quinta-feira, 31 de julho de 2014

A SELVAJRIA JUDAICA E OS JULGAMENTOS DE NUREMBERGA DAS ELITES NAZIS


Agora foi anunciado um cessar-fogo de 72 horas entre os judeus e o Hamas.
A selvajaria judaica faz-nos lembrara a selvajaria da Alemanha nazi.

Os nazis faziam grandes reuniões partidárias anuais em Nuremberga.

Perderam a guerra e as elites nazis foram julgadas na mesma cidade de Nuremberga.

Muitos dos crimes imputados aos nazis podem ser imputados ao Estado de Israel. Esta impunidade dos judeus mostra quão repugnante é a época que estamos vivendo.

ESTÁ A SER ESTRUTURADA UMA ALTERNATIVA AO FMI

«En realidad, de los 41 países que están recibiendo “ayuda” del FMI, 31 sufren una enorme recesión causada por las políticas de austeridad impuestas por el FMI y el BCE (ver el excelente artículo de Mark Weisbrot, “BRICS’ New Financial Institutions Could Break a Long-Standing and Harmful Monopoly”, en Center for Economic and Policy Research, 18.07.14).

De ahí la urgencia y necesidad de crear instituciones alternativas, como la creada por los países emergentes BRICS (Brasil, Rusia, India, China y Sudáfrica), abierta a otros países. Los medios, influenciados por el capital financiero estadounidense y europeo, han intentado minimizar la importancia de este desarrollo, considerándolo poco creíble. Su credibilidad, como institución financiera alternativa, sin embargo, está avalada, porque todos estos países tienen unos sistemas bancarios públicos. En realidad, un dato que por regla general no se conoce es que los países que han tenido mayores crisis financieras han sido aquellos en los que, en su sistema bancario, predomina el sector privado. Los casos claros son EEUU y la Eurozona, siendo incluso más acentuado el de la Eurozona, porque en esta zona el BCE no es un banco central, sino un lobby de la banca (ver mi artículo “El BCE, el lobby de la banca”, Público, 08.12.11).» (In «ATTAC Mallorca | Justícia Econòmica Global»)

A NATO É A ARMA CHAVE DO REICH ESTADUNIDENSE



"«EL ARTE DE LA GUERRA»

OTAN, ofensiva mundial

Supuestamente creada para contener a la Unión Soviética, la OTAN no sólo siguió existiendo después de la desaparición del bloque soviético sino que se transformó en órgano mundial de la colonización estadounidense. Manlio Dinucci pasa en revista las acciones actuales de ese bloque militar fuera de su zona de origen: en el Levante, África, América Latina y el Pacífico.

