescimento bastante mais baixas. Tem sido, nos últimos três anos citado com muita frequência para justificar a necessidade de os países avançarem para políticas ambiciosas de consolidação orçamental. No entanto, três economistas detectaram recentemente erros nos cálculos efectuados por Rogoff e Reinhart, incluindo uma falha na folha de cálculo de Excel que retirou das conclusões do estudo três países.

Em Portugal, um país que nos últimos anos tem sido palco de uma política de forte austeridade, o estudo de Rogoff e Reinhart também fez parte das leituras dos governantes. O ministro das Finanças, por exemplo, referiu o trabalho de investigação em causa numa intervenção pública realizada em Berlim no dia 21 de Novembro de 2012 para defender precisamente a ideia de que “uma dívida pública alta pode baixar o crescimento económico”, como mostra a apresentação em powerpoint do discurso disponível na página de internet do Governo.
(…)
O governador do Banco de Portugal, por sua vez, também tem citado o estudo em causa em diversas ocasiões. Numa intervenção realizada em Abril de 2011, afirmou, ao falar dos elevados níveis de dívida pública atingidos em Portugal, que “a situação é agravada pelo facto do nível de endividamento atingido constituir ele próprio um entrave ao crescimento”.» (In jornal «Público» net)

A austeridade aldrabona e «científica» NUNCA convenceu NINGUÉM fora da área ideológica de Vítor Gaspar e compadres.
Para as pessoas fora da área ideológica de Vítor Gaspar os argumentos de Vítor Gaspar sempre foram os argumentos de um traidor, muito bem classificado na Irlanda de Vítor Gaspar ministro das Finanças da Troika.
Esta destruição de empresas e de postos de trabalho que Vítor Gaspar tem andado a fazer tem que ser travada o mais cedo possível. Vítor Gaspar, na qualidade de ministro das Finanças do Troika faz o que interessa à Troika, não fez  nem faz o que interessa a Portugal.

domingo, 21 de abril de 2013

O EIXO DO MAL DA SIC NOTÍCIAS – UM OLHAR CRÍTICO


Tenho visto com uma certa regularidade o programa humorístico «O eixo do mal» da «SIC Notícias», em que há um comentador muito direitista, depois há um votante no PSD, mas que discorda com Passos Coelho, um elemento ex-Bloco de Esquerda e uma mulher cujo nome pouco interessa, que na prática é quem mais defende o governo PSD-CDS-Troika, mais ainda que o tal elemento muito direitista. Ela sempre defende o ponto fulcral do programa do governo PSD-CDSD-Troika que é o discurso da inevitabilidade, o discurso do não há alternativa. Acaba sempre por dizer, ou acabou em todos os programas que eu vi que não há alternativa, que não há alternativa. Diga o que disser esta comentadora acaba sempre por concluir que não há alternativa e alinha com Ângela Merkel quando afirma que os portugueses são os culpados de todas as desgraças que lhes acontecem e, presumo, ainda ao resto do Mundo, melhor os portugueses e os gregos.

sábado, 20 de abril de 2013

O FIM, FACTUAL, DA UNIÃO EUROPEIA JÁ OCORREU


A União Europeia enquanto conjunto de Estados com a intenção de se ajudarem uns aos outros para melhorarem a qualidade de vida de todos já não existe, mas é que já não existe mesmo.
«Ajuda da União Europeia» significa ajuda para levar à falência o maior número possível de empresas, ajuda para aumentar o mais possível o desemprego, ajuda para empobrecer as classes médias e as outras abaixo, ajuda para porem milhões de pessoas a passarem fome, ajuda para tirarem a mínima hipótese de esperança à maioria dos habitantes dos países «ajudados pela União Europeia».
Li um texto do ex-elemento da extrema-esquerda e dirigente estudantil do Maio de 68 em França, Daniel Cohn-Bendit, sobre a crise da União Europeia. A ideia com que fiquei é que estes políticos do passado estão completamente ultrapassados e agarram-se a conceitos da propaganda da NATO do tempo da Guerra Fria, e não vêem ou fazem que não vêem o óbvio, como a NATO se tornou numa organização criminosa, segundo os conceitos usados nos Julgamentos de Nuremberga, que se dedica ao saque de petróleo, ao rapto, à tortura, ao assassinato precedido de tortura, a condenações à morte sem julgamento e às respectivas execuções. Grande parte dos países da NATO pertence à União Europeia. Essa ideia de que os países da União Europeia respeitam os Direitos Humanos é totalmente falsa, a não ser que consideremos «Direitos Humanos» o direito de praticar raptos, torturas e assassinatos precedidos de tortura, e ainda condenações à morte sem julgamento e respectivas execuções.
A política de Ângela Merkel na Zona Euro, com a cumplicidade do novo Pétain francês chamado François Hollande, é GUERRA, é mesmo GUERRA.
O general alemão Clausewitz (1780 —1831) escreveu o livro «Vom Kriege» (Da Guerra)  onde diz que «a guerra é a continuação da política por outros meios». O objectivo da guerra é matar, ferir e humilhar os inimigos, fazê-los capitular, e tirar daí benefícios. A política de Ângela Merkel é a continuação da II Guerra Mundial por outros meios. O que Ângela Merkel está a fazer à Grécia e a Chipre é muito semelhante ao que Adolf Hitler fez à Grécia e a Chipre.