  
+



JPEG - 10.3 KB
Los países miembros de la OTAN
No hay vacaciones en la OTAN sino un súper trabajo de verano. Está en preparación la cumbre de jefes de Estado y de gobierno, prevista para el 4 y el 5 de septiembre en Newport (Gales) encuentro donde se trazarán las líneas de la «adaptación estratégica» anti-rusa. Como ya hubo de anunciarlo el general estadounidense Philip Breedlove, Comandante Supremo de las Fuerzas Aliadas en Europa (SACEUR), eso «costará dinero, tiempo y esfuerzos». El trabajo ya empezó.
- En Ucrania, mientras la OTAN intensifica el entrenamiento de las fuerzas armadas de Kiev –financiadas por Washington con 33 millones de dólares– se están reactivando en el sur del país 3 aeropuertos militares utilizables para los cazabombarderos de la alianza atlántica.
- En Polonia acaba de realizarse una maniobra con paracaidistas de Estados Unidos, Polonia y Estonia que saltaron desde varios aviones del tipo C-130J enviados a la base de Ramstein, en Alemania.
- En Hungría, Rumania, Bulgaria y Lituania están en marcha diversas operaciones militares de la OTAN, con aviones de guerra electrónica del tipo AWAC, cazabombarderos F-16 y navíos de guerra en el Mar Negro.
- En Georgia, país al que viajó una delegación de la Asamblea Parlamentaria de la OTAN para acelerar su entrada ese bloque militar, las tropas que regresan de Afganistán están reentrenándose con instructores estadounidenses para operar en el Cáucaso.
- En Azerbaiyán, Tayikistán y Armenia están entrenándose fuerzas seleccionadas para operar bajo las órdenes de la OTAN, en cuyo cuartel general ya hay oficiales de esos países.
- En Afganistán, la OTAN está tratando de reciclar la guerra, convirtiéndola en una serie de «operaciones secretas».
La «Organización del Tratado del Atlántico Norte», después de extenderse al este de Europa (penetrando en los territorios de la ex URSS) y al Asia Central, apunta ahora hacia otras regiones.
En el Levante, la OTAN –sin aparecer oficialmente– está realizando, con fuerzas infiltradas, una operación militar secreta contra Siria y está preparándose para otras operaciones, como lo demuestra el desplazamiento a Izmir, en Turquía, del Mando de todas las Fuerzas Terrestres de la alianza atlántica, LANDCOM.
En África, después destrozar Libia con la guerra de 2011, la OTAN instauró en mayo pasado, en Addis Abeba, un acuerdo que potencializa la asistencia militar de ese bloque a la Unión Africana, fundamentalmente en la formación y entrenamiento de las brigadas de la African Standby Force, a la que también proporciona «planificación y transporte aeronaval». La OTAN dispone así de un voto determinante sobre dónde y cómo se despliegan y utilizan esas brigadas.
Otro de los instrumentos de la OTAN en África es la operación «antipiratería» denominada Ocean Shield, que se mantiene en aguas del Océano Índico y del Golfo de Adén, puntos estratégicamente importantes. En esa operación, que se realiza en coordinación con el AfriCom [1], participan buques de guerra de Italia, incluso con la misión de establecer relaciones con las fuerzas armadas de los países que tienen costas en esas aguas, es por eso que el navío lanzamisiles [italiano] Mimbelli hizo escala en Dar es Salaam, Tanzania, del 13 al 17 de julio.
En América Latina, la OTAN estableció en 2013 un «Acuerdo de Seguridad» con Colombia, país ya implicado en varios programas militares de la alianza atlántica, de la que rápidamente podría convertirse en socio. En ese marco, el SouthCom [2] realiza actualmente en Colombia una maniobra con la participación de 700 comandos de las fuerzas especiales estadounidenses y de varios países sudamericanos.
En la zona del Pacífico se está realizando Rimpac 2014, la maniobra naval más grande del mundo, simultáneamente anti-China y anti-Rusia: en ella participan, bajo las órdenes de Estados Unidos, 25 000 militares de 22 países con 55 navíos y 200 aviones de guerra. Por la OTAN participan infantes de marina de Estados Unidos, de Canadá, Gran Bretaña, Francia, Holanda y Noruega mientras que Italia, Alemania y Dinamarca participan como observadores.
La «Organización del Tratado del Atlántico Norte» ya se extendió hasta el Pacífico.
Fuente
Il Manifesto
Traducido al español por la Red Voltaire a partir de la versión al francés de Marie-Ange Patrizio.
[1] AfriCom es el Mando de las Fuerzas Armadas de Estados Unidos en África.
[2] El SouthCom es el Mando de las Fuerzas Armadas de Estados Unidos que “abarca” Sudamérica, Centroamérica y el Caribe. Es el tristemente célebre «Comando Sur» en cuya «Escuela de las Américas», rebautizada «Instituto del Hemisferio Occidental para la Cooperación en Seguridad», se formaron numerosos policías torturadores y militares golpistas latinoamericanos, como los generales golpistas argentinos Roberto Viola y Leopoldo Galtieri, el general chileno Manuel Contreras, el boliviano Hugo Banzer y el panameño Manuel Antonio Noriega. Más detalles en nuestro dossier sobre el SouthCom. Nota de la Red Voltaire. (In «Red Voltaire»)

CONTRA A CRIMINALIDADE DO COSTUME


"«A crise moral que atravessamos traduz-se nisto: condenamos carteiristas à cadeia em nome da Justiça e tratamos com deferência e apresentamos como exemplo organizações criminosas que operam em grande escala, como os bancos. Não é uma novidade, mas o facto de não ser uma novidade e de continuarmos a tolerar a situação só a torna mais grave. Continuamos a tratar com respeito governos que se apropriam de património público para o vender ao desbarato e que destroem monopólios do Estado para beneficiar interesses privados obscuros – como o Governo português está a fazer com a lotaria.

Por que respeitamos estes ladrões? Por que falamos de bancos e de organizações como a ONU, ou o FMI ou a FIFA ou tantas outras, como se fossem respeitáveis? Por que não exigimos que obedeçam aos padrões éticos e legais que exigimos aos outros? Apenas porque usam gravata e sabem usar talheres? Apenas porque ficaram ricos com o dinheiro que roubaram? Somos assim tão parvos?»
José Vítor Malheiros, no Público de hoje. " (Cit. in blog «Entre as brumas da memória»)

Já neste blog escrevi que a evolução da Humanidade, globalmente, está muito menos avançada do que o desejável e do que as aparências mostram. É este impasse no desenvolvimento ético da Humanidade que permite que nas democracias um pequeno grupo de ladrões, torturadores e assassinos mande com os votos da maioria dos eleitores.

AS VÍTIMAS DO PASSADO SÃO OS CARRASCOS DO PRESENTE

«Grito global pela Palestina


Pela Palestina 1 Agosto
Os ataques na faixa de Gaza não param e consequentemente o número de mortos já ultrapassou os 1300 do lado palestiniano e cerca de 48 do lado Israelita… De referir também que além da disparidade quantitativa também existe uma brutal disparidade qualitativa. Enquanto que do lado israelita menos de 10% das vítimas mortais são civis (apenas cerca de 4 em 48) do lado palestiniano é o oposto, dos mais de 1300 mortos a maioria são civis (incluindo mais de 240 crianças…). O que se passa na Palestina é inadmissível e se à Palestina não é permitida voz, junta a tua voz amanhã, 1 de Agosto, em Lisboa às 18h no Saldanha seguindo em marcha até à Embaixada de Israel:https://www.facebook.com/events/1506806816200453/
e também amanhã, 1 de Agosto, na cidade do Porto às 16h na rotunda da Boavista:https://www.facebook.com/events/559979124124729/?ref=br_tf » (In blog «5 Dias net»)

quarta-feira, 30 de julho de 2014

UMA OPINIÃO CONTRA O FASCISMO DE KIEV APOIADO POR TODAS AS TROIKAS

«As notícias que chegam da Ucrânia confirmam o acerto da avaliação do PCP sobre os acontecimentos que conduziram ao golpe de Estado de 21-22 de Fevereiro e evidenciam um quadro de constante e crescente repressão e violação das liberdades e direitos civis fundamentais, resultante desse golpe, fomentado e patrocinado pelos EUA, UE e NATO, com a participação determinante de forças ucranianas de assumido cariz fascista e neonazi.
Neste plano, assinala-se a extraordinária gravidade da campanha protagonizada pelo poder ilegítimo contra as forças democráticas, em particular contra o Partido Comunista da Ucrânia (PCU). Registando inúmeros actos de intimidação e violência – incluindo agressões físicas e o assassinato brutal de dirigentes e militantes comunistas – esta campanha tem como objectivo declarado a ilegalização do PCU.
Simultaneamente, deve sublinhar-se que o lançamento pelo governo de Kiev da criminosa operação militar que há mais de três meses assola a região ucraniana do Donbass – operação em que participam activamente batalhões neofascistas enquadrados no comando militar e operacional de Kiev - tem já um saldo de muitos milhares de vítimas civis e refugiados. Esta campanha militar é expressão da natureza anti-democrática e profundamente reaccionária do actual poder golpista e fantoche de Kiev. É igualmente reveladora das ameaças e sérios perigos para a paz e a segurança internacionais que advêm da aposta dos círculos mais agressivos do imperialismo na política do intervencionismo e da guerra. Ganham acrescido fundamento as inquietações quanto ao caminhar para um conflito militar de grandes proporções, envolvendo as principais potências nucleares do planeta, com evidentes consequências dramáticas para a Humanidade.
Nestas circunstâncias, o PCP:
1 - Manifesta a mais viva indignação perante a alteração pelo Parlamento da Ucrânia do seu Regulamento, concretizada a 24 de Julho, com o objectivo de dissolver o Grupo Parlamentar de um partido que recebeu 13,2% dos votos nas últimas eleições antes do golpe, e denuncia o vergonhoso processo de ilegalização do PCU, aberto pelo governo no Tribunal Administrativo de Kiev, em violação da própria Constituição. Reafirma a sua firme condenação da campanha repressiva e persecutória contra os comunistas ucranianos e as tentativas inaceitáveis de ilegalizar ou restringir a actividade do PCU, assim como de criminalizar a ideologia comunista.
2 - Condena o clima de histeria xenófoba, intimidação e intolerância vigente na Ucrânia (animada pelas potências imperialistas e com quem o governo português tem feito coro) e a multiplicação das ameaças e violência exercidas sobre todos aqueles que se opõem ao poder ilegítimo, reiterando a solidariedade com os comunistas e as forças democráticas ucranianas que resistem e se erguem em defesa dos seus direitos, contra a ameaça neofascista e a opressão dos oligarcas e do grande capital.» (Ref. in blog «O TEMPO DAS CEREJAS 2»)

O DEUS DOS JUDEUS SE NÃO FOSSE FALSO ERA PERIGOSÍSSIMO

O imaginário deus dos judeus mandou bombardear uma escola da ONU em Gaza. É um deus sanguinário o deus dos judeus. Esta demência religiosa judaica genocida é abençoada por Obama, pela França, pelo Reino Unido e pela Holanda.