POLÍCIAS DOS ESTADOS UNIDOS ATRIBUEM ATENTADOS TERRORISTAS DE BOSTON A DOIS TCHETCHENOS


As polícias dos Estados Unidos atribuem os atentados terroristas de Boston a dois tchetchenos, um dos quais foi morto e outro está detido, gravemente ferido.
Falta saber se o prédio onde os familiares destes dois tchetchenos vivem, na Tchetchénia, vai ser arrasado por drones (aviões não tripulados), prática corrente relativamente a familiares de suspeitos de terrorismo, desde George W Bush, mantida por Barack Obama.

ISRAELITAS APLICAM AOS PALESTINIANOS PRÁTICAS QUE OS ALEMÃES APLICAVAM AOS JUDEUS EM AUSCHWITZ


'Israel injects Palestinian prisoners with dangerous viruses'
Israeli troops arrest a Palestinian youth at the Shuafat refugee camp in al-Quds in February 2010.
Israeli troops arrest a Palestinian youth at the Shuafat refugee camp in al-Quds in February 2010.
Sat Apr 20, 2013 12:35AM GMT
32
3132
 
398
 
Share | Email | Print
Saqa also said many of the prisoners are suffering from mysteriously incurable diseases such as bladder cancer and liver disorders.
The Israeli regime injects Palestinian prisoners in Israeli jails with “dangerous viruses” before releasing them, a report says.


“A Palestinian released from Israeli jails, Rania Saqa, has brought to light that the Israeli regime injected detainees that are out of prisons with dangerous viruses,” Russian daily Komsomolskaya Pravda wrote on Friday.

Saqa also said many of the prisoners are suffering from mysteriously incurable diseases such as bladder cancer and liver disorders.

She said it is a standard procedure for Israelis to inject Palestinian detainees before freeing them.

“Most former inmates die after being released from Israeli jails,” the newspaper wrote.

Palestinian prisoners are calling on international organizations to take urgent action to stop this.

A rights organization has accused Israel of using Palestinian prisoners to test new drugs.

The International Solidarity for Human Rights Institute said such conduct blatantly contradicts moral and medical principles.

According to human rights group B'Tselem, more than 4,700 Palestinian prisoners, including about 170 administrative detainees, are currently being held in Israeli prisons.

Administrative detention is a sort of imprisonment without trial or charge that allows Israel to incarcerate Palestinians for up to six months. The detention order can be renewed for indefinite periods of time. 

A DESILUSÃO EUROPEIA


A União Europeia tornou-se a Desunião Europeia e depois a Desilusão Europeia.
União Europeia - Zona Euro, significa falências em larga escala, desemprego em larga escala, empobrecimento em larga escala, fome em larga escala, recessão em larga escala. O sonho da União Europeia tornou-se um pesadelo terrível para muitos milhões de pessoas.
Se nada for feito para mudar o rumo dos acontecimentos a moeda euro vai implodir, é uma questão de tempo.
Parece-me que o federalismo será um passo no escuro perigosíssimo. Parece-me correcto uma Confederação Europeia como alternativa ao perigoso federalismo.

sexta-feira, 19 de abril de 2013

PORTUGAL EM TEMPO DE DESILUSÃO


«Mensagem da Associação 25 de Abril

Foi há 39 anos que o Movimento das Forças Armada concretizou o derrube da mais velha ditadura da Europa. A luta de muitos portugueses contra a tirania, a opressão e o obscurantismo, culminou nessa radiosa jornada de 25 de Abril de 1974, que nos lançou na mais extraordinária aventura que um povo pode viver: construir um país novo, recuperar do atraso em que o haviam colocado, fazer um Estado Democrático e de Direito, reconhecer o direito à autodeterminação e independência de povos colonizados, retirar Portugal do isolamento internacional em que os ditadores o mantinham, inserir-se numa Europa onde o Estado Social garantia há mais de trinta anos uma situação de paz, progresso, bem-estar e justiça social.