Obama, Hollande e Cameron rasgaram as vestes de raiva, e reforçaram a nova guerra fria contra a Rússia, porque um avião da Malásia foi abatido no leste da Ucrânia numa zona de guerra quente, que eles próprios organizaram, apoiam diplomaticamente e estão a financiar.
Obama e a União Europeia dão ordens à Rússia, esperando que a decadência da Rússia mantenha no poder traidores como Gorbatchov e Ieltsin. Estes dois últimos fizeram tudo aquilo que os inimigos da Rússia queriam.

Obama e a União Europeia querem que Putin e os deputados que o apoiam, deixem que o regime fascista de Kiev, mate homens, mulheres e crianças ucranianos de etnia russa, numa chacina apoiada pelos deuses ocidentais (todos eles falsos). Obama e a União Europeia financiam, alegremente, a orgia de sangue do deus dos judeus que tem um ódio de morte aos palestinianos.

terça-feira, 29 de julho de 2014

O FRACASSO DAS TROIKAS


As troikas externa (Washington/FMI + «BCE»/Berlim + «CE»/Berlim) e internas governo e todas as corjas que o apoiam + quem votou a favor do escandaloso «Tratado Orçamental» fracassaram em Portugal.
Os dogmas da religião troikista são vários, o empobrecimento e a privatização de tudo o que dá lucro e ainda a nacionalização de alguns prejuízos dos privados.

A vida da maioria esmagadora dos portugueses está muito pior do que antes das troikas.
Até um ex-deputado do PSD vê o desastre que as troikas neoliberais trouxeram aos portugueses.
«– Insatisfeitos, pessimistas e sem esperança. 96% acham que a situação económica do país é má. Repito, 96%, um número daqueles que se costumam chamar “albaneses”. Só que neste caso é bem português. Ou seja, quase todos os portugueses descrêem do “milagre” económico que, com cada menos convicção, Passos Coelho, Portas e Pires de Lima propagam por todo o lado. Não lêem a imprensa económica, não lêem os blogues governamentais, não lêem os comentadores do Observador, não acreditam no PSD e no CDS, mesmo quando deles fazem parte. Nenhum país da Europa tem estes resultados, nem a Grécia. (...)

– Não acreditam em nada, nem em ninguém. Nem nos políticos, nem na política. Quase que já não acreditam na democracia. Não têm qualquer confiança no actual Governo. 85%, repito, 85%, não têm confiança no Governo. Outro número “albanês”, mas bem português, acima de todos os outros na Europa. (...)


– Cansados de um imenso cansaço, cansados de um desesperante cansaço. Vão para férias, mas não vão ter férias. Podem mergulhar no mar, mas quando se encostam à toalha para secar, a sua cabeça não descansa. (Como é que vou pagar o carro em Setembro? Como é que vou pagar a prestação da casa? Já não posso mais receber aqueles avisos da Autoridade Tributária a explicar por um número infindo de artigos que o meu salário vai ser penhorado. Como é que vou sobreviver com a conta bancária confiscada para pagar o IRS? Como é que vou dizer à minha mulher que saio todos os dias de manhã como se fosse para o emprego, mas há um mês que fui despedido? Será que no meu serviço serei passado para a mobilidade especial? Vou ter de mudar de casa, por que não posso pagar a nova renda que o senhorio me pediu. A nossa filha entrou na universidade, mas onde é que vou arranjar o dinheiro para as propinas? Como é que vou de novo abrir o café, quando devo dinheiro a todos os fornecedores? E como vou continuar a ter o meu empregado de sempre na oficina quando ninguém paga nada? (…)» (Pacheco Pereira cit. no blog «Entre as brumas da memória»)

segunda-feira, 28 de julho de 2014

A HUMILHAÇÃO INTELECTUAL EM TEMPO DE GUERRA


Washington e a União Europeia fabricam guerras. As guerras são um bom negócio.
Os judeus do Estado de Israel desprezam a ONU, porque são apoiados pelos Estados Unidos e pela União Europeia.
Os Estados Unidos, a França e o Reino Unido têm direito de veto no Conselho de Segurança da ONU e impedem qualquer acção efectiva da ONU para meter na ordem os judeus do Estado de Israel.
Os mídia dominantes em Portugal estão em guerra total contra a inteligência e a instrução dos portugueses em que as televisões (RTP, SIC e TVI) têm um papel vanguardista na tentativa de embrutecer os portugueses, é uma comédia trágica. Comunicados de guerra dos israelitas, dos Estados Unidos, de Londres, de Paris, de Kiev!!!!! Depois um comunicado de guerra da Holanda.
A matança de mais de mil palestinianos, homens mulheres e crianças de todas as idades em Gaza com autorização de Washington e dos seus súbditos da União Europeia, é uma orgia de sangue do chamado «Mundo Livre». Resolver a questão palestiniana reconhecendo o Estado da Palestina nem pensar, porque Washington, Londres e Paris não deixam.
É sempre de condenar o derrube de um avião de passageiros por um míssil. A primeira questão que coloco é esta: quem mandou o avião da Malásia sobrevoar uma zona de combates, com bombardeamentos aéreos? Uma questão chave é esta: a rota do avião estava errada, é perigoso sobrevoar uma zona de combates, ainda por cima com bombardeamentos aéreos. Outra questão chave é esta: o avião podia ter sido derrubado pelas tropas de Kiev, visto que Kiev utiliza este facto como propaganda de guerra. Temos o incêndio do Reichstag, versão Kiev 2014?

Depois as forças imperiais coloniais ocidentais fabricam guerras e as respectivas matanças, matanças de palestinianos, matanças de ucranianos de etnia russa, homens, mulheres e crianças de todas as idades recomendam-se no chamado ocidente.

domingo, 27 de julho de 2014

GUANTÁNAMO E SUCURSAIS - A SELVAJARIA DITA DEMOCRÁTICA


«Cárceles de la CIA: El Tribunal Europeo de Derechos Humanos condena a Polonia


  
+


El Tribunal Europeo de Derechos Humanos condenó a Polonia por haber ignorado sus obligaciones al permitir la creación de una cárcel secreta de la CIA (codificada como «Quartz») en territorio polaco.
La condena emitida por el Tribunal Europeo de Derechos Humanos, en un veredicto que aún no es definitivo, responde a las denuncias presentadas por el palestino Abu Zubaydah y el saudita Al-Nashiri. Ambos reclamantes demostraron que estuvieron detenidos en Polonia, en 2002 y 2003, y que fueron torturados durante su encarcelamiento en ese país.
El veredicto del Tribunal Europeo de Derechos Humanos se basó en el informe del senador suizo Dick Marty al Consejo de Europa [1].
El hecho es que el gobierno polaco autorizó la CIA a crear una cárcel secreta dentro del campo de entrenamiento de los servicios de inteligencia de Polonia, en Stare Kiejkuty, no lejos de la ciudad de Szczytno, en el norte del país.
Antes de su estancia en esa cárcel secreta de la CIA, Abu Zubaydah había sido secuestrado en Dubai. Por su parte, Al-Nashiri había sido secuestrado en Pakistán.
El Tribunal Europeo de Derechos Humanos concluyó que Polonia no respetó el artículo 38 de la Convención Europea de Derechos Humanos, o sea la obligación de facilitar la realización de una investigación eficaz.
El Tribunal Europeo de Derechos Humanos concluyó además que, tanto en el caso de Zubaydah como en el caso de Al-Nashiri, hubo:
- violación del artículo 3 de la Convención Europea de Derechos Humanos (prohibición de la tortura y los tratamientos inhumanos o degradantes) tanto en el aspecto material como en lo tocante al procedimiento;
- violación del artículo 5 (derecho a la libertad y la seguridad);
- violación del artículo 8 (derecho al respeto de la vida privada y familiar);
- violación del artículo 13 (derecho a un recurso efectivo) y
- violación del artículo 6 § 1 (derecho a un juicio justo).
Sobre el caso específico de Al-Nashiri, el Tribunal Europeo de Derechos Humanos concluyó que se violaron también los artículos 2 (derecho a la vida) y 3 de la Convención Europea de Derechos Humanos combinados con el artículo 1 del Protocolo n° 6 de la misma Convención (abolición de la pena de muerte).» (In «Red Voltaire»)

A SEVAJARIA DITA DEMOCRÁTICA OU APOIADA PELAS DEMOCRACIAS ESTÁ NA MODA

A implantação de um regime fascista-nazi na Ucrânia pela União Europeia e por Washington mostra bem a hipocrisia do poder no império de Washington e nos países seus vassalos.
O regime pró-ocidental de Kiev divulgou o seu programa: proibição da liberdade religiosa, proibição da liberdade de expressão de pensamento, proibição da liberdade de manifestação, proibição da língua russa.
Todos os países da União Europeia, incluindo a Holanda, estão comprometidos com as selvajarias do regime de Kiev, especializado em matanças de civis, homens, mulheres, e crianças de todas as idades, nomeadamente com bombardeamentos aéreos.