Foi o tempo de todas as esperanças, convictos de que se caminhava numa estrada com sentido único, ao encontro de uma sociedade verdadeiramente livre e justa.
Hoje, envolvidos numa enorme crise, damo-nos conta de que não há conquistas irreversíveis, de que é sempre possível o regresso dos fantasmas, de que os tiranos estão permanentemente disponíveis para subjugar os povos que se descuidam e não se protegem eficazmente.

Hoje, assistimos e sofremos na pele, ao destroçar de muito do que de bom se conseguiu, ao retrocesso para “tempos da outra senhora”, à destruição do Portugal de Abril e ao abrir de portas a novas escravidões, à iniquidade, à perda de soberania.
Muitos perdem a esperança. Vemos com preocupação o regresso da emigração em massa, com muitos portugueses a procurarem no estrangeiro as condições de sobrevivência que não vislumbram na nossa terra natal.

Mas, porque “há sempre alguém que resiste, há sempre alguém que diz não”, estamos a lutar, com as armas que a Democracia conquistada com Abril ainda nos permite, contra os novos tiranos que nos roubam o pão, o trabalho e a soberania!

É uma luta difícil, os inimigos são poderosos, mas a nossa História de quase mil anos e o direito à nossa vida com futuro a isso nos obrigam!

Estamos a lutar contra os que nos trouxeram a esta situação, contra os que se apoderaram do poder e o utilizaram em benefício próprio, contra os que se venderam ao capital financeiro e aceitam ser capatazes do seu próprio povo.

Estamos a lutar contra a corrupção, que foi a principal arma utilizada para provocar esta crise, e exigir a punição dos seus autores.

Estamos a lutar contra o agravamento da crise, que vem aumentando em relação directa com a responsabilidade dos detentores do poder – sejam eles o Presidente da República, os governantes ou os deputados, que se mostram incapazes de encontrar soluções que travem a crise. Mas também, é curial afirmá-lo, as oposições políticas ou sindicais, incapazes de apontar alternativas.

Temos consciência que a crise é generalizada no mundo ocidental, nomeadamente na Europa, mas isso não justifica a profundidade que atingiu em Portugal.
Estamos a lutar contra o marasmo, o conformismo, o amochar que se tem apoderado dos portugueses, perante as contínuas agressões, os roubos de que são vítimas, que os levam a olhar para a destruição do país, sem que se mobilizem e ponham cobro a uma situação que seria impensável há meia dúzia de anos.

Estamos a incentivar as acções da sociedade civil que vem despertando, vem assumindo a contestação e vem dando sinais inequívocos ao poder, que a não serem entendidos, provocarão fortes convulsões sociais, com a violência como pano de fundo.

Nesse sentido e considerando:

- O envolvimento em vários processos fraudulentos, de milhares de milhões de euros, de pessoas com as mais altas responsabilidades em diversos sectores da economia e das finanças da nossa sociedade, muitas vezes oriundos dos aparelhos partidários e tendo desempenhado as mais elevadas funções no Estado português;
- A continuação das enormes arbitrariedades que agentes do poder público continuam a praticar, ao mesmo tempo que se vêm conhecendo novos dados sobre a natureza e a responsabilidade de muitos actos “lesa pátria”, alguns configurando situações criminosas;
- A ausência de acções concretas, no sentido de responsabilizar os autores desses crimes;

A Associação 25 de Abril manifesta a sua indignação, face aos acontecimentos que se estão vivendo em Portugal e que configuram, sem a menor dúvida, um enorme e muito grave descrédito dos representantes políticos, um logro à confiança cidadã e um desprestígio para o nosso país, precisamente em momentos especialmente delicados e que requerem uma grande responsabilidade e compromisso.