Os holandeses rasgaram as vestes quando um avião de passageiros da Malásia foi abatido (não se sabe por quem) numa zona de combates, com bombardeamentos aéreos e choraram de raiva, por não terem meios para iniciarem a III Guerra Mundial.
A hipocrisia faz parte da liturgia dos torturadores de Guantánamo e das suas Sucursais (umas prisões conhecida e outras prisões secretas). Quem mentiu a todo o Mundo para invadir o Iraque, mente sempre que achar conveniente. Não me parece que a versão de Washington sobre o abate do avião da Malásia seja mais credível que a versão de Washington para justificar a invasão do Iraque.


E, entretanto, o Estado de Israel, um protectorado de Washington e da União Europeia, pratica genocídio sobre os palestinianos, com a bênção de todas as troikas, isto é de Washington e da União Europeia. E depois os mídia dominantes no chamado ocidente divulgam os comunicados de guerra dos judeus e dos seus apoiantes de Washington e da União Europeia, achando que o genocídio de Gaza tem que ter dimensões muito superiores às que já tem.

sábado, 26 de julho de 2014

A CARNIFICINA DEMOCRÁTICA JÁ MATOU MAIS DE MIL PALESTINIANOS, MAS ACHAM POUCO OS GENOCIDAS E OS SEUS APOIANTES


Os Estados Unidos e a CEE/CE/União Europeia forneceram  bombas atómicas a Israel, bases teóricas e material para fabricação de muitas mais e ainda aviões, mísseis e submarinos para as lançar. Israel não é um Estado soberano, tudo o que faz tem que ser aprovado por Washington (e depois pelos seus súbditos).

A loucura assassina judaica e cristã que está a chacinar os palestinianos está aser muito elogiada pelos mídia ocidentais dominantes, nomeadamente pelas televisões portuguesas. Dias repugnantes estes que estamos a viver.

OS CRIMES CONTRA A HUMANIDADE COMETIDOS PELO ESTADOS DA UNIÃO EUROPEIA NA REDE GUANTÁNAMO E SUCURSAIS


A selvajaria da tortura praticada na rede Guantánamo e Sucursais (umas prisões conhecidas outras secretas) incluindo tortura até à morte pode ser considerada um Crime Contra a Humanidade. Todos os países da NATO (incluindo a Noruega dos prémios Nobel da Paz) e da União Europeia (incluindo a Suécia dos prémios Nobel) e a Holanda (dos tribunais fantoches chamados pomposamente de «Tribunais Internacionais») fazem parte desta rede tenebrosa de crimes hediondos. Os Estados da União Europeia estão metidos nesta organização de crimes hediondos e fazem de conta que não. Esta hipocrisia, escondida atrás do chamado segredo de Estado, faz com que muita gente ligada à rede Guantánamo e Sucursais ande a pregar uma moral que não tem.


O italiano Maquiavel na obra «O Príncipe» (1513) teoriza a criminalidade em nome do chamado interesse do Estado e a hipocrisia associada à gestão do Estado. Para Maquiavel «o príncipe» não precisa de ser honesto, mas precisa de parecer honesto. As pessoas que na União Europeia estão associadas ao poder não precisam de respeitar os Direitos Humanos, mas precisam de fazer de conta que os respeitam, necessitam de parecer que os respeitam.

NA UNIÃO EUROPEIA NEM TODOS SEGUEM O DISCURSO INSANO E CRIMINOSO DOS POLÍTICOS NO PODER

«Médicos e cientistas europeus chocados com agressão militar israelita a civis


Gaza
24 médicos e cientistas do Reino Unido e de Itália denunciam a agressão militar israelita em Gaza, numa carta ao The Lancet, publicada no dia 22 de julho. O texto explica muito bem a situação que se vive na Gaza cercada e bombardeada.
“Somos médicos e cientistas, que passamos a nossa vida a desenvolver meios para cuidar e proteger a saúde e as vidas. Também somos pessoas informadas; ensinamos a ética das nossas profissões, conjuntamente com o conhecimento e a prática. Todos trabalhámos em Gaza e conhecemos há anos a sua situação.
Baseando-nos na nossa ética e prática, denunciamos o que testemunhamos na agressão a Gaza por Israel. Pedimos aos nossos colegas, velhos e jovens profissionais, que denunciem esta agressão israelita. Desafiamos a perversidade de uma propaganda que justifica a criação de uma urgência para mascarar um massacre, uma suposta “agressão defensiva”. Na realidade, trata-se de um ataque implacável de duração, extensão e intensidade ilimitadas. Queremos referir os factos tais como os vemos e as suas implicações nas vidas das pessoas.
Estamos chocados pelo ataque militar a civis em Gaza sob o pretexto de castigar os terroristas. Este é o terceiro ataque militar em grande escala a Gaza desde 2008. De cada vez, o número de mortes confirmadas refere-se principalmente a pessoas inocentes de Gaza, em particular mulheres e crianças, sob o pretexto inaceitável de Israel erradicar os partidos políticos e a resistência à ocupação e ao cerco que impõe.
Esta ação também aterroriza aqueles que não são diretamente atingidos e fere a alma, a mente e a resiliência da geração jovem. A nossa condenação e aversão são agravadas ainda mais pela negação e proibição de Gaza receber ajuda externa e suprimentos para aliviar as terríveis circunstâncias.
O bloqueio a Gaza está mais apertado desde o ano passado e tem um custo mais gravoso para a sua população. Em Gaza, as pessoas sofrem de fome, sede, poluição, escassez de medicamentos, eletricidade e de todos os meios para obter um rendimento, não só por serem alvejadas e bombardeadas. Crise de energia, escassez de gasolina, escassez de água e comida, vazão de esgoto e sempre a diminuição dos recursos são catástrofes provocadas directa e indirectamente pelo cerco.
O povo da faixa de Gaza está a resistir a esta agressão, porque quer uma vida melhor e normal e, mesmo quando chora de tristeza, dor e terror, rejeita uma trégua temporária que não oferece uma oportunidade real de um futuro melhor. Uma voz no meio dos ataques em Gaza é de Um Al Ramlawi que fala por todos em Gaza: “Eles estão a matar-nos a todos, de toda a maneira — ou uma morte lenta pelo cerco, ou uma rápida pelos ataques militares. Nós não temos nada a perder — devemos lutar pelos nossos direitos, ou morrer ao tentar.”
Gaza tem sido cercada por mar e terra desde 2006. Qualquer indivíduo de Gaza, incluindo pescadores, que se aventure além de 3 milhas marítimas da costa de Gaza, arrisca-se a ser baleado pela marinha israelita. Ninguém de Gaza pode sair pelos dois únicos check-points, Erez ou Rafah, sem permissão especial dos israelitas e dos egípcios, o que é difícil de obter para muitos, se não impossível. As pessoas de Gaza não podem ir para o estrangeiro para estudar, trabalhar, visitar famílias ou fazer negócios. Feridos e doentes não podem sair facilmente para obter tratamento especializado fora de Gaza. Foram restringidas as entradas de alimentos e medicamentos em Gaza e muitos produtos essenciais para a sobrevivência foram proibidos.
Antes do presente ataque, os produtos médicos armazenados em Gaza já estavam no nível mais baixo de todos os tempos devido ao cerco. Esgotaram-se agora. Da mesma maneira, Gaza é incapaz de exportar os seus produtos. A agricultura tem sido severamente prejudicada pela imposição de uma zona-tampão, e não podem ser exportados produtos agrícolas devido ao bloqueio. 80% da população de Gaza é dependente das rações de comida da ONU.
Muitos dos edifícios e da infraestrutura de Gaza foram destruídos durante a operação Chumbo Derretido, em 2008-09, e os materiais de construção foram bloqueados, de modo que escolas, casas e instituições não podem ser correctamente reconstruídas.
As fábricas destruídas pelos bombardeamentos raramente foram reconstruídas, acrescentando o desemprego à miséria.
Apesar das condições difíceis, o povo de Gaza e os seus líderes políticos actuaram recentemente para resolver os seus conflitos “sem braços nem danos” através do processo de reconciliação entre as facções, os seus líderes renunciando a títulos e posições, para que um governo de unidade pudesse ser formado, abolindo a política factional que existe desde 2007. Esta reconciliação, embora aceite por muitos na comunidade internacional, foi rejeitada por Israel. O actual ataque israelita cortou esta oportunidade de unidade política entre Gaza e a Cisjordânia e separou uma parte da sociedade palestiniana, destruindo a vida do povo de Gaza. Sob o pretexto de eliminar o terrorismo, Israel está a tentar destruir a crescente unidade palestiniana. Entre outras mentiras, é afirmado que os civis em Gaza são reféns do Hamas, quando a verdade é que a faixa de Gaza está cercada pelos israelitas e egípcios.