A Democracia baseia-se num pacto social, onde os cidadãos elegem os que consideram os mais indicados para gerir os assuntos públicos e para os representar durante um período de tempo previamente acordado.

A Democracia não é, nem pode ser jamais, a concessão a uns quantos de uma patente de pilhagem para se enriquecerem durante quatro anos ou mais!

A Democracia tem o seu fundamento na confiança que os representados têm nos seus representantes ena lealdade destes perante quem os elegeu.

Quando essa confiança é traída e essa lealdade desaparece, o prestígio e a legitimidade moral da classe política desmoronam-se e o cimento da Democracia apodrece.

É o que, na opinião da Associação 25 de Abril, se está passando em Portugal!
E é mais que sabido o que sucede quando, num Estado de Direito, a classe política perde o seu prestígio porque se transforma numa espécie de casta que deixa de servir os interesses de todos para servir apenas os seus próprios interesses.

Basta analisar a história do século XX para se concluir que essa foi sempre a antecâmara do totalitarismo.

Nesse sentido:
- A Associação 25 de Abril reclama uma justiça firme, eficaz e rápida;
- A Associação 25 de Abril reclama junto dos partidos políticos, a todos sem excepção, que façam tudo o que estiver ao seu alcance para denunciar e expulsar das suas organizações todos quantos hajam tomado parte em práticas corruptas. A todos e a todas, sejam quem forem.

Sendo os partidos políticos elementos essenciais ao funcionamento democrático, só com a sua elevação ética e regeneração poderá a classe política recuperar o prestígio perdido e a sua representatividade moral.

Sem isso, a democracia, tal como a entendemos, será uma mera ficção!

Por isso, se não forem os partidos políticos a alterarem este estado de coisas, terão de ser os portugueses a alterar os partidos políticos.

Para isso, os partidos políticos têm de ser capazes de ultrapassar os interesses próprios, de “capelinha”, e privilegiar os interesses colectivos. Só assim serão responsáveis, só assim serão patriotas!
A Associação 25de Abril exorta os meios de comunicação social a que, nestes tempos tão graves, sirvam, acima de tudo, os interesses dos cidadãos! Informem com verdade, objectividade e exaustivamente, sem negar ou ocultar a realidade nem manipular os factos. Só da difusão e do conhecimento da verdade pode surgir a regeneração ética, de que a nossa nação necessita mais do que nunca!

A Associação 25de Abril manifesta, por último, a sua esperança e a sua confiança, assim como a sua total lealdade, no sistema democrático e no Estado de Direito a que o 25 de Abril deu origem em Portugal, plasmados na Constituição da República.

Reclamamos pelas medidas necessárias ao impedimento da proliferação dos que se aproveitam do sistema para o seu próprio lucro e benefício, mas reclamamos também que essa exigência se faça rejeitando tutelas e “salvadores da pátria”.

Continuamos pensando que o sistema de liberdades e o pacto democrático entre os cidadãos é o melhor dos sistemas de governação.

Não desistimos, numa luta que não é só nossa. Nós e os outros povos europeus temos de ser capazes de perceber que os inimigos não são os outros povos, mas sim o capital financeiro que nos domina a todos e os que, em cada um dos países, a ele se venderam. A nossa luta é contra os tiranos e não de uns povos contra outros povos.
A Associação 25 de Abril exorta a uma democracia com ética e justiça!

Vamos vencer o medo, reafirmar Abril, construir o futuro!

A Direcção

Lisboa, Abril de 2013»

JOSÉ SÓCRATES E OS EQUÍVOCOS SOBRE O COMENTADOR POLÍTICO


José Sócrates, em Abril de 2013, é um comentador político. Não governa Portugal, nem é candidato à direcção do Partido Socialista.
Acho que há pessoas que se equivocam. Repito, José Sócrates não faz parte do governo, nem é candidato a primeiro-ministro. É apenas um comentador político.
O que interessa neste momento é se ele é ou não eficaz como comentador político no desmascaramento das aldrabices do governo PSD-CDS-Troika e dos comentadores que apoiam o governo de Passos Coelho.
Um pormenor fulcral – José Sócrates desmascarou, de vez, Vítor Gaspar, ao mostrar um vídeo de uma televisão da Irlanda, em que Vítor Gaspar era classificado de ministro da Troika. Neste aspecto José Sócrates foi demolidor.