Gaza tem sido bombardeada continuamente durante os últimos 14 dias, seguindo-se agora a invasão terrestre por tanques e milhares de tropas israelitas. Mais de 60.000 civis do norte de Gaza foram intimados a deixar as suas casas. Estas pessoas deslocadas internas não têm para onde ir uma vez que o centro e o sul de Gaza estão também sujeitos ao bombardeamento de artilharia pesada. Toda Gaza está a ser atacada. Os únicos abrigos em Gaza são as escolas da Agência da ONU para os refugiados (UNRWA), abrigos incertos já alvejados durante a operação Chumbo Derretido, onde muitas pessoas morreram.
De acordo com o Ministério da Saúde de Gaza e o escritório da ONU para a coordenação de assuntos humanitários (OCHA), até 21 de julho 149 dos 558 mortos em Gaza e 1.100 dos 3.504 feridos eram crianças. Os que estão enterrados sob os escombros ainda não estão contados. Enquanto escrevemos, a BBC noticia o bombardeamento de um outro hospital, que atingiu a unidade de cuidados intensivos e salas de cirurgia, com mortes de pacientes e funcionários. Há agora receios relativamente ao principal hospital Al Shifa. Além disso, a maioria das pessoas estão psicologicamente traumatizadas em Gaza. Qualquer pessoa com mais de 6 anos já viveu o seu terceiro ataque militar por parte de Israel.
O massacre em Gaza não poupa ninguém e atinge deficientes e doentes em hospitais, crianças brincando na praia ou em cima do telhado, com uma grande maioria de não-combatentes. Hospitais, clínicas, ambulâncias, mesquitas, escolas e edifícios de imprensa têm sido todos atacados, com milhares de casas particulares bombardeadas, o fogo claramente direcionando para alvejar famílias inteiras e matá-las dentro das suas casas, privando as famílias de suas casas ao mandá-las sair uns minutos antes da destruição. Uma área inteira foi destruída em 20 de julho, deixando milhares de pessoas deslocadas sem tecto, ao lado de centenas de feridos e matando pelo menos 70 — isto é muito além do propósito de encontrar túneis. Nenhum destes são objetivos militares. Estes ataques visam aterrorizar, ferir a alma e o corpo das pessoas e tornar-lhes a vida impossível no futuro, assim como também demolindo as suas casas e proibindo os meios para reconstruir.
É usado armamento conhecido por causar danos a longo prazo na saúde de toda a população; em particular armamento de não fragmentação e bombas de ponta-dura. Vemos armamento de precisão a ser usado indiscriminadamente em crianças e vemos constantemente que as chamadas armas inteligentes falham a precisão, a menos que elas sejam deliberadamente usadas para destruir vidas inocentes.
Denunciamos o mito propagado por Israel de que a agressão é feita com a preocupação de poupar as vidas de civis e o bem-estar das crianças.
O comportamento de Israel insultou a nossa humanidade, a nossa inteligência e dignidade, bem como a nossa ética profissional e os nossos esforços. Até mesmo aqueles de nós que querem ir e ajudar são incapazes de chegar a Gaza devido ao bloqueio.
Esta “agressão defensiva” de duração, extensão e intensidade ilimitadas tem de ser travada.
Além disso, se o uso de gás for confirmado, isto é inequivocamente um crime de guerra, pelo qual, antes de mais nada, sanções graves terão de ser tomadas imediatamente sobre Israel, assim como a ruptura de qualquer comércio e acordos de colaboração com a Europa.
No momento em que escrevemos, são relatados outros massacres e ameaças sobre o pessoal médico nos serviços de urgência e o impedimento da entrada de comboios de ajuda humanitária internacional. Enquanto cientistas e médicos, não podemos ficar em silêncio enquanto este crime contra a humanidade continua. Instamos os leitores a também não ficarem em silêncio. Gaza presa no cerco está a ser morta por uma das maiores e mais sofisticadas máquinas militares modernas. A terra está envenenada por detritos de armas, com consequências para as gerações futuras. Se aqueles de nós capazes de se exprimir não o fazem e não tomam uma atitude contra este crime de guerra, também somos cúmplices da destruição das vidas e das casas de 1,8 milhão de pessoas em Gaza.
Registamos com consternação que apenas 5% dos nossos colegas académicos israelitas assinaram um apelo ao seu governo para parar a operação militar contra Gaza.
Somos tentados a concluir que, à excepção desses 5%, o resto dos académicos israelitas é cúmplice do massacre e da destruição de Gaza. Vemos também a cumplicidade dos nossos países na Europa e América do Norte neste massacre e a impotência mais uma vez das instituições e organizações internacionais para parar este massacre.”
Fonte (e signatários): The Lancet: Leading doctors and scientists denounce Gaza violencehttp://www.thelancet.com/gaza-letter-2014  (In blog «5 Dias net»)