quinta-feira, 18 de abril de 2013

ASCENSÃO E QUEDA DO IV REICH - II



«Como a Europa está a estragar a Primavera mundial»

«A grande reunião em Washington do FMI, do Banco Mundial e do G20 pôs a União Europeia e a sua “estúpida” política de austeridade no banco dos réus.
O céu está azul, as árvores começam a ter folhas verdes, as flores nascem nos campos, enfim, é a Primavera perfeita. Melhor, era. Se não fosse a velha Europa estar numa profunda crise económica, que pode voltar a provocar uma crise financeira grave e profunda com efeitos sistémicos a nível mundial. É assim que os responsáveis do Fundo Monetário Internacional descrevem o quadro actual da economia global na semana em que o mundo se reúne em Washington para a habitual reunião da Primavera do FMI, do Banco Mundial e também do G 20.

Neste ano da graça de 2013 estava quase tudo a correr na perfeição. Os países emergentes estão bem e recomendam- -se, o temido precipício orçamental nos Estados Unidos, que provocou cortes de 65 mil milhões nos gastos públicos e 750 mil despedimentos, não abalou por aí além a economia americana e a criação de empregos no sector privado, e até o Japão, que está há anos e anos a viver com a deflação, tem agora um governo que pôs em prática um grande plano capaz de ultrapassar de vez esse espinho grave na sua economia.

Está quase tudo bem. Falta o que dá pelo nome de Europa, a velha Europa, uma União Europeia e uma zona monetária com uma moeda única forte que, imagine-se, cinco anos depois do grande colapso do sistema financeiro está em recessão. A previsão da Primavera do FMI até pode ser muito optimista ao apontar para uma queda de 0,3% em 2013, com todas as economias, com excepção da Alemanha, em recessão.

E esta imensa nuvem depressiva prejudica, e de que maneira, o crescimento de todas as outras economias. Os países emergentes protestam, os Estados Unidos mostram os dentes e os asiáticos estão furiosos. O FMI prevê um crescimento de 3,3% da economia mundial. Mas este valor podia ser bem superior se a Europa não estivesse em queda. E os dedos acusadores têm todos um destinatário: a estúpida política de austeridade imposta a muitos países europeus pelos parceiros mais ricos da União Europeia. Uma austeridade que impede o crescimento e não resolve a grave questão da dívida soberana. Os alertas sobre Itália, Espanha, França e por aí adiante chegam de todo o lado e estão bem presentes nos corredores de Washington.

VOZES DE ALERTA Ainda esta semana, numa atitude pouco habitual, o conselho de editores do “New York Times” publicou um editorial em que atacava violentamente as políticas europeias. Para os editores e ex-directores do diário norte-americano, o remédio da austeridade estava a matar os doentes europeus, entre os quais estão, claro, Portugal, Espanha, Grécia, Chipre, mas também a Itália em crise política, França e agora a Eslovénia. Doentes em recessão, com dívidas públicas elevadas, défices excessivos e um desemprego galopante. A estas vozes críticas juntou-se agora uma que veio da Ásia.

ESTÚPIDA AUSTERIDADE O ministro das Finanças da Austrália disse ontem ao “Wall Street Journal” que a política de austeridade que se está a seguir na Europa “é estúpida e está a sobrecarregar a economia mundial”. As declarações de Wayne Swan foram feitas na véspera da reunião do G20 e dão o tom ao que vai sair do encontro das maiores economias mundiais.

Wayne Swan diz também que a Ásia não pode continuar a suportar o fardo da falta de crescimento das economias desenvolvidas, entravadas pela austeridade. De acordo com a OCDE, a economia do grupo dos 20 principais países mais ricos e emergentes cresceu meio por cento no quarto trimestre do ano passado. Isto em contraciclo com a Europa, que encabeça os recuos na actividade económica mundial.

O próprio FMI, que participa activamente nos programas de austeridade dos países europeus que pediram ajuda financeira, como a Irlanda, Grécia, Portugal e Chipre, critica estas medidas com grande veemência pela voz da sua directora-geral, Christine Lagarde (ver peça ao lado). Uma voz que não tem sido suficiente para mudar o pensamento da Alemanha, dona de uma Europa a uma só voz, que se mantém firme na defesa da austeridade, de um controlo orçamental rigoroso e relega para segundo plano qualquer política de crescimento económico.»
(António Ribeiro Ferreira, in jornal «i» net)